EXTRATIVISMO DE MARISCOS NA ILHA DO MARANHÃO (MA): implicações ecológicas e socioeconômicas

Tatiana de Jesus Ferreira Pereira, Antonio Carlos Leal de Castro, Helen Roberta Silva Ferreira, Leonardo Silva Soares, Marcelo Henrique Lopes Silva, James Werllen de Jesus Azevedo, Victor Lamarão de França, Michelly dos Santos Moreira

Resumo


Esta pesquisa avaliou o sistema de produção extrativista de moluscos e os
efeitos socioeconômicos e ambientais nos municípios de Paço do Lumiar, São José de Ribamar e Raposa, situados na Ilha do Maranhão. Foram realizadas entrevistas no período entre setembro/2014 e dezembro/2014, com aplicação de 66 questionários do tipo semiestruturados, abordando a questão ambiental, socioeconômica e a atividade de mariscagem e coletadas alíquotas de água para análise bacteriológica nos sítios de extração dos mariscos. A evolução espaço-temporal dos bancos que servem de substrato para os moluscos foi avaliada a partir de imagens aéreas referente aos anos de 2005 e 2015. Os principais moluscos extraídos foram Anomalocardia brasiliana, Mytellafalcata, Mytellaguanienses, Iphigenia brasiliensis e Crassostrearhizophorae, os quais apresentaram produção estimada entre 200 Kg a 300 Kg/coleta.
Palavras-chave: Moluscos, catadores, estuário, Ilha do Maranhão.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18764/2178-2865.v21n2p831-854

Direitos autorais 2018 Revista de Políticas Públicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Pol. públ.

ISSN 2178-2865 (online)