PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA MORTALIDADE MATERNA NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS-MA

José de Ribamar França, Raimundo Antonio da Silva, Luciane Luciane Brito, Silvânia Terra de Souza, Vanessa Carneiro Arruda, Ana Cláudia Nogueira

Resumo


Com o propósito de estudar e atualizar em São Luís-Maranhão, entre os anos de 1987 e 1993, os dados sobre a mortalidade materna - indicador indireto da qualidade de assistência prestada à mulher, durante a gravidez, parto e puerpério - oram investigadas todas as declarações de óbito de mulheres em idade reprodutiva (10 a 49 anos), registradas junto ao Setor de Mortalidade da Secretaria Estadual de Saúde nesta cidade no período de interesse, donde foram selecionados os casos de “morte materna”, num total de 172. Considerou-se a distribuição dos óbitos por “causa mortis” e faixa etária. O coeficiente de mortalidade materna (CMM) para o período foi de 113,63/100.000 nascidos vivos (NV). A avaliação anual revelou 172, 141, 126, 117, 64, 89,4 e 78,15/100.000 NV para cada ano entre 1987 e 1993. Na determinação dos óbitos, prevaleceram as causas maternas diretas (92,8%), distribuídas sobretudo entre infecção (37,2%), toxemia (29,4%) e hemorragia (22,8%). Mais da metade dos decessos ocorreu em mulheres jovens de até 24 anos, valendo destacar a faixa de adolescentes que contribuiu com 21,2% desses casos fatais. Conclui-se portanto, que, apesar do declínio gradual do CMM a cada ano e da melhora considerável em relação ao último estudo (519/100.000 NV em 1983), tais resultados deixam muito a desejar quando comparados aos de outros centros, bem como se considerarmos que estes devam estar subnotificados e que a maioria das mortes poderia ter sido evitada.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2015 Revista de Políticas Públicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Pol. públ.

ISSN 2178-2865 (online)