MORTALIDADE FEMININA EM IDADE REPRODUTIVA NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: perfil epidemiológico em 1994

Kerly Helena Nascimento dos Santos, José de Ribamar Pinho França

Resumo


Com o objetivo de estudar o comportamento da mortalidade feminina no período reprodutivo, referente ao ano de 1994, foram investigados todos os óbitos de mulheres, registrados junto ao Setor de Mortalidade da Secretaria Estadual de Saúde, no Município de São Luís, no ano de interesse e selecionados os ocorridos entre 10 e 49 anos. Analisou-se a mortalidade, considerando-se faixa etária, "causa mortis" - segundo a Classificação Internacional de Doenças (9"' Revisão, 1975) - e Anos Potenciais de Vida Perdidos. Dos 339 óbitos registrados no período, 53 (15,6%) foram incluídos na Categoria Sinais, Sintomas e Afecções Mal Definidas. Dentre as causas definidas de morte, prevaleceram: Neoplasmas (23,4%), Doenças do Aparelho Circulatório (23,4%), Doenças Infecciosas e Parasitárias (19,9%), Externas (10,8%) e Complicações da Gravidez, Parto e Puerpério (6,3%). Verificou-se que foram sacrificados 10.602,75 anos produtivos de vida distribuídos sobretudo entre Doenças Infecciosas e Parasitárias (1.987,5), Doenças do Aparelho Circulatório (1.760,25), Neoplasmas (1.642,5), Causas Externas (1.342,5) e Complicações da Gravidez, Parto e Puerpério (680). Sugere-se a implementação de políticas de saúde através dc programas de prevenção e controle das principais causas de morte feminina, principalmente em idade precoce.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2015 Revista de Políticas Públicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Pol. públ.

ISSN 2178-2865 (online)