SEGURANÇA PÚBLICA, MÍDIA E NEOCONSERVADORISMO: a naturalização da barbarização das relações sociais

Silene de Moraes Freire, Larissa Costa Murad, Leticia Tavares da Silva e Silva

Resumo


O artigo problematiza a complexidade da barbarização das relações sociais no Brasil. A partir da intervenção federal no Rio de Janeiro em 2018, indicamos a política de segurança pública, sua abordagem pela mídia e a reorganização da moralidade pelos movimentos evangélicos como centrais na construção do consenso necessário à consolidação da hegemonia neoconservadora – processo que culmina nos resultados obtidos no pleito eleitoral de 2018. O consenso acerca da necessidade da coerção aparece como nexo nos distintos discursos que permearam o recrudescimento da militarização da segurança pública, expressa na intervenção federal no Rio de Janeiro, e da própria política, instituindo-se, de vez, a regressão social própria do tardo-capitalismo.

Palavras-chave: Segurança Pública. Mídia. Neoconservadorismo.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18764/2178-2865.v23n1p212-231

Direitos autorais 2019 Revista de Políticas Públicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Pol. públ.

ISSN 2178-2865 (online)