Mulheres que testemunham: o papel feminino na constituição do samba de raiz

Débora Facin, Claudia Toldo

Resumo


Inscrito em uma perspectiva interdisciplinar entre língua, cultura e sociedade, este trabalho tem como
objetivo discutir o papel/participação da mulher na/no processo histórico de consolidação do samba
de raiz. Para isso, os princípios metodológicos que estruturam a reflexão se organizam em torno das
noções de testemunho e testemunha (AGAMBEN, 2008) e da relação necessária entre língua e sociedade
(BENVENISTE, 1968/2006). Sob inspiração do fundamento saussuriano acerca do sistema, o
qual singulariza o Curso de Linguística Geral, colocamo-nos, pois, no terreno da língua e a tomamos
como norma para toda manifestação de linguagem – o samba de raiz é uma delas. Isso porque, ao responder
à problemática que originou este estudo – qual o papel da mulher na consolidação do samba
de raiz –, defendemos que a identidade da mulher e sua notoriedade na cultura do samba jamais se
limitaram a representações coadjuvantes. A mulher, desde sua presença na Pequena África, foi testemunha
(superstes) da raiz do samba. Por essa razão, o valor de seu testemunho, que está impresso na
língua, sobrevive até hoje na cultura brasileira.


Palavras-chave


Mulheres. Testemunha e testemunho. Língua e sociedade. Samba de raiz.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Tradução Selvino. São

Paulo: Boitempo, 2008.

BENVENISTE, Émile. O vocabulário das instituições indo-européias. Economia, parentesco, sociedade.

Tradução Denise Bottmann. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1995a. v. 1.

BENVENISTE, Émile. O vocabulário das instituições indo-européias. Poder, direito, religião. Tradução

Denise Bottmann e Eleonora Bottmann. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1995b. v. 2.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Tradução Maria da Glória Novak e

Maria Luisa Salum. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. 2. ed. Tradução Edurdo Guimarães et al.

Campinas, SP: Pontes Editores, 2006.

BENVENISTE, Émile. Últimas aulas no Collège de France: 1968-1969.Tradução Daniel Costa da

Silva et al. São Paulo: Unesp, 2014.

BERKENBROCK, Volney J. A experiência dos orixás: um estudo sobre a experiência religiosa no

candomblé. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CENTRO CULTURAL CARTOLA. A força feminina do samba. Rio de Janeiro: Centro Cultural

Cartola; Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, [s.d.]. (Idealização de Nilcemar Nogueira

e Helena Theodoro).

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Apresentação. AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo

e a testemunha. Tradução Selvino. São Paulo: Boitempo, 2008.

LEVI, Primo. É isto um homem? Tradução Luigi Del Re. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LEVI, Primo. Os afogados e os sobreviventes: os delitos, os castigos, as penas, as impunidades. 2.

ed. Tradução Luiz Sérgio Henriques. São Paulo: Paz e Terra, 2004a.

LEVI, Primo. A trégua. Tradução Marco Lucchesi. São Paulo: Planeta de Agostini, 2004b.

LOPES, Nei; SIMAS, Luiz Antonio. Dicionário da história social do samba. 2. ed. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2017. Prêmio Jabuti 2017.

MORAES, Vinícius. Samba falado: crônicas musicais (1913-1980). Rio de Janeiro: Beco do Azougue,

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Secretaria

Municipal de Cultura, 1995. (Coleção Biblioteca Carioca; v. 32).

NETO, Lira. Uma história do samba: as origens. São Paulo: Companhia das Letras, 2017. v. 1.

NOGUEIRA, Renato; SILVA, Wallace Lopes. Praças Negras: territórios, rizomas e multiplicidade

nas margens da Pequena África de Tia Ciata. In: SILVA, Wallace Lopes (Org.). Sambo, logo penso:

Afroperspectivas filosóficas para pensar o samba. Rio de Janeiro: Hexis, Fundação Biblioteca Nacional,

p. 19-30.

PRAZERES, Heitor dos. Heitor dos Prazeres: músico, poeta, pintor. Rio de Janeiro, 2016. Disponível

em: < http://www.heitordosprazeres.com.br/index.asp>. Acesso em: 5 maio 2017.

SAPIR, Edward. Linguística como ciência. Tradução J. Mattoso Câmara. Rio de Janeiro: Acadêmica,

((Filologia e Linguística, v. 1).

SAUSSURE, Ferdinand de. Escritos de linguística geral. Organizados e editados por Simon Bouquet

e Rudolf Engler com a colaboração de Antoinette Weil. Tradução Augusto Leba Salum e Ana

Lucia Franco. São Paulo: Cultrix, 2002.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. 27. ed. Organizado por Charles Bally, Albert

Sechehaye e colaboração de Albert Riedlinger. Tradução Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro

Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. 2. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

VISITANTE MUNDIAL