Escravização negra pelo olhar de Maria Firmina dos Reis no romance Úrsula

Jéssica Catharine Barbosa de Carvalho

Resumo


Este estudo analisa o romance Úrsula (1859), da escritora Maria Firmina dos Reis a partir do tema da
escravização negra, com destaque para as relações entre senhores e sujeitos escravizados, compreendendo
a abordagem que se faz desta temática no romance, situando a narrativa no contexto histórico
apresentado pela autora. Analisa-se a narrativa partindo da premissa de que Maria Firmina dos Reis
transmite por meio do romance uma perspectiva sobre a sociedade oitocentista, assim como manifesta
posição antiescravista em sua obra. Para fundamentar a pesquisa, utilizam-se, sobretudo, os estudos
de Duarte (2004; 2014), Mott (1988), Chalhoub (2003; 2011) e Silva (2013). Argumenta-se que, em
Úrsula, a escritora manifesta a apreensão do contexto histórico-social em que está inserida e procura,
a partir disso, promover a denúncia contra alguns dos princípios que regem a instituição escravista.


Palavras-chave


Maria Firmina dos Reis: romance. Escravização negra no Brasil. Relação senhor/ escravizado.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, José António Carvalho Dias de. Os abolicionismos na prosa brasileira: de Maria Firmina

dos Reis a Machado de Assis. 2013. 472 f. Tese de Doutoramento – Faculdade de Letras. Universidade

de Coimbra. Coimbra, 2013.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

_______. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo:

Companhia das Letras, 2011.

DINIZ, Leudjane Michelle Viegas. Criminalidade e resistência escrava em São Luís (1860-1880).

Revista Outros tempos, n. 2, 2005, p. 126-144.

DUARTE, Eduardo de Assis. Posfácio. In: REIS, Maria Firmina. Úrsula: A escrava. Florianópolis:

Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004. p. 265-281.

_______. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: DUARTE, Eduardo de Assis; FONSECA,

Maria Nazareth Soares (Org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Belo

Horizonte: Editora UFMG, 2014. p. 375-400. v. 4.

FLORESTA, Nísia. Páginas de uma vida obscura. In: DUARTE, Constância Lima (Org.). Inéditos e

dispersos de Nísia Floresta. Natal: EDUFRN; NCCEN, 2009. p. 45-83.

MOTT, Maria Lúcia de Barros. Submissão e resistência: a mulher na luta contra a escravidão. São

Paulo: Contexto, 1988.

OLIVEIRA, Adriana Barbosa de. Gênero e etnicidade no romance Úrsula, de Maria Firmina dos

Reis. 2007. 107 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) - Universidade Federal de Minas

Gerais, Belo Horizonte, 2007.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e Literatura: uma nova-velha história. Nuevo Mundo, 2006.

Disponível em: . Acesso: 3 fev. 2015.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula; A escrava Florianópolis: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC

Minas, 2004. p. 265-281.

SILVA, Régia Agostinho da. A escravidão no Maranhão: Maria Firmina dos Reis e as representações

sobre escravidão e mulheres no Maranhão na segunda metade do século XIX. 2013. 177f. Tese

(Doutorado em História Econômica) - Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em

História Econômica, São Paulo, 2013.

FONTES HEMEROGRÁFICAS

VENDE-SE. Publicador Maranhense. São Luís, ano 9, n. 1071, 11 fev. 1851, p. 4.

ATENÇÃO. Jornal do Comércio. São Luís, ano 1, n. 21, 14 ago. 1858, p. 4.

OBRA NOVA. Jornal do Comércio. São Luís, ano 3, n. 61, 4 ago. 1860, p. 4.

SERRA, Joaquim. A imprensa do Maranhão: 1820-1880. Rio de Janeiro: Faro & Lino, 1883.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

VISITANTE MUNDIAL