Elas na academia: a autoria feminina no currículo do curso de letras da UFPR

Leticia Pilger da Silva, Clarissa Loyola Comin, Ranieri Emanuele Mastroberardino

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar um estudo de cunho etnográfico realizado no curso de Letras da
Universidade Federal do Paraná acerca da leitura de textos de autoria feminina em uma disciplina
de literatura. O foco do recorte aqui realizado é, através da análise dos programas de disciplina e de
entrevista com os docentes, ver a percepção de dois docentes da instituição em relação ao silenciamento
de escritoras nas leituras do curso. Além disso, a partir das reflexões de Elódia Xavier (1999),
Anna Faedrich (2012; 2017), Rita Therezinha Schmidt (2011; 2012), Thomas Popkewitz (2010), Rita
Felski (2003) e Luiza Lobo (1999), repensar o cânone na instituição e cruzar a voz dos alunos com a
voz do professor. A pesquisa mostrou que, por mais que a disciplina analisada seja de literatura contemporânea
e a atual conjuntura dê maior voz às escritoras, ainda há discrepância no número de textos
escritos por homens e por mulheres; porém, os professores estão modificando tal fato na sua prática
docente e, mais importante, fazendo-o a partir do diálogo com os alunos.


Palavras-chave


Literatura. Currículo. Mulheres. Cânone. UFPR.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos D. O Outro. In: ______. Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguillar, 1979.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental. São Paulo: Objetiva, 1995.

CANDIDO, A. O Direito à Literatura. In: _______. Vários Escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul,

CULLER, Jonathan. Teoria literária: uma introdução. São Paulo: Beca produções Ltda, 1999.

FAEDRICH, Anna. Narcisa Amália: poeta esquecida do século XIX. Só Letras: Dossiê, n. 34, p.

-253, 2017.2

______. A produção de autoria feminina: Albertina Bertha e a imprensa periódica. Pontos de Interrogação,

n. 1, p. 44-58, 2012,

FELSKI, Rita. Literature after feminism. Chicago: University of Chicago Press, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LARROSA, J. Notas sobre experiências e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação,

Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LOBO, Luiza. A dimensão histórica do feminismo atual. In RAMALHO, Christina. (Org.). Literatura

e feminismo: propostas teóricas e reflexões críticas. Rio de Janeiro: Elo, 1999, pp. 41-51.

NUNES, Alice. et al. Que mundo é esse? Gênero por elas. Curitiba: Mil Futuros Editora, 2017.

POPKEWITZ, Thomas S. História do Currículo, Regulação Social e Poder. In: SILVA, Tomaz T. S.

(Org.). O sujeito da Educação: estudos foucaultianos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 173-210.

SCHMIDT, Rita Therezinha. Cânone, valor e a história da literatura: pensando a autoria feminina

como sítio de resistência e intervenção. El Hilo de la Fábula, v. 10, 2012, p. 59-74.

______. Para quê literatura? Reflexões sobre conhecimento, reconhecimento e educação. Revista de

letras, 2011, pp. 173-189.

WIELEWICKI, Vera H. G. A pesquisa etnográfica como construção discursiva. Acta Scientiarum,

Maringá, v. 23, n. 1, 2001, p. 27-32.

XAVIER, Elódia. Para além do cânone. In RAMALHO, Christina. (Org.). Literatura e feminismo:

propostas teóricas e reflexões críticas. Rio de Janeiro: Elo, 1999. p. 15-23.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES, DIRETÓRIOS:

Thumbnail

VISITANTES NO MUNDO DA REVISTA INTERDISCIPLINAR EM CULTURA E SOCIEDADE: