O lugar da autoria feminina piauiense e o construto na história da literatura: algumas considerações

Erika Ruth Melo da Silva, Algemira de Macêdo Mendes

Resumo


Este trabalho analisa a contribuição da autoria feminina para a história da literatura piauiense. No
breve apanhado histórico das produções, se parte desde os pseudônimos nos jornais literários de Teresina
do século XIX, às publicações em Almanaques e periódicos parnaibanos do início do século
XX, percorrendo um recorte que foi de 1870 a 1920. Relata o processo de instrução feminina em
escolas domésticas, colégios religiosos, escolas normais e as conseguintes atuações das mulheres em
grêmios literários, como professoras, editoras e poetisas. O embasamento se dá por meio das fontes
primárias e a teoria vislumbra as observações da sociologia de Pierre Bourdieu (2010), assim como,
usa as contribuições da historiadora Joan Scott (1992) para reflexionar sobre os critérios da ciência
em notar o local das mulheres na história.


Palavras-chave


História. Literatura. Mulheres. Periódicos. Mentalidades.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 9. ed. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de

Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CASTELO BRANCO, Pedro Vilarinho. Mulheres Plurais: a condição feminina na primeira república.

Teresina: EDUFPI, 2013.

CEVASCO, Maria Elisa. Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo editorial, 2003.

CIARLINI, Daniel Castello Branco. Literatura, imprensa e vida literária em Parnaíba. Parnaíba:

Gráfica e editora Sieart, 2016.

FILHO, Celso Pinheiro. História da imprensa no Piauí. 3. ed. Teresina: Zodíaco, 1997.

FONTE, Maria da Penha. Função social do professor. Raios de Luz, Parnaíba, ano 1, p. 24-25, 1945.

HIGONNET, Anne. Mulheres e Imagens. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle (org.). História

das Mulheres, Vol. 4. Porto: Afrontamento, 1991. p. 332-345.

JINZENJI, Mônica Yumi. Cultura impressa e educação da mulher no século XIX. Belo Horizonte:

editora UFMG, 2010.

KNIGHT, Black. A mulher e a Flor. A Borboleta, Teresina, ano 1, n. 3, p. 3. 7 out. 1888.

LEMAIRE, Ria. A canção de Malmaridada. In: GOTLIB, Nádia Batella. (Org.). A Mulher na literatura.

Belo Horizonte: Imprensa da Universidade Federal de Minas Gerais, 1990. p. 13-20.

MARTINS, Juliana Gomes. A voz feminina em jornais piauienses do século XX: uma análise dos

jornais Zodíaco(1945) e Jornal do Piauí (1971).2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)

- Universidade Estadual do Piauí, Teresina, 2017.

MELLO, Onesy Couto. Tenho n’alma. Almanaque da Parnahyba, Parnaíba, p. 121, 1930.

MENDES, Algemira de Macêdo. Maria Firmina dos Reis e Amélia Beviláqua na história da literatura

brasileira: representação, imagens e memórias nos séculos XIX e XX. 2006. Tese (Doutorado)

– Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2006.

MONTENEGRO, Francisca. Saudade eterna. Semana, Parnaíba, ano 1, n. 29, p. 2, 25 dez. 1910.

NASCIMENTO, Enéas Barros do. Conferência pública. A Floresta, ano 4, n. 27, p.4. 20 mai. 1877.

PENNA, Ana Beatriz Affondo. Do problema do discurso feminino em literatura. Convergência Lusitana,

Rio de Janeiro, n. 36, p. 39-50, jul-dez, 2016.

QUEIROZ, Luíza Amélia de. Flores incultas. 2. ed. Teresina: Academia Piauiense de Letras; EDUFPI,

QUEIROZ, Luíza Amélia de. Georgina e outros escritos inéditos. 2. ed.. Teresina: EDUFPI, 2018.

ROVELFON, Lilia. Lira e Amor. A Floresta, Teresina, ano 1, n. 1, p. 3. 1 de mai. 1882.

SANTOS, Benjamim. Livro do centenário da ACP. Parnaíba: Gráfica e editora Sieart, 2017.

SCOTT, Joan. História das mulheres. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas.

Tradução de Mágna Lopes. São Paulo: editora UNESP, 1992. p. 75-87.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

VISITANTE MUNDIAL