Por uma língua feminista: uma breve reflexão sobre o sexismo linguístico

Davi Silva Gonçalves

Resumo


O que se propõe aqui é estabelecer uma discussão acerca do sexismo linguístico através de um debate
sobre alguns exemplos encontrados na língua portuguesa. A partir disso, tento elaborar uma breve
reflexão acerca da problemática delimitação de barreiras descritivas entre as distintas palavras sexo e
gênero dentro da língua. Assim, o objetivo é compreender de que forma o preconceito sexista se apresenta
neste contexto linguístico e como ele poderia ser evitado. Como resultado, ao tangenciar essa
relação entre a língua que falamos e o sexismo que praticamos reafirmo a importância de trazermos
esse tema à tona.


Palavras-chave


Sexismo. Linguístico. Língua portuguesa. Feminismo.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ALVES, H. A expressão do gênero nos substantivos. Revista de Filologia, v. 17, n. 20, 2011. Disponível

em: . Acesso em: colocar data de acesso.

BEAUVOIR, S. Todos os homens são mortais (1946). São Paulo: Nova Fronteira, 1983.

BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. (1999). 37a. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

CÂMARA JR., J. M. Dicionário de Filologia e Gramática. Petrópolis: Vozes, 1981.

CÂMARA JR., J. M. Princípios de Lingüística Geral. Rio de Janeiro: Briguiet, 1941.

CÂMARA JR., J.M. História e estrutura da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Padrão,

CARVALHO, M. G; FEITOSA, S.; SILVA, V. C. Relações de Gênero entre alunos e alunas em

uma Instituição de Educação Tecnológica Brasileira. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 6, n. 3,

CINTRA, G. A flexão nominal em Mattoso Câmara: USP, Revista Delta, v. 1, n. 15, 2004. Disponível

em: . Acesso em: colocar

data de acesso.

CUNHA, A. A flexão de gênero dos substantivos: Filologia, Revista Só Letras, v. 2, n. 15, 2008.

Disponível em: .

Acesso em: colocar data de acesso.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução e organização de Roberto Machado. Rio de Janeiro:

Graal, 1979.

GUISONI, R. Gênero, Patriarcado e Violência. Portal Vermelho, v. 7, n. 30, 2007. Disponível em:

. Acesso em: colocar data de acesso.

GROSSI, M. Gênero, Violência e Sofrimento. Cadernos Primeira Mão. Florianópolis, PPGAS/

UFSC, v. 1, n. 6, 1998.

HERNANDEZ, P. Os gêneros em Português. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 21, n. 3, 2006. Disponível

em: . Acesso em: colocar data

de acesso.

MACCOBY, E.E. (1990). Gender and Relationships. A Developmental Account American Psychologist,

v. 45, n. 4, 513520.

MOREIRA, C. Marcas de gênero nos adjetivos. Revista de Filologia, v. 16, n. 19, 2010. Disponível

em: . Acesso em: colocar data de acesso.

PACHECO, C. Diferença entre flexão e derivação. Revista de Filologia, v. 16, n. 18, 2010. Disponível

em: . Acesso em: colocar data de acesso.

PIRES, A. P. (1999). Paradigmas de Investigação, Teoria Crítica e Psicologia Feminista, Ou, Os

homens são de Marte, as mulheres de Vênus. Comunicação apresentada no Colóquio de Psicologia

Clínica sobre “Género e Psicologia”, 9, Março, 1999. I.S.P.A., Lisboa.

ROCHA, C. H. Gramática normativa da língua portuguesa. 15. ed. Rio de Janeiro: Olympio,

SCHUTZ, R. Considerações a respeito de gramática. São Paulo, Petraknew, 2014.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histérica. Educação e Realidade, v. 16, n. 2, p.

-22, jul./dez. 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2447-6498

INDEXADORES, DIRETÓRIOS:

 

O que é o Digital Object Identifier (DOI) | Biblioteca Central Irmão José  Otão – PUCRS


  Directory of Open Access Journals      Thumbnail



 Curso OJS3 para Editor Gerente: Indexação pelo Google Schoolar    LatinREV - LatinREV updated their cover photo. | Facebook    Pedagogia na Essência: Você já conhece o Portal de Periódicos - Capes?


VISITANTES NO MUNDO DA REVISTA INTERDISCIPLINAR EM CULTURA E SOCIEDADE: