COLONIZAÇÃO MATERNA POR ESTREPTOCOCOS DO GRUPO B: PREVALÊNCIA ESUSCETIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS / GROUP B STREPTOCOCCUS COLONIZATION IN PREGNANT WOMEN: PREVALENCE AND ANTIMICROBIAL SUSCEPTIBILITY

Nayara Gonçalves Barbosa, Denise von Dolinger de Brito, Heloísio dos Reis, Orlando Cesar Mantese, Marisa Márcia Mussi Pinhata, Vânia Olivetti Steffen Abdalla, Paulo Pinto Gontijo Filho

Resumo


Introdução: Estreptococos do Grupo B (EGB) é um importante agente etiológico de infecção neonatal e a colonização das mucosas vaginal/anal materna é fator de risco para transmissão vertical dessa bactéria. Objetivo: Avaliar a prevalência de colonização de mucosas vaginal e anal pelo EGB em gestantes a partir da 35 semana, características sócio-demográficas e clínicas desta o população e o espectro de susceptibilidade aos antimicrobianos. Métodos: Coorte prospectiva incluindo 108 gestantes admitidas no serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital das Clínicas de Uberlândia, de fevereiro de 2011 a julho de 2011. A coleta de material clínico foi realizada por meio de dois swabs. As culturas positivas foram identificadas pelas características: morfo-tinturiais, testes de CAMP e de aglutinação em látex. Os dados foram por meio de consultas aos  prontuários e entrevistas. Para o cálculo do valor p utilizou-se o teste exato de Fisher (SAS versão 9.2). Resultados: A taxa de colonização por EGB foi alta, (17,5%). O perfil sócio-demográfico evidenciou mulheres com idade média de 24 anos, casadas/união estável (84,2%), multigestas
(61,3%), histórico de aborto em 15,7%. As frequências de amostras resistentes a clindamicina e eritromicina foram de 10,6% e 12,6%, respectivamente. Conclusão: Os resultados evidenciaram uma alta taxa de colonização materna pelo EGB, sobretudo na mucosa vaginal, em  mulheres jovens e multigestas. As amostras de EGB apresentaram frequências baixas de resistência a clindamicina e eritromicina.

Palavras-chave
: Streptococcus agalactiae. Colonização. Gestantes.

Abstract
Introduction: Group B streptococcus is an important etiological agent of newborn infections and the maternal mucosa (vaginal/ anal) colonization is a risk factor to vertical transmission of this bacteria. Objective: To evaluate the occurrence of vaginal and anal colonization by Group B streptococcus in pregnant women from 35 week, clinical and sociodemographic data and to evaluate the susceptibility of the isolates to antimicrobial agents. Methods: Prospective cohort study including 108  pregnant women attended at the Gynecology and Obstetrics settings of the Hospital das Clínicas de Uberlândia between February 2011 to July 2011. The clinical specimens were obtained by two swabs. The positive cultures were indentified through the following characteristics: colony morphology, CAMP and serological test. Maternal risk factors associated to colonization was obtained to medical records and interview. The p-value was calculated through SAS software, 9.2. version. Results: The frequency of colonization
was high (17.5%). The pregnant women sociodemographical profile evidenced the following characteristics: mean age of 24 years, married/stable union (82.4%), multiparity (61.3%), previous abortion (15.7%). Resistance to clindamycin and erythromycin was detected in 10.6 and 12.6% of the isolates, respectively. Conclusion: The results evidenced a high rate of vaginal GBS colonization, in young and multiparous women. The GBS samples presented low frequencies of clindamycin and
erythromycin resistance.

Keywords: Streptococcus agalactiae. Colonization. Pregnant women.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Revista de Pesquisa em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Rev Pesq. Saúde

ISSN 2236-6288 (online)

ISSN 2179-6238 (impresso)