DESAMPARO ORIGINÁRIO E CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE OCIDENTAL

Paulo Ferrareze Filho

Resumo


O presente artigo busca refletir, a partir do conceito psicanalítico de desamparo originário, os modos como o a subjetividade ocidental buscou amenizar a sensação de desamparo psíquico. Para tanto, aponta diferenças entre a subjetividade ocidental e oriental, seus modos de pensar e perceber, bem como de construir suas filosofias e religiosidades.  Ainda, analisa as relações de paridade entre  platonismo, cristianismo e contratualismo como antídotos contra o vácuo subjetivo causado pelo desamparo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Variações sobre o prazer. 2a ed. São Paulo: Planeta Terra, 2015.

FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. Porto Alegre: L&PM, 2013.

____________. Totem e Tabu. 1a ed. São Paulo – Cia das Letras, 2012.

GAARDER, Jostein. Mundo de Sofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

GIANETI, Eduardo. Trópicos Utópicos. 1a ed. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

JUNG, C. G. Civilização em transição. 4a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

________. Sincronicidade. Petrópolis, Vozes, 2008.

LEGENDRE, Pierre. O Amor do Censor: ensaio sobre a ordem dogmática. Tradução Aluísio Pereira Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária: Colégio Freudiano, 1983,

NIETZCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia. São Paulo: Ed. Escala, 2007.

PHILIPPI, Jeanine Nicolazzi. A lei: uma abordagem a partir da leitura cruzada entre direito e psicanálise. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. 1a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.




Direitos autorais 2018 Revista Húmus

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2236-4358