ANÁLISE DA MICROBIOTA AERÓBICA ENDODÔNTICA DE DENTES COM E SEM LESÃO PERIAPICAL

Evimar Lopes dos Santos, Alexandra Flávia Gazzoni, Cláudia Wagner

Resumo


As bactérias são o principal agente etiológico das patologias pulpares e perirradiculares, exercendo importante papel tanto na indução quanto na perpetuação de processos inflamatórios da polpa e do periápice. Conhecer a microbiota envolvida nas diferentes fases de evolução da infecção endodôntica é, portanto, de extrema importância para o correto tratamento de cada caso. O presente estudo teve como objetivo qualificar e quantificar os microrganismos envolvidos nas infecções endodônticas de dentes com e sem lesão periapical visível ao exame radiográfico de pacientes da clínica odontológica da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG) atendidos de fevereiro à maio de 2015. Para tal se coletou material necrótico do interior dos canais radiculares destes elementos com o auxílio de limas endodônticas #15 que foram acondicionadas em tubos de ensaio contendo caldo BHI que foram incubados em aerobiose à 37º por 48h. Posteriormente se utilizou estes caldos para semeadura em placas de Petri com Ágar BHI para identificação das espécies e contagem das UFC/ml. No grupo dos dentes sem lesão periapical foi encontrada menor variedade de espécies bacterianas cultiváveis, mas um maior número de bactérias quando comparado ao grupo de dentes com lesão periapical (p<0,01). Conclui-se, portanto, que dentes com infecções endodônticas primárias apresentam rica microbiota endodôntica que sofre alterações de quantidade e variedade conforme a doença evolui, com diminuição dos microrganismos aeróbios e anaeróbios facultativos e aumento dos anaeróbios estritos.

Palavras-chave


Endodontia; Microbiologia; Polpa Dentária; Lesão Periapical



Rev Cienc Saude

ISSN 2526-6179 (online)

ISSN 1516-7534 (impresso)