CONSIDERAÇÕES SOBRE AS DESIGUALDADES RACIAIS NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA E AS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS.

Natália Lidia Garcia de Carvalho

Resumo


O trabalho contextualiza a discussão da desigualdade em nível mundial a partir das teses de Piketty (2014) e Stiglitz (2012) sobre a concentração de renda e riqueza no mundo, em especial nos países centrais. Tomando como base a tendência internacional e compreendendo as especificidades do Brasil na condição de periferia capitalista, a pesquisa aborda questões relativas à desigualdade educacional no Brasil em relação aos grupos raciais, realizando um histórico da educação brasileira e o descumprimento do Estado na inserção da população negra à educação formal. Baseado nisso, desenvolve-se reflexões a partir da implementação de política de Ações Afirmativas adotada pelo governo federal em 2012 através da Lei de Cotas (Lei nº 12.711). Por fim, apresenta-se argumentos a fim de qualificar futuras análises sobre tais políticas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Marco Antonio Bettine de; SANCHEZ, Livia. Os negros na legislação educacional e educação formal no Brasil. Revista Eletrônica de Educação, v. 10, n. 2, p. 234-246, 2016.

AZEVEDO, Thales de. As elites de cor: um estudo de ascensão social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1955.

BANCO MUNDIAL. 2017. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil : Volume I : síntese (Portuguese). Washington, D.C.: World Bank Group.

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de. Discutindo a escolarização da população negra em São Paulo entre o final do século XIX e início do XX. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação dos negros e outras histórias. Brasília/DF: Ministério da Educação, 2005.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2018.

CAMPANTE, Filipe R.; CRESPO, Anna RV; LEITE, Phillippe GPG. Desigualdade salarial entre raças no mercado de trabalho urbano brasileiro: aspectos regionais. Revista Brasileira de Economia, v. 58, n. 2, p. 185-210, 2004.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói/RJ, n.23, 2007.

FONSECA, Marcus Vinicius. A educação dos negros: uma nova face do processo de abolição da escravidão no Brasil. Bragança Paulista/SP: EDUSF, 2002.

GARRISON-WADE, Dorothy F.; LEWIS, Chance W. Affirmative Action: History and Analysis. Journal of College Admission, v. 184, p. 23-26, 2004.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2009.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro Educador: Saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro/RJ, n. 15, 2000.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2018 / IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2014.

RITTER, Carolina. A política de cotas na educação superior: as (a) simetrias entre o acesso nas universidades federais e o desenvolvimento social brasileiro. 222f. Tese (Doutorado em Serviço Social). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS. Porto Alegre, 2018.

SANTANA, Elaine Barbosa. As políticas públicas de ação afirmativa na educação e sua compatibilidade com o princípio da isonomia: acesso às universidades por meio de cotas para afrodescendentes. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 18, n. 69, p. 737-759, 2010.

STIGLITZ, Joseph E. The price of inequality: How today's divided society endangers our future. New York/London: WW Norton & Company, 2012.

THEODORO, Mário; JACCOUD, Luciana; OSÓRIO, Rafael Guerreiro. As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília: Ipea, p. 69-99, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Kwanissa: Revista de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Kwanissa: Revista de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros

ISSN 2595-1033

INDEXADORES: 

VISITANTES DA KWANISSA NO MUNDO: