A DIÁSPORA ATRAVÉS DA POESIA NAVIO NEGREIRO DE SOLANO TRINDADE

Elisandra Cantanhede Ribeiro

Resumo


No  presente artigo faremos   uma analise da poesia de Solano Trindade, evidenciando o  processo de  diáspora  vivido  por africanos,  nas mais diversas parte do mundo. A poesia  nos mostra  a  maneira  como fora  esse processo  de tantos   negros que foram trazidos  de maneira forçada do  continente africano e levado   para as mais diversas parte do mundo,  com a   América e Europa, foram levados para viverem em  regime de escravidão. No período da escravidão vieram em condições de  sub-humanas  e de extrema violência, tendo  sido  violados  seus principais direitos como  o de liberdade, alimentação, saúde  e o próprio direito ao território. Desse modo  diversos povos  como os povos   benguelas, cabindas, angolas, minas, Iorubas,  entre tantos outros,  embarcaram nos navios e aportaram em vários portos, chegando  com uma carga de  angustias por terem sido  arrancados de suas raízes e tradições e  foram levados  para  terras  distante privando-os de sua  cultura,  e de convivência com  seus familiares,   deixando de lado  seus costumes e  suas tradições, transformando totalmente suas vidas,  seu contato com modo de vida . Mas  embora  todos os  horrores vivenciados,  ainda assim conseguiram readaptarem  e  transformaram  suas angustias em uma maneira de viverem  melhor, e isso se reflete  ainda hoje quando conseguem lutar  para manter seu processo indenitário sem que sejam totalmente retirados.

 

PALAVRAS-CHAVE: Diáspora; Negro; Afro-brasileiros.


Texto completo:

PDF

Referências


LEI Euzébio de QUEIROZ, Lei Nº 581 de 04 de Setembro de 1850 http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/lim%20581-1850?OpenDocument acessado em 10/01/2019

GILROY, Paul, O atlântico negro modernidade e dupla consciência; tradução de Cid Knipel Moreira, São Paulo, Ed. 34, Rio de Janeiro Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro- Asiático, 2001, p.13.

HALL, Stuart. Pensando a Diáspora (Reflexões Sobre a Terra no Exterior). In: Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Liv Sovik (org.); Trad. Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

______, Stuart, Identidade Cultural e Diáspora. Revista do Patrimônio

Histórico e Artístico Nacional, n.24, p.68-75, 1996.

PINSKY, Jaime, 1939, A escravidão no Brasil- 21. Ed, 2ª reimpressão – São Paulo : contexto, 2016.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. Filosofia e Diversidade e a questão do Negro: argumentos criados no seio da filosofia podem nos auxiliar a entender a questão racial contemporânea? Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores (as) Negros (as) ABPN, V.1, N 2- Jul-Out. de 2010, p. 13-14.

SIQUEIRA, Maria de Lourdes, SIYAVUMA, uma visão africana de mundo, Salvador: Ed.Autora,2006. P.13.

SOUSA, Marina de Mello e , África e Brasil africano , 1ed., São Paulo, Ática, 2014

TRINDADE, Francisco Solano, O Navio Negreiro, poeta do povo. (Org. Raquel Trindade). São Paulo: Cantos e Prantos Editora, 1999.

THORNTON, John, A África e os africanos na formação do mundo atlântico (1400-1800), Rio de Janeiro, Elsevier, 2004.

VICENTINI, Paulo Fagundes, História da África e dos Africanos/ Paulo Fagundes Visetini, Luís Dario Teixeira Ribeiro, Ana Lúcia Danilevicz. 3. ed. Petrópolis ,RJ: Vozes, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Kwanissa: Revista de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Kwanissa: Revista de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros

ISSN 2595-1033

INDEXADORES: 

VISITANTES DA KWANISSA NO MUNDO: