URBAN ENVIRONMENT AND HEALTHY EATING CULTURE: THE CASE OF ARARI CITY, MARANHÃO STATE (BRAZIL)

Emanuele Bani, Antonio Cordeiro Feitosa, Zulimar Márita Ribeiro Rodrigues

Resumo


Due to the urbanization, successive technological modernization and marketing strategies, the Brazilian population food habits have changed, inducing an increase in consumption of processed food, known as damaging to population health. In the present study the impacts of urbanization on the eating practices of the urban population of Arari – MA (Brazil) were evaluated considering that this municipality has the highest urbanization rate of the Baixada Maranhense micro region. This is a qualitative transversal study using the questionnaires “10 steps for eating healthy” of the Health Ministry with a sample of 90 resident adults. Among the greatest adhesions, we highlight the inclusion of cereals, tubercles and roots, as well as meat, birds, fish, and eggs in contraposition to the daily consumption of at least three portions of milk, fruits or vegetables. However, only 57.8% of the participants avoided consuming industrialized food, cakes, cookies and other processed goods. Thus, we conclude that the frequency of adhesion to the Health Ministry recommendations regarding consumption of in nature or minimally processed foods is low and not satisfactory. The studied individuals do not have healthy food habits, therefore we believe that this scenario reflects the influence urbanization processes have on the eating habits of this group.

Key words: urbanization, eating habits, healthy feeding.


Palavras-chave


urbanização; hábitos alimentares; alimentação saudável

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Bezerra, A. 2014. Arari: espaço e sociedade. Arari: Instituto Perone, 2014.

Brasil. 2014. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Guia Alimentar para a população brasileira/Ministério da Saúde, Secretaria da Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. Ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CPRM serviço geológico do Brasil. 2011. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea estado do Maranhão: relatório diagnóstico do município de Arari. Teresina.

Duran, A.C.F.L. 2013. Ambiente alimentar urbano em São Paulo, Brasil: avaliação, desigualdades, e associação com consumo alimentar. Tese de doutorado em Nutrição em saúde pública. São Paulo: UNESP.

Farias Filho (org.). 2013. O espaço geográfico da baixada maranhense. São Luís: EDUFMA.

Gaspar, S.M.F.S. 2004. Avaliação da contaminação por Agrotóxicos na Bacia Hidrográfica do Baixo Mearim – Arari/MA. Dissertação de mestrado em Sustentabilidade de Ecossistemas. São Luís: UFMA.

Hübner, D.C. 2006. Consequências nutricionais da urbanização em Santa Cruz do Sul - RS. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul: UNISC.

IMESC. 2013. Enciclopédia dos municípios maranhenses: microrregião geográfica da baixada maranhense. São Luís.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2004. Pesquisa de orçamentos familiares 2002-2003: análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2010. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: despesas, rendimentos e condições de vida. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE. 1991. Censo demográfico. Rio de Janeiro.

IBGE. 2010. Censo demográfico. Rio de Janeiro.

Mendonça, H. 2015. Cais de Arari-MA Leão e Ardósia. Arari, 2015. Disponível em: Acesso em: 17 mar. 2016.

Minayo, M.C.S. 2000. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. São Paulo: Hucitec.

Poubel, R. De O. 2006. Hábitos alimentares, nutrição e sustentabilidade: agroflorestas sucessionais como estratégia na agricultura familiar. Brasília 2006. Dissertação de Mestrado. Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília.

Schor, T. Costa, E. A. C. da. 2013. Cadê o Mingau de banana que estava aqui? Transformações dos hábitos alimentares no Amazonas. In Espaço, saúde e ambiente na Amazônia: ensaios de geografia da saúde. Oliveira J. A. de. (organizador). 1. Ed. São Paulo: Outras expressões.

Tardido A.P.; Falção M.C. 2006. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev Bras Nutr Clin; 21(2):117-24.

Velásquez- Meléndez G. et al. 2012. Tendências da frequência do consumo de feijão por meio de inquérito telefônico nas capitais brasileiras, 2006 a 2009. Cienc. Saúde Coletiva. 17 (12): 3363-3370.




DOI: http://dx.doi.org/10.22615/2526-1746-jgm-2.3-7974

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Journal of Geospatial Modelling

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2526-1746