Application of geospatial techniques to evaluate soil cover and land use in the Flores river basin, Maranhão state-Brazil.

Antonio Cordeiro Feitosa, Ulisses Denache Vieira de Sousa, Robson Menezes da Fonseca

Resumo


Os elementos constituintes da superfície terrestre configuram a primeira expressão visualizada da paisagem, a cobertura da terra, que encerra um conjunto de potencialidades capaz de despertar o interesse do homem para a ocupação e desenvolvimento de atividades orientadas à exploração dos recursos disponíveis. A cobertura da terra e a conjuntura hídrica do vale do rio Flores, em áreas dos municípios de Barra do Corda, Joselândia, Presidente Dutra, São José dos Basílios e Tuntum, região centro-oriental do estado do Maranhão, motivou a construção de uma represa para prover recursos hídricos com vistas ao desenvolvimento local, acarretando intensa e acelerada dinâmica da paisagem regional. No presente artigo, analisam-se as principais transformações da paisagem da bacia do rio Flores, no período entre 1984 e 2014, possibilitadas pela construção da represa. A metodologia empregada se apoia na abordagem fenomenológica de base qualitativa para a caracterização dos recursos naturais e humanos da área, com a análise espacial apoiada pelas geotecnologias disponíveis, principalmente o SIG/SPRING, QGIS e TERRAVIEW. Como resultados, foi obtido o mapeamento da cobertura, com indicação dos principais elementos e potencialidades, a caracterização dos principais usos da terra e a interpretação dos fenômenos socioambientais mais recorrentes pela implantação das atividades humanas. Conclui-se que as alterações da paisagem na área da bacia do rio Flores implicaram a redução da cobertura vegetal original através da ocupação desordenada, com danos ambientais e sociais quanto à sustentabilidade dos recursos naturais e das atividades humanas.


Palavras-chave


Palavras-chaves: Cobertura e uso da terra. Barragem do rio Flores. Estado do Maranhão.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


AB’SABER, A. N. Contribuição à geomorfologia do estado do Maranhão. Notícia Geomorfológica, Campinas, v. 3, n. 5, p. 35-45, 1960.

BANDEIRA, Isis Celeste do Nascimento (Org). Geodiversidade do estado do Maranhão. Teresina: CPRM, 2013.

BATISTELLA, M., VALLADARES, G.S. e BOLFE, E. L. Monitoramento da expansão agropecuária como subsídio à gestão ambiental estratégica na região oeste da Bahia, Brasil. In: Batistella, M. and Moran, E. F., Eds., Geoinformação e monitoramento ambiental na América Latina. São Paulo: Ed. SENAC, 2008, pp. 163-195.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Avaliação ambiental integrada de bacia hidrográfica. SQA. Brasília, 2006.

ELETROBRAS. Linha do tempo da energia. Brasília: Eletrobras, 2017. Disponível: em: http://www.eletrobras.com/elb/services/eletrobras/trilhaenergia/pdfs/linha-do-tempo-da-energia.pdf. Acesso em 13 de setembro de 2017.

CHRISTOFOLETTI, Antonio. Geomorfologia. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 1980.

______ Análise de Sistemas em Geografia. São Paulo: Hucitec – Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

COSTA, Cleynice C.; NASCIMENTO, Elizeu S. do; FEITOSA, Antonio C. Contribuição geomorfológica para análise e compreensão das enchentes do rio Mearim. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA 2012, 9. Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: UGB, 2012.

COUTO, Jorge. A Construção do Brasil: ameríndios, portugueses e africanos, do início do povoamento a finais do Quinhentos. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Relatório do Diagnóstico do Macrozoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Maranhão / Mateus Batistella, Édson Luís Bolfe, Luiz Eduardo Vicente, Daniel de Castro Victoria, Luciana Spinelli Araújo (Org.). Campinas, SP. 2013. 450 p.

FEITOSA, Antonio Cordeiro. Potencialidades do relevo do Maranhão. In: LIMA, Roberta M. B. de F. e FERREIRA, Antonio J. de A. São Luís: Edufma, 2013. pp. 231-252.

__________ Condicionantes socioambientais para a ocorrência de catástrofes naturais no estado do Maranhão. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA 2012, 9. Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: UGB, 2012.

__________ Relevo do estado do Maranhão: uma nova proposta de classificação topomorfológica. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA, 6, 2006, Goiânia. Anais... Goiânia: UGB, 2006.

__________ O Maranhão Primitivo: uma tentativa de reconstituição. São Luís: Editora Augusta, 1983

FEITOSA, Antonio C. e SOUZA, Ulisses Denache Vieira de. Variabilidade do clima tropical no Norte e Nordeste do Brasil. La Paz-Bo, XVI Encuentro de Geografos de America Latina. Anais. La Paz, 2017

FERREIRA, Jurandyr Pires. Enciclopédia dos municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 1959.

FINOTTI, Alexandra R.; FINKLER, Raquel e SILVA, Maurício d´Agostini. Monitoramento de recursos hídricos em áreas urbanas. Caxias do Sul: Educs, 2009. 272 p.

FLORENZANO. Tereza Gallotti. Iniciação em sensoriamento remoto. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

____________ Sensoriamoto para geomorfologia. In: Florenzano Teresa Galloti. Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficia de textos, 2008.

FITZ, Paulo Roberto. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

FONSECA, Robson Menezes da. Alterações na cobertura e uso da terra no entorno da barragem do rio das Flores, Joselândia-Maranhão. São Luís: PPGSE-UFMA, 2016. Masters thesis.

GONÇALVES, Jean Carlos. A Barragem do rio Flores: esperança e desilusão para o município de Tuntum. Monografia do Curso de Pós-Graduação apresentada às Faculdades Integrada FACVEST. 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Geologia: mapa geomorfológico do estado do Maranhão. Rio de Janeiro: IBGE, 2011a. Escala: 1:1.400.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Geomorfologia: mapa geomorfológico do estado do Maranhão. Rio de Janeiro: IBGE, 2011b. Escala: 1:1.400.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Vegetação: mapa vegetação do estado do Maranhão. Rio de Janeiro: IBGE, 2011c. Escala: 1:1.400.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Solos: mapa de solos do estado do Maranhão. Rio de Janeiro: IBGE, 2011d. Escala: 1:1.400.000

LOUZEIRO, Andreza dos S.; FEITOSA, Antonio C. Catástrofes Naturais no Estado do Maranhão: Os casos dos Municípios afetados pelas enchentes do rio Mearim. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOMORFOLOGIA 2012, 9. Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: UGB, 2012.

MCCONNELL, W. Land Use and Cover Change. In: Smelser N, Bates P (eds): The International Encyclopedia of the Social and Behavioral Sciences. Oxford: Elsevier Science: (2001).

MCCONNEL W. J.; MORAN, E. F. (eds). Meeting in the Middle – The Challenge of Meso-Level Integration. An International Workshop, October 17-20, 2000, Ispra, Italy (= LUCC Report Series; 5). – LUCC Focus 1 Office, Indiana University: Bloomington, 2001, 68 p.

MENDES, Marcelo da S. e BORGHI, L. Análise faciológica da formação Codó, Cretáceo bacia do Parnaíba, em testemunhos de sondagem. Anais... 3º Congresso Brasileiro de P&D Petróleo e Gás. Salvador: IBPG, 2004.

MENESES, P. R.; MADEIRA NETTO, J. S. Sensoriamento remoto: reflectância dos alvos naturais. Universidade de Brasília. Brasília – DF. Embrapa Cerrados, Planaltina – DF, 2001. 262p.

MORAN, E. Progress in the Last Ten Years in the Study of Land Use/Cover Change and the Outlook for the Next Decade. In: Diekman A, Dietz T, Jaeger CC, Rosa EA (eds): Human Dimensions of Global Change. MIT Press: Cambridge, 2001.

MORENO, Diogo de Campos. Jornada do Maranhão por ordem de sua Majestade feita no ano de 1614. Brasília: Edições do Senado Federal. 2011. Volume 161.

MOTA, Suetônio. Introdução à Engenharia Ambiental. 1997. 1 ed., Rio de Janeiro, ABES. 292 p.

PAIVA, J. B. D. de; PAIVA, E. M. C. D. Hidrologia aplicada à gestão de pequenas bacias hidrográficas. Porto Alegre: ABRH, 2001. 625 pp.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental: teoria e pratica. São Paulo: Oficina de Textos, 2004. 184 p.

STRECK, E.V. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre, RS: EMATER, 2008. 222p.

United States Geological Survey (USGS). . Accessed in January 10th, 2015, at 08h30min.




DOI: http://dx.doi.org/10.22615/2526-1746-jgm-2.4-7970

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Journal of Geospatial Modelling

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2526-1746