NUMBERS OF MORTALITY IN THE STATE OF MARANHÃO, BRAZIL

João Marcelo da Silva Abreu, Maira Rodrigues, Rafael Sousa Pinto

Resumo


Death is defined by the World Health Organization as the cessation of vital signs at any time after birth, with no possibility of resuscitation. The objective of this study was to analyze the temporal dynamics of mortality in the State of Maranhão using data from the Mortality Information System (SIM) of the National Department of Health. For this, it was used information on the mortality rate of all municipalities in the State in the years 2000, 2010 and 2014. Data were initially analyzed through descriptive statistics to determine the main statistical moments. The statistical analysis demonstrated that data presented high coefficient of variation value and did not show normal frequency distribution. Through the maps generated it is possible to verify that only the city of São Luís had more than 1000 deaths in the three years analyzed. In addition to the growth in the total number of deaths in the state, accompanying the population increase.

Palavras-chave


Mortality Information System; São Luís; Population growth

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Berquó. E. S. 1980. Fatores estatístico e dinâmicos (Mortalidade e Fecundidade). p. 22-85. In: Santos, J.F.; Levy, M.S.F.; SZMRECSÁNYI, T. Org(s). 2016. Dinâmica da população: teoria, métodos e técnicas de análise. T.A. Queiróz, São Paulo, SP, Brasil.

Braga, J.S. 2014. Qualidade das Estatísticas de óbitos no semiárido brasileiro: relação com as condições de vida. Monografia (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Cardoso, A.B.C. 2007. Serviços de verificação de óbitos: características e contribuições para o esclarecimento de causas de morte. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

CMCCD – Committee on Medical Certification of Causes of Death. 1958. Problems in the medical certification of causes of death. American Journal of Public Health, v. 48, n. 1, p. 71-80.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016a. Produto interno bruto dos municípios: 2010-2014. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016b. Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2016. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Laurenti, R.; Mello Jorge, M.H.P.; Gotlieb, S.L.D. eds. 2006. O Sistema de Informações sobre Mortalidade: passado, presente e futuro. Centro Brasileiro de Classificação de Doenças, São Paulo, SP, Brasil. 1 ed.

Mello Jorge, M.H.P.; Laurenti R.; Gotlieb, S.L.D. 2007. Análise da qualidade das estatísticas vitais brasileiras: a experiência da implantação do SIM e do SINASC. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 3, p. 643-54.

Ministério da Saúde. 2001. Manual de procedimento do sistema de informação sobre mortalidade. Fundação Nacional de Saúde, Brasília, DF, Brasil.

OMS – Organização Mundial da Saúde. 1995. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10ª Revisão (Vols. 1 e 2). Centro Brasileiro de Classificação de Doenças, São Paulo, SP, Brasil.

Organização Pan-Americana da Saúde. 2016. Atenção à saúde em Municípios de Pequeno Porte do Maranhão. Efeitos do Programa mais Médicos. OPAS, Brasília, DF, Brasil.

Pimentel-Gomes, F; Garcia C.H. eds. 2002. Estatística aplicada a experimentos agronômicos e florestais: Exposição com exemplos e orientações para uso de aplicativos. FAEALQ, Piracicaba, SP, Brasil.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 2016. Radar IDHM. Brasília, DF, Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.22615/2526-1746-jgm-2.2-6826

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Journal of Geospatial Modelling

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2526-1746