Políticas Editoriais

Políticas de Seção

Artigo

Insira aqui a política desta seção

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Ensaio

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Resenha

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Editorial

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Expediente

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Resumo de Dissertação e Tese

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Resumos de Monografia: Estudos Fenomenológicos

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares
 

Periodicidade

Anual

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

DIRETRIZES PARA CONSELHEIRO PARECERISTA

Revista Fenomenologia & Psicologia

Ao receber o texto enviado pelo editor chefe para leitura e avaliação, o parecerista deverá fazer três coisas imediatamente.

1. Leia a carta do editor e confirme se há possibilidade de completar a avaliação no período determinado, normalmente de em até 20 dias a partir do recebimento do artigo em seu e-mail. Faça uma leitura geral para verificar se há ou não possibilidade de conflito de interesses (com relação aos autores, a instituição, ou os patrocinadores, por exemplo) e definir se é possível avaliar o artigo imparcialmente. (Veja também parágrafo 5 destas Diretrizes) Leia por alto as partes relevantes do manuscrito e verifique está de acordo com a proposta da revista.

2. Em caso de problemas ou conflito de interesses, contate o editor para esclarecimentos. Este pode prolongar o prazo de entrega, indagar sobre outras pessoas na instituição que possam realizar a avaliação, ou pedir a devolução do manuscrito para designar outro avaliador (e, se possível, solicitar nomes e contato de outras pessoas competentes para tratar do assunto). Em nenhuma hipótese, não é permitido conceder acesso ao manuscrito a colegas para avaliação sem o consentimento do editor. Caso uma avaliação superficial revele que o manuscrito não está de acordo com a proposta da revista.

3. É permanentemente proibido contato com o (s) autor(es) em durante o processo de avaliação. A continuidade deste anonimato garante e zela pela integridade e conflito entre as partes, pois outro avaliador ou o editor podem ter opiniões diferentes, e o autor pode tirar conclusões equivocadas pelo fato de ter esclarecido as dúvidas diretamente.

4. O arquivo enviado para avaliação é um documento sigiloso. Proteja-o de qualquer  forma de visibilidade e exploração, evite baixa-lo ou deixa-lo em pastas públicas. Não cite um manuscrito ou o trabalho descrito antes que seja publicado, e não distribua ou use a informação contida em benefício próprio quer seja para pessoa de sua confiança.

5. No espaço destinado aos comentários dirigidos ao autor, pedimos que você não faça referência a aprovação do texto (veja próximo parágrafo); sugestões de revisões devem representar apenas sugestões, e não condições para aceitação do documento. Por isso, organize as suas idéias de forma que um parágrafo introdutório resuma os pontos principais do artigo, expresse a impressão sobre o mesmo, e destaque os pontos fracos. Este parágrafo deveria ser seguido por comentários numerados e específicos, que, se apropriado, podem ser divididos em partes menores. (A numeração facilita a comunicação entre o editor e o autor, assim como a avaliação das respostas do autor.). Criticas devem ser feitas com delicadeza intelectual e apresentadas objetivamente, sem comentários ofensivos. Isso não será aceitável e pode levar ao descredenciamento do conselheiro-parecerista.
Comentários confidenciais devem ser encaminhado ao Editor Chefe no formulário de avaliação apropriado. Informe o editor de sua recomendação de aceitação, alteração, ou rejeição escolhendo as opções apropriadas no formulário de avaliação. A decisão final sobre alterações, aceitação, ou rejeição de um documento é reservada apenas ao editor, portanto, não indique sua recomendação na parte da avaliação específica ao autor.

6. Após completar sua avaliação, envie seus comentários via email para o editor. Se requisitado, devolva ao editor o manuscrito original, incluindo ilustrações em envelope lacrado; de outra forma, destrua-as.

7. É recomendado fazer uma cópia dos arquivos de avaliação para controle pessoal. O manuscrito poderá ser reenviado para uma segunda avaliação, particularmente em caso de modificações muito extensas. Além do mais, caso um manuscrito seja reenviado após rejeição, a nova versão pode ser encaminhada novamente para avaliação. Em qualquer caso, é necessária a avaliação das respostas do autor às criticas feitas.

Prof. Dr. Jean Marlos Pinheiro Borba
Editor Chefe
Grupo de Estudos e Pesquisas em Fenomenologia e Psicologia Fenomenológica
http://www.ufma.br

 

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

1 GERAIS

O autor deverá submeter os seus trabalhos de acordo com as exigências das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), adotando sempre  as edições mais recentes, a saber:

a) NBR 6022  - Artigo em publicação periódica científica impressa;

b) NBR 10520 – Citações em documentos;

c) NBR 6023 – Referências;

d) NBR 6028 – Resumo;

e) NBR 6024 – Numeração progressiva das seções de um documento;

f) NBR 14724 – Trabalhos acadêmicos.

Em relação a apresentação tabular, recomenda-se utilizar a norma do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referente a normas de apresentação tabular.

Todo o material deve ser encaminhado para o e-mail revistafenomenologiaepsicologia@yahoo.com

Em relação a artigo, recomenda-se adotar os seguintes critérios:

a) um arquivo em Word for Windows e em pdf com os seguintes dados de identificação: título do artigo, nome completo do(s) autor(es), instituição a que pertence, titulação, endereço completo, telefone e endereço eletrônico;

b) os artigos devem apresentar a seguinte formatação: fonte arial, tamanho 12, espaço entre linhas 1,5 sem numeração e com margens superior e esquerda de 3 cm, inferior e direita de 2,0 cm, recuo de parágrafo (primeira linha) de 2,0 cm;

c) o corpo do artigo deve começar com a INTRODUÇÃO, na qual deve constar a proposta metodológica para o desenvolvimento da pesquisa, se for o caso, seguida das demais seções primárias (DESENVOLVIMENTO), enunciadas por títulos digitados em versal (maiúsculas), em negrito e com numeração, ajustados à margem esquerda, apresentando como último item a CONCLUSÃO, logo após as REFERÊNCIAS;

d) os títulos das seções secundárias, também ajustados à margem esquerda, deverão ser digitados com letras minúsculas, em negrito, com o mesmo corpo do texto, exceto a inicial e os nomes próprios que devem ser maiúsculas;

e) os títulos das demais seções (terciárias, quaternárias etc.) deverão ser digitados utilizando letras minúsculas, exceto as iniciais (letras maiúsculas);

f) deve-se deixar um espaço duplo entre os parágrafos que se seguem aos títulos das seções;

g) quanto ao sistema de chamada, utilizar o autor-data, devendo-se no texto indicar junto a cada citação, direta ou indireta, o sobrenome de cada autor pessoal ou nome de entidade responsável, seguido do ano da publicação do documento e da(s) página(s) da citação, separados entre si, por vírgula, podendo estar tudo entre parênteses ou, caso o sobrenome do autor faça parte da sentença, deve ficar fora deles. Neste último caso, o sobrenome do autor deverá estar só com a inicial em letras maiúsculas, e quando estiver dentro dos parênteses deverá estar em caixa alta:

- a entrada de autores nas referências deverá ser idêntica à da citação no texto. O sobrenome do autor deverá ser escrito somente com a primeira letra maiúscula, seguido do ano da publicação da literatura utilizada, como no exemplo: Freire (1998);

- caso o nome do autor e o ano estejam entre parênteses, deverão vir separados por vírgula, em letras maiúsculas como no exemplo: (HUSSERL, 1900);

- as citações que contenham até três (3) linhas não serão destacadas em blocos, devendo permanecer com a mesma fonte do texto e entre aspas duplas. Deverão, também, conter a indicação do sobrenome do autor em letras maiúsculas, seguido do ano de publicação e da página utilizada, como no exemplo: (AMATUZZI, 1994, p. 10);

- as citações de mais de três (3) linhas deverão vir destacadas em blocos e recuadas, coincidindo a margem esquerda com a entrada de parágrafo e a margem direita com o texto. Deverá ser usada a mesma fonte do texto, porém em tamanho dez (10), sem aspas e espaçamento simples;

- as citações em língua estrangeira deverão ser traduzidas para a língua do texto indicando os créditos da tradução, após a chamada de citação, como o exemplo: (BELO, 2004, p. 20, tradução nossa);

- os quadros, as tabelas, as figuras e as fórmulas (com suas respectivas legendas) terão sua chamada no texto e deverão ser apresentados em folhas separadas, numerados com algarismos arábicos e em resolução de 300 mpi, com títulos e cabeçalhos padronizados quanto ao formato e termos utilizados. A indicação da fonte é semelhante à da referência bibliográfica – autoria e ano – sem parênteses. As figuras, fotos e fórmulas deverão vir em preto e branco, inseridas no texto e também separadas em formato jpeg (jpg);

- as notas, de caráter explicativo e numeradas automaticamente, devem figurar no final do texto, eliminando-se os recursos da nota de rodapé;

h) as referências, contendo somente os autores citados no trabalho, deverão ser apresentadas em ordem alfabética de autor no final do trabalho.

2 ESPECÍFICAS

Artigos e relatórios de pesquisas em andamento:

a) o número de laudas dos artigos não deve ultrapassar de quinze (15);

b) os trabalhos devem apresentar a seguinte seqüência:

– Título, e subtítulo, se houver;

– Resumo em português conforme NBR 6028/2003 (máximo de 100 a  250 palavras);

– Palavras-chave (no máximo de 06 palavras);

– Resumo traduzido:  Abstract (inglês), Keywords; Resumen (espanhol), Palabras clave;

– Desenvolvimento (texto);

– Referências;

– Notas Finais.

Ensaio

a) o número de laudas não deve ultrapassar de quinze (15);

b) deve apresentar a seguinte seqüência:

– Título e subtítulo (se houver);

– Autoria.

Resenhas de obras específicas que tratem da fenomenologia, das filosofias da existência e da psicologia fenomenológica

a) os textos direcionados a essa seção não devem ultrapassar o limite de três (03) laudas;

b) serão aceitos resenhas de obras editadas no Brasil e no exterior há, no máximo, 02 e 04 anos, salvo obras raras e reeditadas;

c) as resenhas deverão apresentar a seguinte seqüência;

– referências completas da obra:

SOBRENOME, Prenome do autor. Título da obra: subtítulo (se houver). Cidade: Editora, Ano. nº de páginas;

– Nome do resenhista;

– Instituição a que pertence;

– Texto.

3 DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE E TRANSFERÊNCIA DE DIREITOS AUTORAIS

Cessão de Direitos: um termo de cessão dos direitos de publicação, deverá ser assinado pelos autores e encaminhado juntamente com os textos submetidos.

Os autores serão informados, através do e-mail indicado, sobre a aceitação ou não do trabalho para publicação considerando a seguinte classificação:

a) recomendado para publicação imediata;

b) recomendado para publicação após revisão;

c) não adequado para publicação.

Em caso de aceitação, cada autor receberá a carta de aceita informando-o da aceitação na edição vigente.

Cada autor deverá assinar e encaminhar, junto ao texto, os seguintes documentos: (a) Declaração de Responsabilidade e (b) Transferência de direitos autorais, nos quais constarão:

- Título do artigo:

- Nome por extenso dos autores (na mesma ordem em que aparecem no artigo).

3.1 Declaração de responsabilidade

Todas as pessoas relacionadas como autoras devem assinar declarações de responsabilidade nos termos a seguir:

a) "Certifico que participei da concepção do trabalho para tornar pública minha responsabilidade pelo seu conteúdo, que não omiti quaisquer ligações ou acordos de financiamento entre os autores e companhias que possam ter interesse na publicação deste artigo";

b) "Certifico que o manuscrito é original e que o trabalho, em parte ou na íntegra, ou qualquer outro trabalho com conteúdo substancialmente similar, de minha autoria, não foi enviado a outra Revista e não o será, enquanto sua publicação estiver sendo considerada pela revista Psicologia & Fenomenologia, quer no formato impresso, quer no eletrônico".

c) Certifico que as ideias aqui utilizadas,quando não forem de minha autoria estão devidamente organizadas de acordo com as normas de citação e referência da ABNT.

3.2 Transferência de direitos autorais

"Declaro que, em caso de aceitação do artigo, a revista Fenomenologia & Psicologia passa a ter os direitos autorais a ele referentes, que se tornarão propriedade exclusiva da Revista, vedada qualquer reprodução, total ou parcial, em qualquer outro meio de divulgação, impresso ou eletrônico, sem que a prévia e necessária autorização seja solicitada e, se obtida, farei constar o competente agradecimento à Revista".


Assinatura do(s) autores(s)

correio eletrônico

Local e data

________________,______de__________de________

 

CONSELHO EDITORIAL

CONSULTORES DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

1. Ana Maria Lopez Calvo de Feijoo, Doutora. Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Programa de Pós-graduação em Psicologia Social. Instittuto de Fenomenologia do Rio de Janeiro (IFEN).

2. André Nascimento Barata, Doutor. Departamento de Comunicação e Artes. Universidade Beira Interior – Covilhã – Portugal.

3. André Vinícius Dias Senra, Professor Doutor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ).

4. Aquiles Côrtes Guimarães (in memoriam), Doutor. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCS). Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Programa de Pós-graduação em Filosofia. Seminário de Filosofia Jurídica e Política.

5. Ariane Patrícia Ewald, Doutora. Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Programa de Pós-graduação em Psicologia Social.

6. Branz Werneck, Mestre em Psicologia Clínica da UFRJ. Formação em terapia cognitivo-comportamental. Especialista em terapia de familia, pelo IPUB/UFRJ. Membro do corpo editorial da revista psychiatry on line Brasil, responsavel pela coluna de psicologia clínica. Coordenador do Centro de estudos do Nucleo de Oficinas Terapeuticas (NOT)-RJ.

7. Carlos Diógenes Tourinho, Doutor em Filosofia pela PUC-Rio. Professor de Filosofia da Faculdade de Educação da UFF. Professor do Curso de Mestrado em Filosofia da Universidade Federal Fluminense (UFF) (Linha de Pesquisa do Mestrado: História da Filosofia). Membro do GT de Filosofia Francesa Contemporânea e do GT de Fenomenologia da ANPOF.

8. Constança Marcondes César, Doutora em Filosofia pela PUC de São Paulo; Livre-docente pela PUC de Campinas; pós doutorado pela Universidade de Toulouse le-Mirail; bolsas de investigação da Fundação Gilbenkian (Portugal) e da Fundação Onassis (Grécia); local de trabalho Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Sergipe; Mestrado em Direito da Universidade Federal de Sergipe.

9. Crisóstomo Lima do Nascimento, Professor Doutor da Universidade Federal Fluminense (UFF)/Campos de Goitacazes-RJ.

10. Daniel Sousa, Doutor pela Wales University / School of Psychotherapy and Counselling, London, UK. Professor Auxiliar no ISPA – Instituto Universitário, Lisboa, Portugal. Membro Fundador da Sociedade Portuguesa de Psicoterapia Existencial.

11. Emanuel Meireles Vieira, Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

12. Florence Romijn Tocantins, Doutora. Departamento de Enfermagem e Saúde Pública. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - DESP/UNIRIO. Membro do Círculo Latino Americano de Fenomenologia (CLAFEN).

13. Gustavo Alvarenga Oliveira Santos, Ms. Departamento de Psicologia Clínica e Sociedade. Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

14. Joannelise Lucas de Freitas, Doutora. Professora do Programa de Pós-graduação e do curso de graduação em Psicologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

15. Joelma Ana Espíndula, Doutora. Centro de Educação – Psicologia. Universidade Federal de Roraima (UFRR).

16. Lana Veras,  Professora Doutora do Curso de Medicina e Psicologia. Universidade Federal do Piaui  (UFPI)/Campus de Parnaíba.

17. Myriam Moreira Protasio, Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre em Filosofia pela UERJ. Especialista em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia Fenomenológico-Existencial do Rio de Janeiro (IFEN).

18. Plinio Santos Fontenelle, Graduado em Filosofia pela UFMA; Especialista em Filosofia Contemporânea pela UFMA; Mestre em Filosofia pela PUC-SP e Doutor pela USP-SP.

19. Tommy Akira Goto, Doutor em Psicologia Clínica. Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia.

20. Walmir Monteiro, Mestre. Docente de Fenomenologia-Existencial na USS (RJ). Coordenador de Especialização em Psicologia Existencial (Equilíbrio Existencial). Pesquisador-Bolsista da FUNADESP.

CONSULTORES LOCAIS (UFMA, UEMA)

1. Almir Ferreira da Silva Junior, Doutor. Departamento de Filosofia. Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

2. Cristianne Almeida Carvalho, Doutora. Departamento de Psicologia. Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

3. Jadir Machado Lessa, Doutor em Psicologia Clínica pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Psicólogo Clínico. Presidente da Sociedade de Análise Existencial e Psicomaiêutica (SAEP). Diretor Geral do Jornal Existencial On Line. Membro do Conselho Editorial da Revista Transdiciplinar de Gerontologia da Universidade Sénior Contemporânea - Lisboa – Portugal. Professor do Departamento de Psicologia da UFMA.

4. Jean Marlos Pinheiro Borba, Doutor. Departamento de Psicologia. Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Membro do Círculo Latino Americano de Fenomenologia. Membro da Sociedade Brasileira de Fenomenologia. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Fenomenologia e Psicologia Fenomenológica (GEPFPF).

5. José Rômulo Travassos da Silva, Mestre. Departamento de Estudos da Administração (DEA). Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

6. Maria de Fátima Almeida Braga, Doutora.  Departamento de Biblioteconomia. Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

7. Rita de Cássia Oliveira, Doutora. Departamento de Filosofia. Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

8. Veraluce Lima dos Santos, Doutora. Departamento de Letras. Universidade Federal do Maranhão (UFMA).