Avaliação dos parâmetros de crescimento e desenvolvimento em melões submetidos à enxertia

EVERTON VINICIUS ZAMBIAZZI, SCHEILA ROBERTA GUILHERME, MARCIO RÓGGIA ZANUZO, ANTONIO SOARES NETO

Resumo


 

Objetivou-se avaliar nesse estudo a compatibilidade entre porta–enxertos de abóboras para melão cantaloupensis. Foram avaliados a porcentagem de pegamento da enxertia, o diâmetro do porta-enxerto abaixo do local de enxertia, o diâmetro do enxerto acima do local de enxertia e a altura média das plantas sob diferentes porta-enxertos. Como porta–enxertos foram utilizados as cultivares Moranga Cabotiá (Curcubita máxima x Curcubita moschata), Moranga Exposição (Curcubita maxima) e Moranga Coroa (Curcubita maxima) e como enxerto a cultivar de melão cantaloupensis Don Francisco. O experimento foi conduzido nos meses de Abril e Maio de 2011 na Área Experimental da Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT, localizada no município Sinop-MT. Como modelo experimental utilizou-se o delineamento em blocos casualizados com 3 tratamentos e 10 repetições. As cultivares Moranga Cabotiá, Moranga Exposição e Moranga Coroa obtiveram 100%, 90% e 70% de pega respectivamente, diâmetro de enxerto de 4,80 mm, 3,55 mm e 3,40 mm, diâmetro de porta-enxerto de 5,15 mm, 4,37 mm e 3,43 mm, assim como altura de 14 cm, 12 cm e 6,5 cm. A Moranga Cabotiá demonstrou boa compatibilidade com o enxerto, proporcionando maior altura entre plantas, podendo ser recomendada para a técnica de enxertia.


Palavras-chave


Enxertia, Crescimento e desenvolvimento, Curcubitaceae

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.0000/rtcab.v6i3.538

Direitos autorais 2013 Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Tróp.: Ci. agr. biol.

ISSN 1982-4831