Contaminação parasitária de alfaces e sua relação com enteroparasitoses em manipuladores de alimentos

Ana Carolina Fonseca Lindoso Melo, Luis Fernando Viana Furtado, Thaís Carvalho Ferro, Kathlenn Carvalho Bezerra, Diego Chaves Aragão Costa, Leonardo Andrade Costa, Larissa Rodrigues da Silva

Resumo


Este trabalho objetivou detectar a prevalência de enteroparasitos em manipuladores de alimentos e sua correlação com a contaminação enteroparasitária de hortaliças do município de Parnaíba, Piauí. Foram coletadas 34 amostras de fezes de comerciantes de uma feira-livre do município e 12 amostras de horticultores da região. Aplicou-se em cada participante um questionário sobre seus hábitos higiênicos. Foram obtidas de seus boxes e de hortas comunitárias 22 amostras de alfaces. As fezes coletadas foram analisadas pelo método de Hoffman. As alfaces foram separadas em folhas e lavadas com detergente neutro e água destilada. O líquido resultante foi acondicionado em vasilhames para sedimentação por 6 horas. O sobrenadante foi retirado, o sedimento foi centrifugado e analisado em microscópio óptico. Do total de amostras fecais, 50,0% estavam positivas para algum tipo de enteroparasito. Das alfaces, 40,9% estavam contaminadas com larvas de Strongyloides spp. e cistos de protozoários. Quanto aos hábitos dos feirantes, o desconhecimento sobre procedimentos higiênicos em relação à manipulação, disposição e armazenamento de alimentos, falta de higiene pessoal e não utilização de itens de proteção individual foi observado.

Palavras-chave: Parasitos. Contaminação. Saúde Pública. Manipuladores. Alface. 


Palavras-chave


Parasitos; Contaminação; Saúde Pública; Manipuladores; Alface

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.0000/rtcab.v5i3.335

Direitos autorais 2011 Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Tróp.: Ci. agr. biol.

ISSN 1982-4831