Bioestimulante e substratos na propagação de amoreira-preta.

João Paulo Tadeu Dias, Felipe Campaner Palangana, Elizabeth Orika Ono, Gisela Ferreira, João Domingos Rodrigues

Resumo


Avaliou-se o bioestimulante Stimulate® e substratos no desenvolvimento inicial e enraizamento de estacas de duas cultivares de amoreira-preta, no período de setembro a dezembro de 2009. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 2 x 5 (cultivares x substratos x concentrações de bioestimulante) e quatro repetições, sendo cada parcela composta por oito estacas caulinares. Os tratamentos constaram de duas cultivares (Brazos e Guarani), dois substratos (areia, casca de arroz carbonizada) e cinco concentrações de Stimulate®, na forma de solução: 0; 2,5; 5,0; 7,5 e 10 mL L-1 aplicadas dois centímetros da base das estacas durante 13 horas. As características avaliadas foram: porcentagem de estacas brotadas e porcentagem de enraizamento, comprimento da maior raiz, número de brotos novos formados, número de folhas, massa fresca e seca da parte aérea e formação de calos. A cultivar Guarani utilizando substrato areia apresentou resultado superior aos demais, possivelmente pelas características físicas do substrato e genéticas da cultivar. O bioestimulante não promoveu a formação de raízes nas estacas, mas promoveu o desenvolvimento da parte aérea da amoreira-preta.


Palavras-chave


Brazos; Estacas; Regulador Vegetal

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.0000/rtcab.v6i3.293

Direitos autorais 2013 Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Tróp.: Ci. agr. biol.

ISSN 1982-4831