COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS DE ANÁLISE DE IMPACTO AMBIENTAL NO RIO MUNIM

Maria Francisca Rêgo Ribeiro, Jorge Luiz Silva Nunes

Resumo


A percepção etnoecológica fornece subsídios importantes sobre a relação homem/meio ambiente que auxiliam na compreensão sobre diferentes alterações ocorridas no ecossistema, bem como para o desenvolvimento de práticas que visam à sustentabilidade. O principal objetivo deste estudo foi inventariar o conhecimento ambiental dos ribeirinhos e confrontá-lo com a avaliação ambiental científica, verificando os principais problemas ambientais verificados pelas duas percepções. As informações foram obtidas através de entrevistas por meio de questionários e aplicação de protocolo de avaliação rápida da integridade física do ambiente. Foi observado que a realização de atividades agropecuárias é o principal foco da degradação ambiental na região de estudo. Além disso, ocorre também a supressão da mata ciliar. A comparação entre as percepções tradicional e científica,mostrou um etnoconhecimento dos ribeirinhos sobre as diferentes características do ambiente, assim como os diferentes impactos sobre o mesmo comparável ao resultante da pesquisa científica.


Palavras-chave


Etnoecologia, pesca artesanal, degradação ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA-FUNO, I. C. S.; PINHEIRO, C. U. B.; MONTELES, J. S. 2010. Identificação de tensores ambientais nos ecossistemas aquáticos da área de proteção ambiental (APA) da Baixada Maranhense. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, 5 (1):74-85.

ARAUJO, N. A.; PINHEIRO, C. U. B. 2009. Relações ecológicas entre a fauna ictiológica e a vegetação ciliar da região lacustre do baixo Pindaré na baixada maranhense e suas implicações na sustentabilidade da pesca regional. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 22:55-68.

BADALAMENTI, F.; CHEMELLO, R.; D’ANNA, G.; HENRIQUEZ RAMOS, P.; &RIGGIO, S. 2002. Are artificial reefs comparable to neighbouring natural rocky areas? A mollusc case study in the Gulf of Castellammare (NW Sicily). ICES Journal of Marine Science, 59: S127–S131.

BEGOSSI, A. 1993. Ecologia humana: um enfoque das relações homem-ambiente. Interciência, 18 (3): 121-132.

CALLISTO, M.; MORETTI, M.; GOULART, M. 2001. Macroinvertebrados bentônicos como ferramenta para avaliar a saúde de riachos. Revista Brasileira de Recursos Hidricos, 6: 71-82.

CASATTI, L.; LANGEANI, F.; SILVA, A. M.; CASTRO, R. M. C. 2006. Stream fish, water and habitat quality in a pasture dominated basin Southeastern Brazil. Brazilian Journal of Biology, 66 (2B): 681-696.

CASTRO, R. M. C. 1999. Evolução da ictiofauna de riachos sul-americanos: padrões gerais e possíveis processos causais. Oecologia Brasiliensis, Rio de Janeiro, v. 6, p. 139-155.

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO, 2012. LEI Nº 12.727, de 17 de outubro de 2012. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12727.htm Acesso em: 20/01/14.

CONCEIÇÃO, R. N. L.; NASCIMENTO, M. C. 2009. Recifes artificiais instalados em Guamaré, Rio Grande do Norte: programa de apoio à pesca artesanal. Arquivos de Ciências do Mar, 42(1): 106-111.

COSTA, N. F. A.; CASTRO, A. C. L.; COSTA, N. N. S. 2008. Efeitos da urbanização na área de proteção ambiental do Itapiracó, São Luís, MA. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 21:09-16.

COSTA, R. N. M. 2010. Cobertura vegetal e evolução do uso do solo da região de Chapadinha-MA. Areia: UFPB/CCA, 2010.56 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Areia.

FERREIRA, C. P.; CASATTI, L. 2006. Integridade biótica de um córrego na bacia do Alto Rio Paraná avaliada por meio da comunidade de peixes. Biota Neotropica, v6 (n3); http://www.biotaneotropica.org.br/v6n3/pt/abstract?article+bn00306032006.

MINATTI-FERREIRA, D. D.; BEAUMORD, A. C. 2006. Adequação de um protocolo de avaliação rápida de integridade ambiental para ecossistemas de rios e riachos: Aspectos físicos. Revista Saúde e Ambiente/Health and Environment Journal, v. 7, n. 1.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. 2003. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Brasília: MMA/SBF, 510 p.

MOURÃO, J. S.; NORDI, N., 2003. Etnoictiologia de Pescadores Artesanais do Estuário do Rio Mamanguape, Paraíba, Brasil.: Boletim do Instituto de Pesca, 29 (1): 9- 17.

NAKAMURA, K.; LASSO, C. A.; VISPO, C.; ORTAZ, M. 2004. Observaciones subacuáticas: uma herramienta efectiva para la obtención de datos ecológicos y etológicos em comunidades ícticas continentales. Memoria de la Fundación La Salle de Ciências Naturales, 157: 83-110.

NASCIMENTO, M. S. V.; SASSI, R. 2007. Análise da atividade pesqueira e das condições socioeconômicas dos pescadores artesanais de Cajueiro da Praia, Estado do Piauí, Brasil. Gaia Scientia, 1 (2): 141-154.

PECK, D. V.; HERLIHY, A. T.; HILL, B. H.; HUGHES, R. M.; KAUFMANN, P. R.; KLEMM, D. J.; LAZORCHAK, J. M.; MCCORMICK, F. H.; PETERSON, S. A.; RINGOLD, P. L.; MAGEE, T.; CAPPAERT, M. 2006. Environmental monitoring and assessment program-surface waters western pilot study: Field operations manual for wadeable streams. U. S. Environmental Protection Agency.

PIORSKI, N. M.; SERPA, S. S.; NUNES, J. L. S. 2009. Análise comparativa da pesca de curral na Ilha de São Luís, Estado do Maranhão, Brasil. Arquivo de Ciências do Mar, 42(1): 65-71.

RAMIRES, M.; MOLINA, S. M. G; HANAZAKI, N. 2007. Etnoecologia caiçara: o conhecimento dos pescadores artesanais sobre aspectos ecológicos da pesca, São Paulo, Brasil. Revista Biotemas, 20(1): 101-103.

RIBEIRO, F. V.; GONÇALVES, L. D. P., FURTADO, M. S., FEITOSA, A. C. 2006. Degradação do solo no médio curso do rio Munim, município de Chapadinha-MA. VI Simpósio Nacional de Geomorfologia: Geomorfologia Tropical e Subtropical: processos, métodos e técnicas. Goiânia, 6 a 10 de setembro.

RIBEIRO, M. F. R.; PIORSKI, N. M.; ALMEIDA, Z. S.; NUNES, J. L. S. 2014. Fish aggregating known as moita, an artisanal fishing technique performed in Munim river, State of Maranhão, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, 40: 677-682.

RODRIGUES, J. A.; GIUDICE, D. S. 2011. A pesca marítima artesanal como principal atividade econômica: o caso de Conceição de Vera Cruz, BA. Cadernos de Logepa, v.6, n.2, p. 115-139.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)