USO DE ANTIBIÓTICOS NA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES DE Crassostrea rhizophorae PARA UTILIZAÇÃO EM TESTES DE ECOTOXICIDADE

Clovis Lira da Rocha Jr, Lisandra Maria Barroso Matos, Daniela Bezerra Boaes, Ricardo Luvizotto Santos

Resumo


A contaminação bacteriana na larvicultura de ostras pode resultar em número insuficiente de embriões para uso em ensaios embriolarvais. O uso profilático de uma mistura de antibióticos (amoxicilina 25 µg/mL, cefalexina 25 µg/mL, nitrofurantoína 125 µg/mL e cloranfenicol 25 µg/mL) foi testado durante o cultivo de embriões de ostra-do-mangue Crassostrea rhizophorae. As concentrações mais elevadas da mistura de antibióticos (1,0 e 0,5 µL/mL ) foram tóxicas para os embriões. A concentração de 0,0625 µL/mL de solução da mistura de antibióticos no meio de cultivo não afetou significativamente o desenvolvimento normal dos ovos permitindo a produção de um número satisfatório de embriões em estágio de mórula em meio livre de bactérias.

Palavras-chave


Ecotoxicologia, ensaio embriolarval, ostra-do-mangue

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, C. I. M. A. 1991. Sobdidios técnicos para a elaboração do relatório nacional do Brasil para a CNUMAD. Brasilia, CIMA.

ELSTON, R. A. 1984. Prevention and management of infectious diseases in Intensive mollusc husbandary. l. World Maricul. Soc., 15: 284-300.

FIPERJ. 1997. Reprodução e cultivo da ostra de mangue (Crassostrea rhizophorae). FIPERJ, Rio de Janeiro. 4 p.

GEFFARD, O. GEFFARD, A. HIS, E. & BUDZINSK, H. 2003. Assessment of the bioavailability and toxicity of sediment-associated polycyclic aromatic hydrocarbons and heavy metals applied to Crassostrea gigas embryos and larvae. Mar. Pol. Bull. 46: 481-490.

JEFFRIES, V. E. 1982. Three Vibrio strains pathogenic to larvae of Crassostrea gigas and Ostrea edulis. Aquaculture 29: 201-226.

MAGRIS, R. A. PASSAMANI, F. BINDA F.P. & LOUREIRO FERNANDES, L. 2006. Utilização de testes de toxicidade com embriões da ostra Crassostrea rhizophorae (Guilding, 1828) para avaliação da eficiência de uma estação de tratamento de esgotos de Vitória (ES). J. Braz. Soc. Ecotoxicol 1 (1): 49-52.

MIRANDA, M. B. B. GUZENSKI, J. 1999. Cultivo larval da ostra do mangue, Crossostrea rhizophorae (Guilding, 1828), em diferentes condições de temperatura, salinidade e densidade. Arq. Ciên. Mar. 32: 73-84.

PEREIRA, C. C. 1997. Cultivo de ostión de mangle (Crassostrea rhizophorae) em Cuba. Ed. Informe Técnico del Ministerio de la Industria Pesquera, Havana. 8 p.

PRADO, S. ROMALDE J. L. MONTES, J. BARJA, J. L. 2005. Pathogenic bacteria isolated from disease outbreaks in shellfish hatcheries. First description of Vibrio neptunius as an oyster pathogen. Dis. Aquat. Organ. 67(3): 209-15.

SIQUEIRA, F. L. K. 2008. Avaliação do sistema de cultivo de ostra do gênero Crassostrea (Sacco, 1897) no estuário do rio Vaza-Barris (Sergipe). Tese de Mestrado, UNIT, Aracajú, SE.

STENBBING, A. R. D. AKESSON, B. CALABRESE, A. GENTILE, J. H. JENSEN, A. LLOYD, R. 1980. The role of bioassays in marine pollution monitoring. In: Geffard, O. Geffard, A. His E. Budzinski, H. 2003. (Eds). Mar. Pollut. Bull. 46:481-490.

WALKER, C. H. HOPKIN, S. P. SIBLY, R. M. PEAKAL, D. B. 2003. Principles of Ecotoxicology. 2nd Ed. Ed. CRC Press, Nova York, NY. 326p.

WALNE P. R. 1958. The importance of bacteria in laboratory experiments on rearing the larvae of Ostrea edulis (L.). J. Mar. Biol. Assoc. 37:415-425.

ZAGATTO, P. A. BERTOLETTI, E. 2008. Ecotoxicologia aquática: princípios e aplicações. Ed. Rima. São Carlos, SP.

ZAYAS, L. F. ORTIZ, J. L. HERRERA, A. R. 1995. Nuevas perincias em el cultivo artificial del ostión de mangle (Crassostrea rhizophorae). Informe Técnico, p. 8-9.

MARQUES, J. S. J. RANGEL, T. P. BRITO, F. P. ALMEIDA, M.G. SALOMÃO, M. S. M. B. GOBO A. A. R. SOUZA-SANTOS, L. P. ARAÚJI-CASTRO, C. M. V. COSTA, M. F. REZENDE, C. E. 2011. Geoquímica de metais em sedimentos da zona estuarina do Complexo Industrial Porto de Suape, PE – Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada 11(4): 379-387.

SHAHIDUl ISLAM, S. TANAKA, M. 2004. Impacts of pollution on coastal and marine ecosystems including coastal and marine fisheries and approach for management: a review and synthesis. Mar. Pollut. Bull. 48(7-8): 624-649.

HIS, E. HEYYANG, I. GEFFARD, O. MONTAUDOUIN, X. 1999. A comparison between oyster (Crassostrea gigas) and sea urchin (Paracentrotus lividus) larval bioassays for toxicological studies. Water Res. 33(7): 1706-1718.

URIARTE, I. FARÍAS, A. CASTILLA, J. C. 2001. Effect of antibiotic treatment during larval development of the Chilean scallop Argopecten purpuratus. Aquacul. Eng 25(3): 139-147.

CAMPA-CÓRDOVA, A. I. LUNA-GONZALÉZ, A. ZARAIAN-HERZBERG, M. CÁCERES-MARTINEZ, C. J. 2005 Prophylactic use of antibiotics in larval culture of Argopecten ventricosus (Sowerby, 1835). J. Shellfish Res. 24(4): 923-930.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)