FITOMASSA AÉREA DE UM MANGUEZAL NO ESTUÁRIO DO RIO DOS CACHORROS, SÃO LUÍS, MARANHÃO, BRASIL

Ivanilson Luís Alves Fonsêca, Flavia Rebelo-Mochel

Resumo


A biomassa aérea de três espécies de árvores de manguezal foi medida diretamente em uma área de 1,5 hectaressubmetida à supressão para a estabilização, com estruturas de engenharia, de um talude comprometido por dragagens. Em um bosque misto de Rhizophora mangle, Avicennia germinans e Laguncularia racemosa, selecionou-se uma árvore de cada espécie para o corte raso, acima do sedimento. Nas três espécies as classes diamétricas variaram de 15,0 a 20,0 cm. Os troncos, raízes, galhos e folhas foram pesados juntos para análise da fitomassa total e também as folhas em separado para se verificar a fitomassa do bosque, tanto em peso úmido como em peso seco. Usando-se métodos alométricos a fitomassa aérea úmida e a fitomassa aérea seca foram analisadas e estimadas para todo o bosque. Os resultados para as três espécies mostraram que R. mangle apresentou os maiores valores de fitomassa, seguida por A. germinans e L. racemosa, respectivamente. A contribuição da fitomassa foliar em todos os indivíduos foi superior a 3%, apresentando valores entre 6,5% a 12,5%, mostrando que o bosque estudado é formado por árvores jovens. Todos as medidas estruturais e de biomassa refletem a elevada entrada de energia pelas condições ambientaisexistentes no litoral amazônico.


Palavras-chave


Ecossistema Costeiro; Recuperação Ecológica de Manguezal; Ecologia Costeira e Marinha

Texto completo:

PDF

Referências


ARÚJO, D. S. D. & MACIEL, N. C. 1979. Os manguezais da Baia de Guanabara. Cadernos FEEMA, ser. Téc. 10/79: 1-115.

CAVALCANTE, P. R. S. et al. 1985. Caracterização ambiental da região do sul-suldeste da Ilha de São Luis-MA.In: Anais do Encontro Brasileiro Sobre Gerenciamento Costeiro, 3. Fortaleza 1986. p. 160-1173.

CLAUSSEM, J. W. & MAYCOCK, C. R. 1995. Sten allometry in a north Queesland tropical rainforest. Biotropica 27(4):421-426.

CINTRÓN, G.; LUGO, A. E. & MARTINEZ, R. 1980. Structural and functional properties of mangrove forests. Symp. Signaling the Completion of the Flora of Panamá, p. 53-66.

CINTRÓN, G., SCHAEFFER-NOVELLI,Y. 1981. Proposta depara oestudo dos recursos de marismas e manguezais. Publ. N°515 do Instituto Oceanogr. Da USP. São Paulo. N. 10. p. 1-13.

CLOUGH B.F., DIXON P. e DALHAUS O. 1997. Allometric relationships for estimating biomass in multi-stemmed mangrove tress. Aust. J. Bot. 45: 1023–1031.

COSTA, M. R. P., ALCANTÂRA E. H., AMORIM, J. E. A., & MOCHEL, F. R. 2006. Avaliação das potencialidades e fragilidades das áreas de manguezal para a implementação do ecoturismo usando ferramentas de sensoriamento remoto em Cururupu - Ma, Brasil. Caminhos de Geografia 22(17) 237 – 243.

DAMÁZIO, E. & SANTOS, M.C.F.V.

Levantamento bioecológico na área de implantação da Indústria de Alumínio do Consórcio ALUMAR na ilha de São Luís-Maranhão. Relatório técnico (dez.84/dez.85). (Sub-projeto Mangues). São Luís. 169 pp.

DAMÁZIO, E. 1980 Contribuição ao conhecimento da vegetação de manguezais da Ilha de São Luis - Parte I. Bol. Lab. Hidrob., v.3. n.1., 1979/80.

DRAKE, J.B; KNOX, R.G.; DUBAYAH, R.O.; CLARK, D.B.; CONDIT,R.; BLAIR, J.B.& HOFTON, M. 2003. Above-ground biomass estimation in closed canopy Neotropical forests using lidar remote sensing: factors affecting the generality of relationships. Global Ecology & Biogeography , 12, 147–159

ESPIG, S. A.; REIS, I. A.; ARAÚJO, E. P. 2007. Identificação do ecossistema mangue na Ilha do Maranhão através de técnicas de classificação utilizando imagens do sensor CCD-CBERS-2. XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, 21-26 abril, INPE, p. 5731-5737.

FROIS-ABREU, S. 1939. Observação sobre a Guiana Maranhense. Revista Brasileira de Geografia, ¼. p. 26-59.

FROMARD,F.; PUIG, P., MOUGIN, E., MARTY G., BETOULLE, J.L. & CADAMURO, L. 1998. Structure, above-ground biomass and dynamics of mangrove ecosystems: new data from French Guiana. Oecologia 442: 1–15.

GOLLEY, F., HOWARD, T.; ODUM; WILSON, R.F. 1962. The Structure and Metabolism of a Puerto Rican Red Mangrove Forest in May. Ecology 43:9–19.

HERZ, R. 1991. Manguezais do Brasil. São Paulo: Instituto oceanográfico Universal. 54p.

HONAISER, L. 1993. Mapeamento temático dos manguezais do médiolitoral superior do sudoeste da Ilha de São Luís. Universidade Federal do Maranhão, Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Maranhão.

ILKA C. FELLER; KAREN L. MCKEE; DENNIS F. WHIGHAM & JOHN P. O’NEILL. . 2002. Nitrogen vs. phosphorus limitation across an ecotonal gradient in a mangrove forest. Biogeochemistry 00: 1–31, 2002

JUMAN, R.A. 2005. Biomass,litterfall and decomposition rates for the fringed Rhizophora mangle forest lining the Bon Accord Lagoon,Tobago. Rev. Biol. Tro.v.53, supl.1, San José, 2005.

KJERFVE, B.; PERILLO, G. M.; GARDNER, L. R.; RINE, J. M.; DIAS, G.T.M.; MOCHEL, F.R. 2002. Morphodynamics of muddy environments along the Atlantic coasts of North and South America. In: Healy, T., Wang, Y & Healy, J.-A. (eds.) Muddy coasts of the world: Processes, deposits and functions. Elsevier Science, p.:479-532.

MOCHEL F. R. 1993. Mangroves of Maranhão State, North Brazil. In: LACERDA LD AND FIELD CD (Eds), Mangrove Ecosystems Proceedings, Okinawa: ISME, Japan. p. 1: 14.

MOCHEL, F. R. 1997. Manguezais do Maranhão: proteção e desenvolvimento. In: Reunião anual da SBPC, 47.,São Luis 1995. Anais. São Luis, 1995b.2v., v.1, p. 15-16.

MOCHEL, F. R., 1997. Mangroves on São Luís Island, Maranhão Brazil. In: KJERFVE, B. et al. (Ed.) Mangrove ecosystem studies in Latin America and Africa, Paris: UNESCO, p. 145-154.

MOCHEL, F. R., 1999. Caracterização espectral e mapeamento dos manguezais por sensoriamento remoto na bacia de turiaçú, Maranhão, Brasil. Niterói. 126 pp. Tese de Doutorado apresentada ao curso de pós-graduação de Geciências-Geoquímica da Universidade Federal Fluminense.

MOCHEL, F. R., CORREIA, M. M. F., CUTRIM, M. V. J., IBANEZ, M. S. R. 2002.

Degradação dos manguezais da Ilha de São Luís (MA): processos naturais e antrópicos. In: Ecossistemas costeiros: impactos e gestão ambiental.1 ed.Belém : Editora do Museu Paraense Emílio Goeldi, v.1, p. 113-131

MOCHEL, F. R. 2002. Programa Integrado do Estudo Ecológicos dos Manguezais do Estado do Maranhão. Revista de Gerenciamento Costeiro Integrdo – para paises de língua portugueza. Santa Catarina v.1, n.2, p 30-33.

MOCHEL, F. R., & PONZONI, F J. 2007 Spectral characterization of mangrove leaves in the razilian amazonian coast: turiaçu bay, maranhão state. Rio de Janeiro. Anais da Academia Brasileira de Ciências nº 79(4): 683-692

MOCHEL, F. R., 2009. Improving visual enhancement of mangrove areas in Baía de turiaçu, brazil, by using hsi transformation In landsat 5/tm imageryo, Brasil. São Luís, Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 22:45-54.

SANTOS, M.C.F.V., DAMÁZIO, E. 1985. Mapeamento do médio litoral com mangue do sul da Ilha de São Luis. In: Encontro Brasileiro Sobre Gerenciamento Costeiro, 3., Fortaleza, 1985. Anais... Fortaleza a. p. 111-121

SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; CINTRÓN, G. 1986. Guia para estudo de área de manguezal; estrutura, função e flora. São Paulo, Caribbean Ecological Research. 150p. + 3 apêndice.74-78.

SMITH, T. J. III, WHELAN, K. R. T. 2006. Development of allometric relations for three mangrove for use in the Greater Everglades Ecosystem restoration. Wetlands Ecol Manage 14:409–419.

SILVA C.A.R.; LACERDA L.D., SILVA L.F.F. & REZENDE C.E. 1991. Forest structure and biomass distribution in a red mangrove stand in Sepetiba Bay, Rio de Janerio. Rev. Brasil Bot.14: 21-25.

SILVA, D. S. 1992. Estrutura vegetal de um bosque de mangue degradado á margem direita do Rio das Bicas, são Luis – MA. São Luis, 1992. 47p. Monografia (Graduação) Curso de Ciências Biológicas/ UFMA.

SILVA, J. A. A. 2002. Modelagem estimativa volumétrica de árvores de manguezais. In: Gerenciemento Participativo de Estuários e Manguezais, p. 227-238.

SOARES, M.L.G. 1999. Estrutura vegetal e grau de perturbação dos manguezais da Lagoa da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Revista Brasileira de Biologia 59(3): 503-515.

SOTO, R. Geometry, 1988. Biomass allocotion and leaf life-span of Avicennia germinans (L.) L. (Aviceniaceae) along a salinity gradient in Salinas, Puntarenas, Costa Rica. Rev. Biol Trop., 36 (2a): 309-323.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)