VALORAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS DA BAIXADA MARANHENSE PELO MÉTODO DE REGISTRO ECONÔMICO

Naíla Arraes de Araujo, Oriana Trindade de Almeida, José Luiz Cividanes Hernandez, Cláudio Urbano Bittencourt Pinheiro

Resumo


A deterioração ambiental leva ao questionamento de como os recursos naturais devem ser valorados para que sua utilização seja sustentável em termos econômicos, sociais, culturais e ecológicos. Efetua-se aqui um exercício de valoração baseado nas atividades econômicas que são realizadas por comunidades na Baixada Maranhense. O objetivo não foi obter de maneira precisa qual é o preço ou valor econômico de determinados dotes de recursos naturais utilizados como fator de produção, mas refletir que o valor dos recursos naturais, em especial dos Aterrados, em populações rurais deriva de sua utilização para obter bens que são vendidos ou consumidos para satisfazer suas necessidades. Para isto foi utilizado o Método de Registro Econômico para Valoração Ambiental. Especificamente, se pretendeu demonstrar que apesar de se tratar de um estudo de caso, as características do mesmo são comuns a muitos dos territórios amazônicos, especialmente das populações rurais cujas fontes de renda, de alimento e o próprio modo de vida provêm historicamente dos recursos naturais aos que, de maneira comum, têm acesso. Conclui-se que o valor da natureza vai além do valor de mercado. A atribuição dos valores monetários nos recorda que os recursos não são grátis e que neles descansam nossos processos produtivos.


Palavras-chave


Natureza, economia ambiental, renda, conservação, Penalva

Texto completo:

PDF

Referências


ALBIERO, D.; MACIEL, A. J. da S.; LOPES, A. C.; MELLO, C. A.; GAMERO, C. A. 2007. Proposta de uma máquina para colheita mecanizada de babaçu (Orbignya phalerata Mart.) para a agricultura familiar. Revista Acta Amazonica, 37 (3): 337-346.

ARAUJO, N. A. 2005. Avaliação sócio-econômica da pesca artesanal e do potencial aqüicola na região lacustre de Penalva, Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense. Monografia (Graduação em ciências aquáticas com Habilitação em Aqüicultura) – Universidade Federal do Maranhão. 82p.

BOULDING, K. E. 1967. O significado do século XX. Rio de Janeiro Fundo de Cultura.

CÁNEPA, E. M. 1991. A problemática ambiental e a função do Estado numa economia mista moderna. Ensaios FEE, Porto Alegre. 11 (2): 251-279.

CECHIN, A. e VEIGA, J. E. da. 2010. O Fundamento Central da Economia Ecológica. In: MAY, P. H. (Ed.). Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

ENRÍQUEZ, M. A. 2010. Economia dos Recursos Naturais. In: MAY, P. H. (Ed.). Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Elsevier. p.49-78.

FINCO, M. V. A. 2002. Instrumentos Econômicos como Ferramenta de Valoração Ambiental. Estudo de Caso: Praia do Cassino, RS, Brasil. Monografia – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande. 94p.

GOMES, I. 2004. Sustentabilidade social e ambiental na agricultura familiar. Revista de Bilogia e Ciências da Terra, 5 (1): 1-18.

HOMMA, A. K. O.; NOGUEIRA, O. L.; MENEZES, A. J. E. M.; CARVALHO, J. E. U.; NICOLI, C. M. L.; MATOS, G. B. 2006. Açaí: novos desafios e tendências. Revista Amazônia, Ci.& Desenv., Belém. 1 (2): 7-23.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010.

JMP Statistics and Graphics Guide, Version 3.2.6. (computer software and manual). SAS Institute Ins., Cary, North Carolina. 1995.

MOTA, J. A.; BURSTZYN, M.; CÂNDIDO JUNIOR, J. O. e ORTIZ, R. O. 2010. A Valoração da Biodiversidade: Conceitos e Concepções Metodológicas. In: May, P. H. (Ed.). Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Elsevier. p.265-288.

PACHECO, M. E. L. 2004. Em defesa da agricultura familiar sustentável com igualdade de gênero. Fase. Diretora do programa Amazônia sustentável e democrática. 24p.

RIVAS, A.; CASEY, J. F. e KAHN, J. R. 2003. A Preservação Ambiental é um Bem de Luxo? Estudo sobre o Valor de Ecossistemas de Várzea na Amazônia. In: RIVAS, A. et al. Valoração e Instrumentos Econômicos Aplicados ao Meio Ambiente: Alternativas para Proteger a Amazônia. Manaus: Instituto I-Piatam.

ROMEIRO, A. R.; ANDRADE, D. C. 2009. Valoração Econômico Ecológico de Recursos Naturais. Revista Gestión y Ambiente. 12 (3): p.21-36.

RODRIGUES, W., NOGUEIRA, J. M.; CARVALHO, E. de. 2009. Valoração dos Danos Ambientais da Usina Hidrelétrica Luis Eduardo Magalhães. In: Veiga, J. E. (ed.). Economia Socioambiental. São Paulo: Editora SENAC. p.189-204.

SANTANA, R. F.; MOTA, J. A. 2004. Economia e Valor de Existência: o caso do Parque Nacional do Jaú (Amazonas). Brasília: IPEA. 35p.

SERRA, M. A.; GARCIA, E. M.; ORTIZ, R. A.; HASENCLEVER, L. e MORAES, G. I. 2004. A Valoração Contingente como Ferramenta de Economia Aplicada a Conservação Ambiental: o Caso da Estrada Parque Pantanal. Planejamento e Pesquisas Públicas, 27: 193-212.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)