MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS FÍSICO-QUÍMICAS NO CULTIVO DE CRASSOSTREA RHIZOPHORAE ( MOLLUSCA ) (GUILDING, 1928) NO ESTUÁRIO DE PAQUATIUA - ALCÂNTARA/MA, BRASIL

Roberto Santos Ramos, Antonio Carlos Leal de Castro

Resumo


Os estuários são por excelência criadouros naturais de vários organismos aquáticos, os quais dependem da qualidade da água como um dos fatores importantes para a manutenção do ciclo vital. O município de Alcântara (02º40’00’’S e 44º41’00”W), onde se realizou o trabalho, localiza-se no litoral ocidental do Estado do Maranhão Nordeste do Brasil. O objetivo deste trabalho é monitorar o estuário de Paquatiua, onde se desenvolve um cultivo experimental de ostra nativa - Crassostrea rhizophorae, observando as variáveis físico-químicas que influenciaram no crescimento dos exemplares. Foram realizadas 9 coletas no período de novembro/2000 a julho/2001, utilizando-se como material: garrafa de Van Dorn, Sonda multiparâmetro MultiLine P4, fluorímetro, refratômetro, kit de filtração para material particulado em suspensão - MPS e disco de Secchi; com obtenção dos dados “in situ” e em laboratório. As coletas dos dados físico-químicos foram feitas uma vez a cada mês em um ciclo completo de maré (12 horas) com intervalos de 2 horas, alternando-se os dias de coleta, nas marés de sizígia e quadratura. As biometrias das ostras também foram feitas uma vez por mês com base em amostras de 30 indivíduos no estágio juvenil, obtendo-se dados de altura, largura, comprimento e peso, sendo utilizada a média destes como valor representativo. Para se inferir sobre as variáveis mais influentes no crescimento da ostra foi feita uma abordagem bibliográfica comparando-se com os dados obtidos no presente trabalho e posteriormente uma Análise de Componentes Principais, cujo fator 1 responsável por 54,76% de explicação da variação associou negativamente o pH, transparência e OD e positivamente o MPS, velocidade e feofitina mostrando então que estas variáveis foram mais importantes no crescimento da ostra.

 

Abstract

 

Enviromental  aproach of physical–chemistry variables in the growing of Crassostrea rhizophorae (Mollusca) (Guilding, 1928) from Alcântara/Ma, Brazil

Estuaries are the main natural farms of many aquatic organisms that depend on the water quality as one importante factor for the maintenance of their life cicle. In the tourn of   Alcântara (02º04.00..S and 44º25.00.W), where this work taked place, is the western coast of the Maranhão state, north of Brazil. The aim of this work is to watch over the stuary of Paquatiua in Alcântara/MA, where a experimental oyter farm were bruilt, checking and identifying the physical and chemistry that interferes in the oyster growth. A total of 9  incursions to the field were realized in  the period of november/2000 to julyl/2001. Using these equipament: a  Van Dorn bottle, MultiLine P4, fluorimeter, Secchi disk, sanility refractometer for  the attainment of in situ and laboratory data. The physic and chemistry data were colected once per month a 12 hours cicle with an interval of 2 hours accordance with the phases of the moon.f two hours in-between, along 12 hours in each day, one day per month. The biometry measures of oysters were  also measured once per  month with a sample of  30 individuals in juvenile stage, measuring the height, width, lenght and wight of these as representative value. To analizey the most influent  parameter for the growing of  the oysters a bibliographic were made, comparing the data of the present work, and later an Principal  components analisys that the 1 factor was responsable for 54,76%. The explanation of the variaton and associate the pH, transparence and DO and positivelly the MPS, speed and feofitine showing that these parameter were the most impotant in the growing of oyster.

 

Key-words: growth, parameter, oyster.

 


Palavras-chave


Crescimento, variáveis, ostra.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUDO, E. G. (Coord.). Guia de coleta e Preservação de amostras de água. 1 ed. São Paulo, CETESB, 1988

AZEVEDO, C. G.. Diatomáceas (Bacillariophyceae) epifitas em Bostrychia montagne dos manguezais de Parna-açu, ilha de São Luis – Estado do Maranhão. São Luís – MA, [s. n.], 99 p. 1995.

BARROSO, F. G. & LITTLEPAGE, J. Protocolo para análise de clorofila a e feopigmentos pelo método fluorimétrico ( Fluorímetro TD – 700). Vitória. ES: [s. n.], 1998, 18 p.

BRANDINI, F. P. SILVA, A. S. & PROENÇA, L. A. Oceanografia e maricultura in: Valenti, W. C., Poly. C. R., Pereira, J. A. & Borghetti, J. R. Aqüicultura no Brasil: Bases para um desenvolvimento sustentável. Brasília, CNPQ/MCT, p. 107 – 142, 2000.

CHAPARRO, O. R. et al. Manual de Cultivo de La ostra chilena (Ostrea chilensis). . Ed. da Universidad Austral de Chile/Instituto de Biología Marina, 1998. 16 p. il. 15 cm.

ESTEVES, F. Fundamentos de Limnologia. 2º ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1998. 602 p.

FURTADO, J. G. C. Caracterização hidroquímica de uma região estuarina com potencial à maricultura no povoado de Anajatiua/Quebra Pote (Baía do Arraial, São Luís – MA. Maranhão:[ s. n. ], 2001. 60 p (monografia).

FERREIRA, S. A. Dinâmica nictimeral de parâmetros hidroquímicos no baixo-estuário do rio salgado, com potencial à maricultura, no povoado de Paquatiua/Alcântara-MA (período chuvoso). Maranhão: [ s. n.], 2001 61 p.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Contagem da população. Capturado em 28 jun. 2000. Online. Disponível na Internet. http://www.ibge.gov.br/estatística/população/contagem/brcont96.shtm

MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Recursos hídricos. Capturado em 26 jun.2000. Online. Disponível na Internet. http://www.mma.gov.br/port/CGMI/Institu/index.html.

MIRANDA, M. B. B. & GUZENSKI, J. Arquivos de ciências do mar. Cultivo larval da ostra do mangue, Crassostrea rhizophorae (Guilding, 1828), Em diferentes condições de temperatura, salinidade e densidade. Vol. 32, Fortaleza: UFC. P. 73 – 84, 1999 .

NASCIMENTO, M. N. Terra das Palmeiras: Geografia e História do Maranhão. São Paulo: F.T.D., 1996. 128 p.

OVALLE, A. R. C. Dinâmica hidroquímica de um canal de maré em um ecossistema de manguezal. Rio de Janeiro: [ s. n.], 1992. 159 p. (tese de doutorado)

PAIVA, R. S. Parâmetros, Físicos, químicos, biomassa e produção primária do fitoplâncton na Plataforma Continental Amazônica, 1 ed. São Paulo [s.n.]: 2001. 153 p.

POLY, C. R. (coor). Biologia e cultivo de ostras. Florianópolis: [s. n.], 1998. 70 p.

REIS, R. C. G. Macroalgas marinhas bentônicas do litoral da cidade de Alcântara – Município de Alcântara, Estado do Maranhão – BR. Monografia do Curso de Ciências Biológicas, São Luís – UFM, 1992. 61p

REYES, L. M. A. et. al Fundamentos de acuicultura marina. Santafé de Bogotá, 1995. 225 p.

ROJAS, I. B.& MUNOZ, J. E. Manual de cultivo de mitilidios . Valdívia Universidad Austral de Chile/Instituto de Biología Marina, 1998. 16 p. il. 15 cm.

RUPPERT, Edward E. & BARNES, Roberto D. Tradução Paulo Marcos Oliveira. Zoologia dos invertebrados. 6. Ed. São Paulo: Roca, 1996. 1029 p.

SEMATUR. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Turismo GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO –Diagnóstico dos principais problemas Ambientais do Estado do Maranhão. Maranhão: [s. n.], 1991. 194 p. il. 23 x 31.5 cm.

SIEGLE et. al. Estuário do rio Camburiú, Balneário Camburiú – SC. Hidrografia e sedimentos em suspensão. In: XI Semana Nacional de Oceanografia e suas interfaces, 1998, Pelotas. Anais... Peloatas. Anais...Pelotas: XI Semana Nacional de Oceanografia, 1998. P. 463 – 465.

STRIDE, R. K., ALVES, M. I. M. & RAPOSO, L. A. B. Pesca experimental de camarão com redes tresmalhos no litoral maranhense. São Luís: CORSUP/EDUFMA, 1993.

VINATEA, L. A. Princípios químicos da qualidade da água em aqüicultura. Florianópolis: UFSC, 1997. 166 p.

VINATEA, L. A. MUEDAS, W. L. A aquicultura Brasileira está preparada para enfrentar os desafios sócio-ambientais do século XXI? In AQUICULTURA BRASIL 98, 1998 Recife. Anais... Recife: Associação de cultivo de camarão. 1998 p 545 – 558.

VINATEA, L. A Aqüicultura e desenvolvimento sustentável: subsídios para a formulação de políticas de desenvolvimento da aqüicultura brasileira. Florianópoles:UFSC, 1999. 310 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)