EFFECT OF PREY SIZE SELECTION AND RATION ADDITION ON THE REARING OF PIRACANJUBA LARVAE, BRYCON ORBIGNYANUS

Marcelo Mattos Pedreira, Lúcia Helena Sipaúba-Tavares

Resumo


Efeito da seleção do tamanho da presa e da adição da ração no cultivo de larvas de piracanjuba, Brycon orbignyanus.

 

Larvas de piracanjuba, Brycon orbignyanus foram cultivadas em laboratório sendo submetidas a quatro tratamentos alimentares: 1) plâncton (P) selecionado em peneira de 1.000 mm; 2) plâncton e ração (PR) selecionados em peneira de 1.000 mm, sendo a ração introduzida a partir do terceiro dia de alimentação exógena. 3) plâncton selecionado (PS) em peneira de 350 mm, até o décimo dia, a partir de quando era selecionado com peneiras de 500 mm; e 4) plâncton e ração selecionados (PSR) em peneira de 350 mm, até o décimo dia, a partir de quando eram selecionados com peneiras de 500 mm, sendo a ração introduzida a partir do terceiro dia de alimentação exógena. As variáveis limnológicas, temperatura da água, oxigênio dissolvido, pH e condutividade foram similares entre os tratamentos, estando dentro da faixa adequada para à espécie. Os resultados sugerem que a seleção de tamanho da presa está positivamente correlacionada a taxa de sobrevivência das larvas, provavelmente devido ao decréscimo da hierarquia alimentar, que atenuou a heterogeneidade de crescimento e o canibalismo por conseqüência. A ração adicionada ao alimento também foi benéfica ao cultivo das larvas.

 

ABSTRACT

 

Piracanjuba larvae Brycon orbignyanus were reared in laboratory and fed the following four dietary treatments: 1) plankton (P) screened in 1,000 mm sieve; 2) plankton and ration (PR) screened in 1,000 mm sieve, plus ration starting on the third day of exogenous feeding; 3) plankton (PS) screened in 350 mm sieve, for the first ten days and in 500 mm sieve in the subsequent days; and 4) plankton and ration (PSR) screened in 350 mm sieve, during the first ten days and in 500 mm sieve in the subsequent days, plus ration starting on the third day of exogenous feeding. Limnological variables, water temperature, dissolved oxygen, pH and conductivity were similar in all treatments and within the range adopted for the species. The results suggest that prey size selection correlates positively with larvae survival rates, probably due to the decrease of alimentary hierarchy, thus attenuating growth heterogeneity and consequently, cannibalism. Ration added to natural food also proved to be beneficial.

 

Key words: larvae Brycon orbignyanus, plankton screened, ration.

 


Palavras-chave


larvas de Brycon orbignyanus, plâncton selecionado, ração.

Referências


ALVAREZ, E. J. S. 1999. Dinâmica de algumas variáveis limnológicas em tanques de larvicultura de Brycon orbignyanus (Valenciennes, 1949) (Pisces Characidae) sob dois tipos de tratamentos alimentares. Master’s dissertation, Centro de Aqüicultura da UNESP, Jaboticabal, São Paulo, Brasil.

BASILE-MARTINS, M. A., YAMANAKA, N., JACOBSEN, O. & ISHIKAWA, E C. M. 1987. Observações sobre a alimentação e a sobrevivência de larvas de pacu, Piaractus mesopotamicus (Holmberg, 1887) (= Colossoma mitrei, Berg, 1895). B.Inst..Pesca, 14:63-68.

BEHR, E. R., FURUYA, W. M., FURUYA, V. R. B. & HAYASHI, E C. 1997. Efeito da densidade do copépodo ciclopóide Mesocyclops longisetus na predação de larvas de pintado Pseudoplatystoma corruscans. B.Inst..Pesca, 24(especial):261-266.

CECCARELLI, P. S. 1997. Canibalismo em larvas de matrinxã Brycon cephalus (Günther, 1869). Master’s dissertation, Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Botucatu, São Paulo, Brasil.

CECCARELLI, P. S. & SENHORINI, J. A. 1996. Brycon viabilização da produção de alevinos.Panorama da Aqüicultura, (6)35:10-11.

DUMONT-NETO, R., PELLI, A, FREITAS, J. L., COSTA, C. L., DE-FREITAS, A. E. & BARBOSA, E N. D. C. 1997. Reprodução induzida da piracanjuba (Brycon orbignyanus, Valenciennes, 1903), durante a primeira maturação sexual, cultivada em cativeiro, na estação de pesquisa e desenvolvimento ambiental de Volta Grande - CEMIG. B. Inst. Pesca, 24(especial):105-107.

DURAY, M. N., ESTUDILLO, C. B. & APLAZAN, L. G. 1996. The effect of background color and rotifer density on rotifer intake, growth and survival of the grouper (Epinephelus suillus) larvae. Aquaculture, 146:217-224.

DURAY, M. N., ESTUDILLO, C. B. & APLAZAN, L. G. 1997. Larval rearing of the grouper Epinephelus suillus under laboratory conditions. Aquaculture, 150:63-76.

GALVÃO, M. S. N., YAMANAKA, N., FENERICH-VERANI, N. & PIMENTEL, E C. M. M. 1997. Estudos preliminares sobre enzimas digestivas proteolíticas da tainha Mugil platanus Günter, 1880 (Osteichthyes, Mugilidae) durante as fases larval e juvenil. B.Inst..Pesca, 24:101-110.

GERKING, S. D. 1994. Feeding Ecology of Fish. Academic Press, New York, USA.

HUNTER, J. R. 1984. Feeding ecology and predation of marine fish larvae. Pages 33-77 in R. Lasker, editor. Marine fish larvae: morphology, ecology, and relation to fisheries. Washington Sea Grant Program, Washington, USA.

KAMLER, E. 1992. Early life history of fish an energetics approach. Chapman and Hall, London, England.

LOPES, R. N. M., SENHORINI, J. A. & SOARES, E M. C. F. 1994. Crescimento e sobrevivência de larvas de matrinxã Brycon cephalus Günther, 1869, (Pisces, Characidae) sob diferentes dietas alimentares. B. Téc. CEPTA, 7:41-48.

LUBZENS, E., SAGIE, G., MINKOFF, G., MERAGELMAN, E. & SCHNELLER, A. 1984. Rotifers (Brachionus plicatilis) improve growth rate of carp (Cyprinus carpio) larvae. Bamidgeh, 36(2):41-46.

MENDONÇA, J. O. J. 1994. Criação de espécies do gênero Brycon no CEPTA/IBAMA. Páginas 31-48. Anais do Seminário Sobre Criação de Espécies do Gênero Brycon, 1. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, Pirassununga, Brasil.

PIOVEZAN, U. 1994. Efeito da dieta na sobrevivência de larvas de piracanjuba (Brycon orbignyanus) - CAUNESP. Páginas 21-24. Anais do Seminário Sobre Criação de Espécies do Gênero Brycon, 1. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, Pirassununga, Brasil.

SENDACZ, S. & KUBO, E. 1982. Copepoda (Calanoida e Cyclopoida) de reservatórios do Estado de São Paulo. B.Inst..Pesca, 9:51-89.

SENHORINI, J. A. 1999. Biologia larval do matrinxã Brycon cephalus (Günther, 1869) e do piracanjuba Brycon orbignyanus (Valenciannes, 1849), (Pisces Characidae) em viveiros. Master’s thesis, Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Botucatu, São Paulo, Brasil.

SENHORINI, J. A. & FRANSOZO, E A. 1994. Influência da produtividade dos viveiros e a contribuição da ração na larvicultura do pacu (Piaractus mesopotamicus) Holmberg, 1887 (Teleostei, Characidae). B. Téc. CEPTA, 7:27-40.

SIPAÚBA-TAVARES L. H. & ROCHA, E O. 1993. Cultivo em larga escala de organismos planctônicos para alimentação de larvas e alevinos de peixes: I - Algas Clorophicea. Biotemas, 6:93-106.

SIPAÚBA-TAVARES, L. H. & BRAGA, F. M. S. 1999. Study on feeding habits of Piaractus mesopotamicus (pacu) larvae in fish ponds. Naga, The ICLARM Quartely. 22(1):24-30.

UEBERSCHÄR, B. 1995. The use of tryptic enzyme activity measurement as a nutritional condtion index: laboratory calibration data and field application. ICES Mar. Sci. Symp., 201:119-129.

VOLPATO, G.L., FRIOLI, P. M. & CARRIERI, E M. P. 1989. Heterogeneous growth in fishes: Some new data in the Nile tilapia Oreochromis niloticus and a general view about the causal mechanisms. B. Fisiol. Anim. Univ. São Paulo, 13:7-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)