MICROALGAS DA BAÍA DE TURIAÇU, APA DAS REENTRÂNCIAS MARANHENSES – UMA ABORDAGEM QUALITATIVA

Maria Marlúcia Ferreira-Correia, Izabel Cristina da Silva Almeida, Elãine Christine dos Santos Dourado

Resumo


Com o objetivo de caracterizar qualitativamente a comunidade fitoplanctônica da Baía de Turiaçu, foram realizadas amostragens de junho de 2002 a outubro de 2003. Identificou-se 183 táxons, distribuídos em 61 gêneros, 173 espécies, 7 variedades e 3 formas, sendo a Divisão Bacillariophyta o grupo mais representativo em ambos os períodos sazonais. Dentre estas, as famílias Triceratiaceae e Bacillariaceae foram as mais representativas no plâncton. Da mesma forma, tiveram destaque os gêneros Nitzschia, Coscinodiscus e Navicula, sendo que no período de estiagem o gênero Triceratium foi bastante comum. Analisando a riqueza de espécies nas estações de amostragem, verificamos que esta foi menor na estação V, área de maior influência marinha. O dendrograma de similaridade mostrou que, a estação V não apresentou semelhança com os outros pontos de coleta, provavelmente pelas mais peculiares, tais como maior influência marinha e menor riqueza.

 

ABSTRACT

 

Microalgae of the Turiaçu Bay, EPA of the Reentrâncias Maranhenses – a qualitative aspects

 

This study aimed at the qualitative characterization of the phytoplanktonic community of the Turiaçu Bay. Samplings were carried out between June, 2002 and October, 2003. A total of 183 taxa, distributed in 61 genera, 173 species, 7 varieties and 3 forms were identified. The diatoms were the group most representative in both  seasonal periods.  The Triceratiaceae and Bacillariaceae families were most group representative families among the plankton.  Nitzschia, Coscinodiscus and Navicula were most common genera in the dry period; Triceratium was also very common an evaluation of species richness each of the sampling stations, showed that station V(area of a strong marine influence) apresented the lowest values of  cluster analyses confirmed, this station as distinct of the others, probably of its most peculiar conditions, such as sea influence and lower richness.

 

Keywords: Coastal ecosystems, microalgae, qualitative composition.


Palavras-chave


Ecossistemas costeiros, microalgas, composição qualitativa.

Referências


ABREU, P. C.; GRÁNELI, E.; ODEBRECHT, C.; KITZMANN, D.; PROENÇA, L. A. & RESGALLA Jr., C. 1994. Effect of fish and mesozooplankton manipulation on the phytoplankton community in the Patos Lagoon estuary, Southern Brazil. Estuaries, 17: 575-584.

ALMEIDA, P. R. 2003. Feeding ecology of Liza ramada (Risso, 1810) (Pisces, Mugilidae) in a south-western estuary of Portugal. Est. Coast. And Shelf Sc., 57: 313-323.

ANAGNOSTIDIS, K. & KOMÁREK, J. 1988. Modern approach to the classification system of Cyanophytes. 3 – Oscillatorialles. Arch. Hydrobiol. Suppl., 50-53: 327-472.

AYADI, H.; ABID, O.; ELLOUMI, J.; BOUAIN, A. & SIME-NGANDO, T. 2004. Structure of the phytoplankton communities in two lagoons of different salinity in the Sfax saltern (Tunisia). J. Plank. Res., 26 (6): 669-679.

BADYLAK, S. & PHILIPS, E. J. 2004. Spatial and temporal patterns of phytoplankton composition in a subtropical coastal lagoon, the Indian River Lagoon, Florida, USA. J. Plank. Res., 26 (10): 1229-1247.

BARROS-FRANCA, L. M. de 1981. Composição e aspectos ecológicos do fitoplâncton do rio Botafogo (PE). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, 118p.

ESQUINAZI-LEÇA, E.; KOENING, M. L. & SILVA-CUNHA, M. G. G. 2000. O fitoplâncton: estrutura e produtividade. In: BARROS, H. M.; ESKINZI-LEÇA, E.; MACÊDO, S. J. & LIMA, T. (Eds.) Gerenciamento participativo de estuários e manguezais. Recife: Editora UFRPE, 252p.

MARGALEF, R.1958. Information Theory in Ecology. General Systematics. V(3). p.36-71.

HARDING, L. W. 1994. Long-term trends in the distribution of phytoplankton in the Chesapeake Bay: roles of light, nutrients and streamflow. Mar. Ecol. Prog. Ser., 104: 267-291.

JESUS, A. R. de & ODEBRECHT, C. 2002. Impacto da herbivoria do microzooplâncton no fitoplâncton no estuário da lagoa dos Patos (verão). Atlântica, 24 (1): 37-44.

KOENING, M. L., MACÊDO, S. J. & TRAVASSOS, F. A. 1996. Análise ecológica da diatomoflora do estuário do rio Ipojuca (Recife-Pernambuco-Brasil). Arq. Biol. Tecnol., 38 (4): 1071-1083.

KOENING, M. L., ESQUINAZI-LEÇA, E., NEUMANN-LEITÃO, S. & MACÊDO, S. J. 2002. Impactos da construção do porto de Suape sobre a comunidade fitoplanctônica no estuário do rio Ipojuca (Pernambuco-Brasil). Acta Bot. Bras., 16 (4): 407-420.

KOMÁREK, J. & ANAGNOSTIDIS, K. 1989. Modern approach to the classification system of cyanophytes: 4 – Nostocales. Arch. Hydrobiol. Suppl., 82 (3): 247-345.

LACERDA, S. R. 1994. Variação diurna e sazonal do fitoplâncton no Estuário do Rio Paripe (Itamaracá-Pernambuco-Brasil). Dissertação de Mestrado (Universidade Federal de Pernambuco). 120p.

LACERDA, S. R.; KOENING, M. L.; NEUMANN-LEITÃO, S. & FLORES-MONTES, M. J. 2004. Phytoplankton nyctemeral variation at a tropical river estuary (Itamaracá-Pernambuco-Brazil). Braz. J. Biol., 64 (1): 81-94.

LAVÔR-FERNANDES, G. 1988. Microfitoplâncton da Baía de São Marcos (São Luís-MA-Brasil). Guayana, 45 (1-2): 265-274.

MMA. 1998. Caracterização dos ativos ambientais em áreas selecionadas da zona costeira brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

MOREIRA, E. G. 2003. Estrutura da comunidade fitoplanctônica do estuário do rio Anil, exceto Cyanophyta, Ilha de São Luís – MA. Monografia (Curso de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Maranhão). 50p.

MÜLLER-MELCHERS, F. C. & FERRANDO, H. J. 1956. Plancton diatoms of the “toko-maru” voyage (Brazil coast). Bol. Inst. Ocean., 8 (1-2): 111-138.

PANITZ, C. N. M. 1986. Produção e decomposição de serrapilheira no mangue do Rio Itacotumbi, Ilha de Santa Catarina, Florianóplois, Brasil (27º35’S-48º31’W). Tese (Doutorado em Recursos Ambientais, Universidade Federal de São Carlos). 596p.

PARRA, O. O. & BICUDO, C. E. M. 1995. Introduccion a la Biologia y Sistemática de las algas de aguas continentales. 268p.

PATRICK, R. 1967. Diatoms comunities in estuaries. In: LAUFF, G. H. (Ed.) Estuaries. 311-315p.

PRIMER 5 for Windows, versão 5.2. 2001. Playmouth routines in multivariate ecological research.

REBELO-MOCHEL, F. 1996. Mapeamento temático dos manguezais do Estado do Maranhão - Ilha de São Luís e localidade de Parna-Açu. In: REBELO-MOCHEL, F. Estudos ecológicos dos manguezais do Estado do Maranhão. Relatório. p. 9-17p.

ROUND, F. E., CRAWFORD, R. M. & MANN, D. G. 1990. The diatoms, biology and morphology of the genera. New York: Cambridge University Press. 747p.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y. & CINTRÓN, G. 1986. Guia para estudo de áreas de manguezal – floração e flora. Caribbean Ecological Researches. São Paulo. 150p.

THOMAS. C. R. 1997. Identifying marine phytoplankton St. Peternsburg. Florida: Academic Press. 358p.

TUNDISI, J. G. 1986. Estudo ecológicos do fitoplâncton marinho e lacustre do Brasil: situação atual e perspectivas. In: Algas e energia do amanhã. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)