AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA ICTIOFAUNA DA LAGOA DA JANSEN, SÃO LUÍS, MA

Antonio Carlos Leal de Castro, Nivaldo Magalhães Piorski, José de Ribamar Pinheiro Júnior

Resumo


Este trabalho constitui um levantamento da composição espacial da ictiofauna da Lagoa da Jansen, situada no perímetro urbano da região ocidental da Ilha de São Luís (02° 29’ S e 44° 18’ W). A ictiofauna foi capturada utilizando-se redes de emalhar fixa e móvel em seis pontos de amostragem estabelecidos em função da variação de salinidade, fluxo de circulação da água, maré dinâmica e alterações antrópicas no entorno da Lagoa, no período de novembro/98 a dezembro/99. Foram registradas 24 espécies distribuídas entre 19 gêneros e 18 famílias; não sendo observado diferenças na distribuição espacial das espécies ao longo do eixo longitudinal, corpo central e margens da Lagoa. As espécies dominantes foram Mugil curema, Elops saurus e Centropomus paralellus. Sugere-se uma classificação ecológica de peixes, considerando-se o padrão de distribuição espaço-temporal, características reprodutivas e migração, estabelecendo-se três categorias bioecológicas: residentes, transitórias e migradoras/colonizadoras.

 

ABSTRACT

 

Qualitative assessment of  Lagoa da Jansen’s ichthyofauna, São Luís, MA

 

This paper places emphasis on the spatial composition of the ichthyofauna of the Lagoa da Jansen, located in the urban perimeter of the western area of the Island of São Luís (02° 29’ S and 44° 18’ W). The ichthyofauna was captured by using fixed and mobile gillnets in six sampling sites established according to salinity variation, water flow circulation, dynamic tide and human alterations along the bank of the lagoon. The sampling was carried out between november/98 and december/99. Twenty four species were recorded as belonging to 19 genera and 18 families. Differences in the spatial distribution of the species among the longitudinal axis, central body and margins of the lagoon were not observed. Mugil curema, Elops saurus and Centropomus paralellus were the dominant species. An ecological classification for fish species is suggested based on patterns of temporal-spatial distribution, reproductive features and migration. On the basis, of the criteria used the fishes were split in three bioecological categories: residents, transitory and migratory/colonizing.

Key words: ichthyofaunistic composition, temporal-spatial distribution, diversity, trophic composition.


Palavras-chave


composição ictiofaunística, distribuição espaço-temporal, diversidade, composição trófica.

Referências


ÁLVAREZ LEÓN, R. & BLANCO RACEDO, J. 1985. Compçosición de las comunidades ictiofaunísticas de los complejos lagunares estuarinos dde la Bahía de Cartagena, Ciénaga de Tesca y Ciénaga Grande de Santa Marta, Caribe Colombiano. In: YAÑES-ARANCÍBIA, A. (ed.) Fish community ecology in estuaries and coastal lagoons: towards na ecosystem integration. DR (R) UNAM Press, México, 535-556.

CERVIGÓN, F., R. CIPRIANI, W. FISCHER, L. GARIBALDI, M. HENDRICKX, A.J. LEMUS, R. MÁRQUEZ, J.M. POUTIERS, G. ROBAINA and B. RODRIGUEZ, 1992. Fichas FAO de identificación de especies para los fines de la pesca. Guía de campo de las especies comerciales marinas y de aquas salobres de la costa septentrional de Sur América.. FAO, Rome. 513 p

CERVIGÓN, F. 1985. La ictiofauna estuarina delTA DEL Río Orinoco en la costa Atlântica occidental, Caribe. In: YAÑEZ-ARANCIBIA, A. (ed.) Fish community ecology in estuaries and coastal lagoons: towards an ecosystem integration. DR (R) UNAM Press, México, 57-78.

DAHLBERG, M. D. 1972. Na ecological study of Georgia coastal fishes. Fishery Bull. Natn. Mar. Fish. Serv., U. S., 70(2): 323-353.

FIGUEIREDO, J. L. 1977. Manual de peixes marinhos do Sudeste do Brasil. I. Introdução: cações, raias e quimeras. São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, 104p.

FIGUEIREDO, J. L. & MENEZES, N. A. 1978. Manual de peixes marinhos do Sudeste do Brasil. II. Teleostei (1). São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. 110p.

FIGUEIREDO, J. L. & MENEZES, N. A. 1980. Manual de peixes marinhos do Sudeste do Brasil. III. Teleostei (2). São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. 90p.

FIGUEIREDO, J. L. 1981. Estudo das distribuições endêmicas de peixes da Província Zoogeográfica Marinha Argentina. Tese de Doutorado, Instituto de Biociências da USP, São Paulo, 121p.

FIGUEIREDO, J. L. & MENEZES, N. A. 1985. Manual de peixes marinhos do Sudeste do Brasil. V. Teleostei (4). São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. 105p.

FISCHER, W. 1978. FAO especies identification sheets for fishery purposes. Western Central Atlantic (Fishing Area 31). Rome: FAO, v. 1-7.

FRASER, T.H., 1978. Centropomidae. In W. Fischer (ed.) FAO species identification sheets for fishery purposes. West Atlantic (Fishing Area 31). FAO, Rome. Vol. 1-2.

FROTA, L. O. R. & CARAMASCHI, E. P. 1998. Aberturas artificiais da barra da Lagoa Imboassica e seus efeitos sobre fauna de peixes. In: Esteves, F. A. ed. Ecologia das Lagoas Costeiras do Parque Nacional da Restinga Jurubatiba e do Município de Macaé (RJ). NUPEM/UFRJ. Rio de Janeiro. 464p.

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO, 1991. Recuperação ambiental da Lagoa da Jansen. Relatório Preliminar. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Turismo. Sioge.

JURAS, A. A. & MARTINS-JURAS, I.ªG. 1986. Ictiologia da Lagoa da Jansen in LAHOHIDRO/UFMA. Estruturação do LABOHIDRO para levantamento e monitoramento ecológico da Lagoa da Jansen em São Luís, Maranhão. UFMA/LABOHIDRO/DEPTO. BIOLOGIA. São Luís, 87 p (mimeo).

LABOHIDRO, 1985. Estruturação do LABOHIDRO para levantamento e monitoramento ecológico da Lagoa da Jansenem São Luís, Maranhão. UFMA/Departamento de Biologia. São Luís. 95 p.

MONTEIRO, C. C. 1986. Contribuição para o conhecimento das comunidades ictiológicas da ria Formosa. Bol. Inst. Nac. Invest. Pescas, 14: 59-94.

MOYLE, P. B. & CECH, J. J. Jr. 1996. Fishers: An introduction to ichthyology. Prentice-Hall, New Jersey. 3. ed. 590p.

PAIVA FILHO, A. M. 1982. Estudo sobre a ictiofauna do canal dos Barreiros, estuário de São Vicente, SP. Tese de Livre-Docência, Instituto Oceanográfico da USP, São paulo, 189.

PAIVA, M.P. & A.P. DA C. FALCÃO, 2002. Estrutura de cardumes da sardinha-verdadeira, Sardinella brasiliensis (Steindachner, 1879), no estado do Rio de Janeiro (Brasil). Revta bras. Zool. (Supl. 2): 85-92.

PERKINS, E. J. 1974. The biology of estuaries and coastal waters. Academic Press, London , 234p.

POTTER, I. C., CLARIDGE, P. N., HYNDES, G. A. & CLARKE, K. R. 1997. Seasonal, annual and regional variations in ichthyofaunal composition in the inner severn estuary and inner Bristol channel. J. mar. Bio. Ass. u. k., 77: 507-525.

SEMATUR, 1991. Diagnóstico dos principais problemas ambientais do Maranhão. IBAMA/SEMATUR, São Luís. Lithograf, 193 p.

STONER, A. W. 1986. Community structure of the demersal fish especies of Laguna Joyuda, Puerto Rico, Estuaries, 9(2): 142-152.

FRASER, T.H., 1978. Centropomidae.. In W. Fischer (ed.) FAO species identification sheets for fishery purposes. West Atlantic (Fishing Area 31). FAO, Rome. Vol. 1-2.

THOMSON, J.M., 1978. Mugilidae.. In W. Fischer (ed.) FAO species identification sheets for fishery purposes. Western Central Atlantic (Fishing Area 31). Vol. 3. [pag. var.]. FAO, Rome.

UYENO, T., MATSUURA, K., FUJII, E. 1983. Fishes trawled off Suriname and French Guiana. National Science Museum. Japan Marine Fishery Resource Research Center. Tokyo. 519 p.

WARBURTON, K. 1978. Community structure, abundance and diversity of fish in a mexican coastal lagoon system. Estuar. Coast. Mar. Sci., 7: 497-519.

WHITEHEAD, P. J. P. 1978. Clupeidae. In: FISCHER, W. q. v.

WHITFIELD, A. K. 1994. An estuary-association classification for the fishes of southern Africa. South Afr. J. Sci. 90: 411-417.

YAÑEZ-ARANCIBIA, A. 1978. Taxonomia , ecologia y estructura de las comunidades de peces en las lagunas costeras com bocas efímeras del Pacífico de México. Publ. Esp.Centro Cienc. Del Mar y Limnol., Univ. Nal. Auton. México (2): 1-306.

YAÑEZ-ARANCIBIA, A., AMEZCUA-LINARES, F. & DAY , J. W. 1980. Fish community structure and function in Terminos Lagoon, a tropical estuary in Southern of México. In: Estuarine Perspectives. Academic Press Inc. (ed.): 465-482.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)