CARACTERÍSTICAS, OPERACIONALIDADE E PRODUÇÃO DA FROTA SERREIRA NO MUNICÍPIO DA RAPOSA - MA

Elizabeth Galvão Soares, Antonio Carlos Leal de Castro, Milton Gonçalves Silva-Júnior

Resumo


Este trabalho aborda as características, operacionalidade e produção pesqueira da frota serreira, no município da Raposa, no período de março a dezembro de 2003, com desembarques nos portos da Praia da Raposa e Braga. Os dados utilizados são provenientes da Capitania dos Portos do Maranhão, Programa Revizee (Recursos Vivos da Zona Econômica exclusiva) e da comunidade de pescadores do município. Os barcos foram agrupados em duas categorias: pequenos - com comprimento total máximo em torno de 10m; grandes - com comprimento total superior a 10m. Barcos pequenos e grandes operam com autonomia de até 15 dias de mar/mês. Esta frota está composta por 354 embarcações. Definiram-se em função do tamanho, forma e modo de operação 5 tipos de embarcações da frota que são: 1 - biana aberta; 2 - biana fechada; 3 - bote; 4 - casco; 5 - barcos de fibra. Os últimos controles de desembarques no município efetuados nos anos de 1999 e 2000, registraram uma produção média da frota de 9.718,51 ton/ano e 6.549,9 ton/ano, respectivamente.

 

Abstract

 

CHARACTERISTICS, OPERACIONALITY AND FISHING PRODUCTION OF THE SERRA FISHING FLEET, AT THE CITY OF RAPOSA - MA.

 

This work deals with characteristics, operacionality and fishing production of the spanish mackerel fishing fleet, at the city of Raposa, between September and December 2003. The data are from the ports command of Maranhão, of the Revizee program and of the local fisherman community. The boats were grouped into two categories: small - with maximum total lenght about 32,89 feet; big - with maximum lenght above 32,89 feet. Both boats categories show autonomy of up to 15 days at sea  per month. This fleet is composed by 354 vessels. These vessels were defined as: 1 - opened biana; 2 - closed biana; 3 - boat; 4 - ´casco´; 5 - fiber boat. The fleet mean prodution was 9.718 tons/year and 6.549 tons/year relating to 1999 and 2000, respectively.

 

Keywords: mackerel fishing boats,characteristics, operacionality, fishing production, Raposa.

Palavras-chave


barcos serreiros, características, operacionalidade, produção pesqueira, Raposa.

Referências


ALMEIDA, Z. S., CASTRO, A. C. L., PAZ, A. C., RIBEIRO, D., BARBOSA, N. & RAMOS, T. D. 2006. Diagnóstico da pesca no litoral do estado do Maranhão. In: ISAAC, V. J., MARTINS, A. S., HAIMOVICI, M & ANDRIGUETO-FILHO, J. M. (Eds). A pesca marinha e estuarina do Brasil no início do século XXI: Recursos, tecnologias, aspectos socioeconômicos e institucionais. Editora Universitária, Universidade Federal do Pará, Belém, p. 41-65.

ANDRÈS, L. P. C. C. 1998. Embarcações do Maranhão: recuperação das técnicas construtivas tradicionais. São Paulo: Ed. Audichromo. 130p.

CEPENE, 2002. Boletim estatístico da pesca marítima e estuária do Nordeste do Brasil. Tamandaré, PE, 209p.

EMERENCIANO, I. A. A. 1978. A pesca no Maranhão; realidade e perspectivas. Bol. Lab. Hidro; 7 (1): 7 - 53.

FABRE, N. N. & BATISTA, V. S. 1992. Análise da frota pesqueira artesanal da comunidade da Raposa, São Luís, MA. Acta Amazônica, 22 (2): 247-259.

FIALHO, L. C. V. 2002. Diagnóstico da pesca na praia da Raposa. São Luís. Monografia apresentada ao curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Maranhão. 43p.

FONTELES-FILHO, A. A. 1985. Administração dos recursos da pesca e agricultura. UFC, Fortaleza. 181p.

KREJCIE, R. V. & MORGAN, D. W. Educational and psychological measurement, 30: 607 - 610.

LIMA, P. R. S. 2004. colocar dissertação

LUCENA, F., LESSA, R., KOBAYASHI, R. & QUIORATO, A.L. 2004. Aspectos biológicos pesqueiros da serra Scomberomorus brasiliensis, capturada com rede de espera no Nordeste do Brasil. Arq. Ciên. Mar., Fortaleza, 37: 93-104.

PAIVA, M. P. 1997. Recursos pesqueiros estuarinos e marinhos do Brasil. UFC, Fortaleza. 286p.

PAIVA, M. 1981. Recursos pesqueiros marinhos e estuarinos do norte do Brasil. SUDEPE, Brasília. 250p.

Projeto Milênio. 2002. Desenvolvimento de modelos de gestão dos recursos pesqueiros marinhos e estuarinos do Brasil. Instituto do Milênio em Ciência e Tecnologia do Mar.

SILVA, J. R. C. 1980. Aspectos conjunturais da pesca maranhense. São Luís, 50p.

STRIDE, R. K. 1992. Diagnóstico da pesca artesanal marinha do Estado do Maranhão. São Luís: CORSUP/EDUFMA. 205p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)