TAXONOMIA DAS MACROALGAS DOS MANGUEZAIS DA BAÍA DE TURIAÇU, ESTADO DO MARANHÃO, BRASIL

Elenice de Oliveira Caridade, Maria Marlúcia Ferreira-Correia

Resumo


As macroalgas de ambiente estuarino têm uma função primordial na manutenção da vida deste ambiente, pois mantém protegida entre seus filamentos uma fauna bastante diversificada, servindo de alimento para muitos animais herbívoros e local de reprodução para diversas espécies de organismos aquáticos, contribuindo significativamente para elevar a biodiversidade marinha e estuarina. Devido ao papel de grande importância ecológica das macroalgas nesse ecossistema, esse trabalho tem o objetivo de ampliar o conhecimento e a distribuição das macroalgas dos manguezais do Estado do Maranhão. No período de novembro de 2001 a fevereiro de 2003 foram realizadas coletas de macroalgas bentônicas na Baía de Turiaçu-MA em quatro pontos de amostragens distribuídos ao longo da Baía. O material foi coletado manualmente ou com o auxílio de uma espátula metálica e os espécimes foram acondicionados em frascos plásticos contendo solução de formalina 4% etiquetados e transportados ao laboratório. Foram identificados 9 táxons de algas, dentre estas 3 Chlorophyta (33%) e 6 Rhodophyta (67%), pertencentes às famílias: Cladophoraceae, Siphonocladaceae, Rhodomelaceae, Delesseriaceae e Rhabdoniaceae. Bostrychia foi o gênero mais representativo com 3 espécies, seguido de Rhizoclonium com 2 espécies. A composição florística das macroalgas aderidas em troncos, pneumatóforos e rizóforos de Rhizophora mangle Linnaeus e Avicennia germinans Jacq. dos manguezais de Turiaçu é semelhante às de outros manguezais da costa brasileira e do mundo.

ABSTRACT

 

TAXONOMY OF THE macroalgae OF THE mangroves OF THE BAY OF TURIAÇU, STATE OF MARANHÃO, BRAZIL.

The marine algae of an estuarine environment have a primordial function in the maintenance of life in this environment, since they keep protected among their filaments a well-diversified fauna. Moreover, they serve as food for many herbivore animals, and as sites for reproduction of diverse species of aquatic organisms, contributing significantly to the increase of sea and estuarine biodiversity. Due to the great ecological importance of the role of the marine algae in this ecosystem, the objective of this study is to extend the knowledge of and the distribution of the marine algae of the mangrove forests in the State of Maranhão. In the period of November 2001 to February 2003 bentonic marine algae collections were carried out in the Bay of Turiaçu-MA in four samplings points distributed throughout the Bay. The material was collected manually or with the aid of a metallic spatula and the specimens were stored in plastic bottles with a 4% formalin solution which were then labelled and transported to the laboratory.  A total of nine taxa marine algae, were identified amongst these: 3 Chlorophyta (33%) and 6 Rhodophyta (67%), pertaining to the families Cladophoraceae, Siphonocladaceae, Rhodomelaceae, Delesseriaceae and Rhabdoniaceae. Bostrychia was the most represented genus with 3 species, followed by Rhizoclonium with 2 species. The floristic composition of the marine algae adhered in trunks, pneumatophores and rhizophores of Rhizophora mangle Linnaeus e Avicennia germinans Jacq. of the mangrove forests of Bay of Turiaçu is similar to other mangrove forests of the Brazilian coast as well as throughout the world.

 

Keywords: Taxonomy, macroalgae, mangrove, bay of Turiaçu.

Palavras-chave


Taxonomia, macroalgas, manguezal, Baía de Turiaçu

Referências


ARAÚJO, M.S.B. 1993. Clorofíceas bentônicas do litoral do Estado do Rio Grande do Norte (Brasil). Dissertação (Mestrado em Botânica)-Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife. 278p.

BAPTISTA, L.R.M. 1974. Flora Marinha de Torres (Rio Grande do Sul). Bol. Inst. Biociências, 37 (27): 1-244. série Botânica, Porto Alegre.

CAMARGO, T.M., 1982. Comunidades naturais de raízes de mangue vermelho (Rhizophora Mangle L.) e experimentos com substratos artificiais na região de Cananéia, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia)-Universidade de São Paulo, São Paulo. 82p.

CASTRO, A.J.V. 2001. Estrutura e recolonização das microalgas aderidas em pneumatóforos de um manguezal da Ilha de São Luís-Maranhão: Período de estiagem. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas)-Universidade Federal do Maranhão, São Luís. 32p.

CINTRÓN, G. & SCHAEFFER-NOVELLI, Y. 1992. Ecology and management of New World mangroves, In: Coastal plant communities of Latin America, Seeliger, U. San Diego: Academic Press. 258p.

COÊLHO, K.K.F. 2001. Estrutura e recolonização das macroalgas aderidas em pneumatóforos de um manguezal da Ilha de São Luís-Maranhão: Período de estiagem. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas)-Universidade Federal do Maranhão, São Luís. 28p.

CORDEIRO-MARINO, M. 1978. Rodofíceas Bentônicas marinhas do Estado de Santa Catarina. Rickia, 7: 1-243.

CORDEIRO-MARINO, M., BRAGA, M.R.A., ESTON, V.R., FUJII, M.T. & YOKOYA, N.S. 1992. Mangrove macroalgal communities of Latin America: the state of art and perspectives. In: Coastal Plant Communities of Latin America. New York: Academic Press, p.51-64.

CUTRIM, M.J.V. 1998. Distribuição espaço-temporal de macroalgas em tronco e pneumatóforos de Avicennia germinans L. Stearn em duas áreas de mangues da Ilha de São Luís. Tese (Doutorado em Ciências)-Universidade de São Paulo, São Paulo. 246p.

CUTRIM, M.V.J., SILVA, E.F.da & AZEVEDO, A.C.G. de 2004. Distribuição Vertical das Macroalgas Aderidas em Rizóforos de Rhizophora mangle Linnaues nos Manguezais de Parna-Açu e Tauá-Mirim (Ilha de São Luís/MA-Brasil). Bol. Lab. Hidrobiol., 17: 9-18.

ESTON, V.R., YOKOYA, N.S., FUJII, M.T., BRAGA, M.R.A. & CORDEIRO-MARINO, M.; 1991. Mangrove macroalgae in the southeastern Brazil: spatial and temporal patterns. Rev. Bras. Biol., 51(4): 829-837.

ESTON, V.R., BRAGA, M.R.A., CORDEIRO-MARINO, M., FUJII, M.T. & YOKOYA, N.S. 1992. Macroalgal colonization patterns on artificial substrates inside southeastern Brazilian mangroves. Aquatic Botany, 42: 315-325.

FERREIRA-CORREIA, M.M. & BRANDÃO, M.D.S. 1974. Flora ficológica marinha da ilha de São Luís (Estado do Maranhão, Brasil). Chlorophyta. Arq. Cienc. Mar, 14(2): 67-70.

FERREIRA-CORREIA, M.M., LOPES, M.J.S. & BRANDÃO, M.D.S. 1977. Levantamento das algas marinhas bentônicas da Ilha de São Luís (Estado do Maranhão-Brasil). Bol. Lab. Hidrobiol.,1(1): 2-46.

FERREIRA-CORREIA, M.M., 1983. Rodofíceas marinhas bentônicas do litoral oriental do Estado do Maranhão. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas)-Instituto de Biociências, Rio Claro. 226p.

FERREIRA-CORREIA, M. M., 2001. Macroalgas associadas à vegetação de mangue na Ilha de São Luís-MA. In: Degradação dos manguezais na Ilha de São Luís/MA: Processos naturais e impactos antrópicos. Unesco/SCI. p.118-119.

FONTES, K.A.A. 2002. Sucessão de macroalgas em substrato artificial no manguezal de Parna-Açu, São Luís, MA. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas)-Universidade Federal do Maranhão, São Luís. 20p.

FORTES, A.C.M. 1992. Estudo taxonômico e aspectos ecológicos das Rhodophyta no manguezal da Ilha de Santos (Complexo estuarino Paiuí-Fundo-Real, Sergipe). Dissertação (Mestrado em Botânica)-Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.112p.

HADLICH, R.M. 1984. Contribuição ao levantamento taxonômico das algas marinhas bentônicas do mangue de Itacorubi-Florianópolis-Ilha de Santa Catarina-Brasil I Chlorophyta. Insula, 14: 121-138.

HERZ, R. 1991. Manguezais do Brasil. São Paulo: Instituto Oceanográfico. 233p.

KANAGAWA, A.I. 1984. Clorofíceas marinhas bentônicas do estado da Paraíba-Brasil. Tese (Doutorado em Ciências)-Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. 470p.

KARSTEN, T.M., SAWALL, T. WEST, J. & WIENCKE, C. 2000. Ultraviolet sunscreen compounds in epiphytic red algae from mangroves. Hydrobiol., 432: 159-171.

KING, R.J. 1990. Macroalgae associated with the mangrove vegetation of Papua New Guinea. Bot. Marina, 33(1): 55-62.

MIRANDA, P.T.C. 1986. Composição e distribuição das macroalgas bentônicas no manguezal do Rio Ceará (Estado do Ceará - Brasil). Dissertação (Mestrado em Oceanografia)-Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 124p.

MIRANDA, P.T.C., GURGEL, F. F.G., LIBERATO, M.A.F., OLIVEIRA, M.T. & ARRUDA, T. L. B. 1988. Comunidade bentônicas em raízes de Rhizophora mangle L., no manguezal do rio Ceará (Ceará-Brasil). Arq. Cien. Mar, 27: 101-110.

NEDWELL, D.B., SAGE, A.S. & UNDERWOOD, G.J.C. 2002. Rapid assessment of macroalgal cover on intertidal sediments in a nutrified estuary. The Science of the Total Environment, 285: 97-105.

NOGUEIRA, N.M.C., 1991. As algas de mangue na feição Rhizophoretum nos estuários dos Estreitos dos mosquitos e dos Coqueiros, na Ilha de São Luís-MA. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas)-Universidade Federal do Maranhão, São Luís. 58p.

NOGUEIRA, N.M.C. & FERREIRA-CORREIA, M.M. Cyanophyceae/Cyanobacteria in red mangrove forest at Mosquitos and Coqueiros estuaries, São Luís, State of Maranhão, Brazil. Braz. J. Biol., 6(3): 347-356.

ODUM, E. P. 1988. Ecologia. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan. 434p.

OLIVEIRA, N., 1984. Brazilian mangal vegetation with special emphasis on the seaweeds. In: Hidrobiology of the mangal - The Ecosystem of the Mangrove Forest. The Hague, p. 56-65.

PACHÊCO, C.M., 1994. Estudo taxonômico das macroalgas bentônicas de manguezais da Ilha de São Luís-MA. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas)-Universidade Federal do Maranhão, São Luís. 67p.

PANITZ, C.N.M. 1986. Produção e decomposição de serrapilheira no mangue do Rio Itacotumbi, Ilha de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil (27º35’S-48º31’W). Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais)-Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 601p.

PAULA, E.J., UGADIM, Y. & KANAGAWA, A.J. 1989. Macroalgas de manguezais da Ilha de Maracá-Estado do Amapá, Brasil. Insula, 19: 95-114.

PEDRINI, A.G. 1980. Algas marinhas bentônicas da Baía de Sepetiba e arredores (Rio de Janeiro). Dissertação (Mestrado em Botânica)-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 150p.

PEDROCHE, F.F., WEST, J.A., ZUCCARELLO, G.C., SENTIES, G.A. & KARSTEN, U. 1995. Marine red algae of the mangroves in Southern Pacific México and Pacific Guatemala. Bot. Mar., 38: 111-119.

PINHEIRO-JOVENTINO, F. & LIMA-VERDE, N.G. 1988. Ocorrência e distribuição de macroalgas no Estuário do Rio Cocó, Fortaleza, Brasil. Arq. Cien. Mar, 27: 83-89.

PHILLIPS, A., LAMBERT, G., GRANGER, J.E. & STEINKE, T.D. 1996. Vertical zonation of epiphytic algae associate with Avicennia marina (Forssk.) pneumatophores at Beachwood Mangrove Nature Reserve, Durban, South Africa. Bot. Marina, 39: 167-175.

REBELO-MOCHEL, F. 1996. Caracterização Espectral e Mapeamento dos Manguezais por Sensoriamento Remoto na Baía de Turiaçu, MA. Tese (Doutorado em Geociências)-Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro. 147p.

SANTOS A.P. 1983. Clorofíceas marinhas do estado de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Botânica)-Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. 166p.

SILVA, E.F. 1998. Distribuição vertical das macroalgas aderidas em rizóforos de Rhizophora mangle Linnaeus dos manguezais da Ilha de São Luís-MA. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas)-Universidade Federal do Maranhão, São Luís. 38p.

SHAEFFER-NOVELLI, Y. & CINTRÓN, G. 1986. Guia para estudo de áreas de manguezal- Função e Flora. Caribbean Ecological Research. São Paulo. 150p.

TAYLOR, W.R. 1931. A synopsis of the marine algae of Brazil. Rev. Algol., 5 (3-4): 279-313.

TAYLOR, W.R. 1959. Association algales dês mangroves d’Amèrique. Colloques internationals C.N.R.S., 81: 143-152.

WEST, J.A. & ZUCARELLO, C.G. 1999. Biogeography of sexual and sexual population in Bostrychia moritziana (Rhodomelaceae, Ceramiales) in laboratory culture. Phycological Research, 49: 285-297.

WEST, J.A., HOMERSAND, M. & ZUCARELLO, G.C. 2001. Morphology and reproduction of Bostrychia pinnata (Rhodomelaceae, Ceramiales) in laboratory culture. Phycological Research, 49: 285-297.

WYNNE, M.J. 2005. A checklist of benthic marine algae of the tropical and subtropical Western Atlantic: second revision. Beiheft: J. Cramer, 147p.

ZUCARELLO, G.C., YEATS, P., WRIGHT, J.T. & BARTLETT, J. 2001. Population structure and physiological differentiation of haplotypes of Caloglossa leprieurii (Rhodophyta) in a mangrove intertidal zone. Journal Phycology, 37: 235-244.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)