COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DAS MATAS DE ATERRADOS DO LAGO FORMOSO NO MUNICÍPIO DE PENALVA, BAIXADA MARANHENSE, AMAZÔNIA LEGAL BRASILEIRA

Naíla Arraes de Araujo, Claúdio Urbano Bittencourt Pinheiro

Resumo


Na região da Baixada Maranhense, particularmente no município de Penalva, os Aterrados estão presentes é um tipo de vegetação não descrita ainda na literatura, que se forma em águas paradas, possui substrato formado pelo acúmulo continuado de matéria orgânica e que sustenta espécies vegetais de áreas inundáveis. A presente pesquisa teve como objetivo realizar levantamento florístico por meio de amostragem fitossociológica para caracterização da vegetação dos Aterrados do lago Formoso, Penalva, Maranhão. Para isto foram amostradas 25 parcelas, de 10 x 20 m (200m2), nos Aterrados para destacar os caracteres quantitativos e qualitativos das espécies vegetais principais nesses pontos. Parcelas foram locadas para levantamento e registro das espécies, número de indivíduos, estágios sucessionais e estado de conservação. Foram levantados 4.074 indivíduos de 18 espécies e 15 famílias. Os dados foram analisados com o uso dos programas JMP e MATA NATIVA. Os índices utilizados foram de Shannon-Wiener (H’), Simpson (C), Pielou (J’) e Coeficiente de Mistura de Jentsch (QM). E para análise da estrutura horizontal: Frequência, Densidade, Dominância, Valor de Importância (VI) e Valor de Cobertura (VC) das espécies vegetais nos Aterrados. Valores obtidos para os índices calculados foram relativamente baixos, quando comparados a outros estudos. Os VI e VC foram maiores nos Aterrados Flutuantes para a Juçara e, nos Aterrados fixos para a Castanheira do Aterrado. Os resultados mostram que, apesar de terem sofrido com recente perturbação, os Aterrados se encontram conservados se levado em consideração o número de indivíduos adultos sobre os jovens.  
Palavras-chave: composição florística, fitossociologia, matas de Aterrados, Penalva, Baixada Maranhense.

Abstract

Composition floristic and phytosociology of Aterrados Forest of lake Formoso in the city of Penalva, Baixada Maranhense, Brazilian Legal Amazon.

In the region of Baixada Maranhense, particularly in the city of Penalva, the Aterrados are present and a vegetation type not yet described in the literature, which is formed in standing water, has continued substrate formed by the accumulation of organic matter that supports plant species the wetlands. This research aimed to achieve through floristic phytosociological sampling to characterize the vegetation of the Aterrados in the lake Formoso, Penalva, Maranhão. To this end we sampled 25 plots of 10 x 20 m (200m2), in Aterrados to highlight the qualitative and quantitative traits of plant species on these main points. Plots were located to survey and record of the species, number of individuals, successional stages and conservation status. Were surveyed 4,074 individuals of 18 species and 15 families. Data were analyzed using the JMP and native programs. The indices used were the Shannon-Weaver (H ‘), Simpson (C), Pielou (J’) and coefficient of mixture Jentsch (QM). And for horizontal structure analysis: Frequency, Density, Dominance, Importance Value (VI) and covering value (CV) of plant species in Aterrados. Values ​​obtained for the calculated rates were relatively low compared to other studies. The VC and VI were higher in Aterrados Floating for Juçara and, in Aterrados Fixed for Castanheira do Aterrado. The results show that, despite having suffered a recent disturbance, Aterrados are kept is taken into account the number of adults on young people.

Keywords: floristic composition, phytosociology, forest of Aterrados, Penalva, Baixada Maranhense.


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, S. S. de.; Amaral, D. D. do. e Silva, A. S. L. da. 2004. Análise florística e estrutura de florestas de várzea no estuário amazônico. Acta Amazônica, 34: 513-524.

Araujo, N. A. 2008. Relações ecológicas entre a fauna ictiológica e a vegetação ciliar da região lacustre do baixo Pindaré na Baixada Maranhense e suas implicações na sustentabilidade da pesca regional. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade de Ecossistemas. Universidade Federal do Maranhão. 121 p.

Araujo, R. de A.; Costa, R. B. da.; Felfili, J. M.; Gonçalvez, I. K.; Sousa, R. A. T. de. M. e Dorval, A. 2009. Florística e estrutura de fragmento florestal em área de transição na Amazônia Matogrossense no município de Sinop. Acta Amazônica, 39: 865-877.

Baptista, C. P. B. 2007. O uso e a percepção ambiental de areas úmidas por uma população ribeirinha na bacia hidrográfica do rio Taquari-Antas, Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Bilogia. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. 72p.

Barros, A. V.; Barros, P. L. C.; Silva, L. C. B. 2000. Estudo da diversidade de espécies de uma floresta situada em Curuá-Una - Pará. Revista de Ciências Agrárias, 34: 49-65.

Battilani, J. L.; Scremim-Dias, E.; Souza, A. L. T. de. 2005. Fitossociologia de um trecho da mata ciliar do rio da Prata, Jardim, MS, Brasil. Acta Botânica Brasílica, 19: 597-608.

Bertani, D. F.; Rodrigues, R. R.; Batista, J. L. F.; Shepherd, G. J. 2001. Análise temporal da heterogeneidade florística e estrutural em uma floresta ribeirinha. Revista Brasileira de Botânica, 24: 11-23.

CIENTEC. 2006. Programa Mata Mativa - Sistema para Análise Fitossociológica E Elaboraçãode Inventários e Planos de Manejo de Florestas Nativas. UFES, UFV, UFRPE.

Diniz, K. S.; Scudeller, V. V. 2005. Estrutura fitossociológica de uma floresta de terra firme na Amazônia Central, p. 155-167. In: Santos-Silva, E. N.; Aprile, F. M.; Scudeller, V. V.; Melo, S. (Orgs.). Diversidade biológica e sociocultural do baixo rio Negro, Amazônia Central. Editora INPA, Manaus.

Espirito-Santo, F. D. B.; Shimabukuro, Y. E.; Aragao, L. E. O. e C. de.; Machado, E. L. M. 2005. Análise da composição florística e fitossociológica da Floresta Nacional do Tapajós com o apoio geográfico de imagens de satélites. Acta Amazônica, 35: 155-173.

Felfili, J. M. e Fagg, C. W. 2007. Floristic composition, diversity and structure of the “cerrado” sensu stricto on rocky soils in northern Goiás and southern Tocantins, Brazil. Revista Brasileira de Botânica, 30: 375-385.

Ferreira Junior, E. V.; Soares, T. S. Costa, M. F. F. da. e Silva, V. S. M. 2008. Composição, diversidade e similaridade florística de uma floresta tropical semidecídua submontana em Marcelândia, MT. Acta Amazônica, 38: 673-679.

Gonçalves, F. G. e Santos, J. R. dos. 2008. Composição florística e estrutura de uma unidade de manejo florestal sustentável na Floresta Nacional do Tapajós, Pará. Acta Amazônica, 38: 229-244.

Guarino, E. de. S. G.; Walter, B. M. T. 2005. Fitossociologia de dois trechos inundáveis de matas de galeria no Distrito Federal, Brasil. Acta Botânica Brasílica, 19: 431-442.

Kunz, S. H.; Ivanauskas, N. M.; Martins, S. V.; Silva, E. e Stefanello, D. 2008 Aspectos florísticos e fitossociológicos de um trecho de Floresta Estacional Perenifólia na Fazenda Trairão, Bacia do rio das Pacas, Querência-MT. Acta Amazônica, 38: 245-254.

Lima, M. S. de; Damasceno-Júnior, G. A. e Tanaka, M. O. 2010. Aspectos estruturais da comunidade arbórea em remanescentes de floresta estacional decidual, em Corumbá, MS, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, 33: 437-453.

Marinho-Filho, J.; Gastal, M. L. 2001. Mamíferos das matas ciliares dos cerrados do Brasil Central. p. 209-221. In: Rodrigues, R. R.; Leitão Filho, H. F. (Orgs.) Matas ciliares: conservação e recuperação. 2ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp.

Martini, A. M. Z. 2002. Estrutura e composição da vegetação e chuva de sementes em sub-bosque, clareiras naturais e área perturbada por fogo em floresta tropical no sul da Bahia. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em em Ecologia. Universidade Estadual de Campinas. 150p.

Milliken, W. 1998. Structure and composition of one hectare of Central Amazon terra firme Forest. Biotropica, 30: 27-38.

Oliveira-Filho, A. T. 1994. Estudos ecológicos da vegetação como subsídios para programas de revegetação com espécies nativas: uma proposta metodológica. Revista Cerne, 1: 64-72.

Oliveira, A. N.; Amaral, I. L. 2004. Florística e fitossociologia de uma floresta de vertente na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 34: 21-34.

Oliveira, A. N. de. e Amaral, I, L. do. 2005. Aspectos florísticos e ecológicos de um sub-bosque de terra firme na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazônica, 35: 1-16.

Pereira, Z. V.; Sciamarelli, A.; Gomes, C. F.; Lobtchenko, G.; Gomes, M. E. S. 2007. Estrutura fitossociológica do estrato arbustivo-arbóreo de um fragmento de floresta estacional semidecídua, no município de Dourados, MS. Revista Brasileira de Biociências, 5: 72-74.

Pinheiro, K. A. O.; Carvalho, J. O. P. de.; Quanz, B.; Francez, L. M. de. B.; Schwartz, G. 2007. Fitossociologia de uma área de preservação permanente o leste da Amazônia: indicações de espécies para recuperação de áreas alteradas. Revista Floresta, 37: 175-187.

RAMSAR, 1971. (http://www.ramsar.org). Acesso em: 22/08/2010.

Rodrigues, R. R. 2001. Uma discussão nomenclatural das formações ciliares. p. 91-100. In: Rodrigues, R. R.; Leitão Filho, H. F. (Eds.) Matas ciliares: conservação e recuperação. 2ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp.

Roth, P. G.; Scott, D. A. A avifauna da Baixada Maranhense. 1987. In: BRASIL.Secretaria Especial de Meio Ambiente/ Internacional Waterfowl Research Bureau-IWRB/ Companhia Vale do Rio Doce. Desenvolvimento econômico–impacto ambiental em áreas de trópico úmido brasileiro: a experiência CVDR. p. 117-128. Anais. Rio de Janeiro.

Sanchez, M.; Pedroni, F.; Leitão-Filho, H. F.; Cesar, O. 1999. Composição florística de um trecho de floresta ripária na Mata Atlântica em Picinguaba, Ubatuba, SP. Revista Brasileira de Botânica, 22: 31-42.

SAS Institute. 1995. JMP Statistics and Graphics Guide, Version 3.2.6. (computer software and manual). Cary, North Carolina.

Silva, K. E. da.; Matos, F. D. de. A. e Ferreira, M. M. 2008. Composição florística e fitossociologia de espécies arbóreas do Parque Fenológico da Embrapa Amazônia Ocidental. Acta Amazônica, 38: 213-222.

Souza, M. O. de. 2010. Sustentabilidade das formas de uso e manejo de matas ciliares na área lacustre de Penalva, Baixada Maranhense. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade de Ecossistemas. Universidade Federal do Maranhão. 107 pp.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)