MASSA D’ÁGUA DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MARANHÃO, DURANTE O PERÍODO SECO (NOVEMBRO, 1997)

Paulo Henrique Parente Pontes, Maâmar El-Robrini

Resumo


A massa d’água da plataforma continental do Maranhão foi  identificada a partir de dados de temperatura e salinidade da coluna d´água. Estes parâmetros foram medidos em 25 estações oceanográficas, distribuídas ao longo de 6 perfis perpendiculares ao litoral ocidental do Maranhão e Golfão Maranhense. As campanhas oceanográficas foram realizadas em novembro de 1997 (descarga mínima do rio Mearim) a bordo do navio oceanográfico Antares (Marinha do Brasil), durante a Operação Norte II do Programa REVIZEE. O trabalho enfocou: (1) a distribuição horizontal e vertical da temperatura e salinidade da água; (2) a identificação e caracterização da massa de água ocorrente na plataforma continental do Maranhão. A aquisição dos dados de temperatura e salinidade foi feita através do CTD. Os resultados mostram que a temperatura e a salinidade variam muito pouco neste período (variação máxima de 2,1°C e 1,07, respectivamente), demonstrando que as águas nesta plataforma são bem misturadas, sem presença da termoclina e a massa d’água predominante é a Água Tropical.

Palavras-chave: Plataforma Continental do Maranhão, massa d´água, rio Mearim, REVIZEE.

Abstract

Water mass in the Maranhão continental shelf, during the dry period  (November, 1997)

The oceanic layer of the Maranhão Continental Shelf was identified with temperature and salinity data of the water column. These parameters had been measured in 25 oceanographical stations, distributed throughout 6 perpendicular profiles to the western coast ad Gulf of the Maranhão State. The Northern Operation II cruise of the REVIZEE Program were executed during the low river discharge (november 1997) on board the ¨Antares¨ ship (Brazilian navy). this study it focuses: (1) the horizontal and vertical distribution of the the temperature and salinity of the water; (2) the identification and characterization of the oceanic layers of the Maranhão continental shelf. The acquisition of the data of temperature and salinity was made through the CTD. The results show that the temperature and the salinity vary very little in this period (maximum variation of 2,1°C and 1,07, respectively), demonstrating that the waters in this shelf are well-mixed, without presence of the termoclina and the predominant mass d’água is the Tropical Water.

Key words: Maranhão Continental Shelf, water layer, Mearim river, REVIZEE Program.


Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Recursos hídricos superficiais - MA. 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 mai. 2007.

BRASIL. MARINHA. Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN). 1989. Operação PAVASAS I, costa norte: oceanografia física, química, biológica e geológica. 135º Comissão Oceanográfica. 28 p.

CURTIN, T.B. 1986. Physical observation in the plume region of the Amazon river during peak discharge - II Water Masses. Continental Shelf Research. (6): 1-2: 53-72.

EL-ROBRINI, M. 1990. Evidence of an estuarine zone in the Pará-Maranhão shelf. Quaternary Shoreline. La Plata, Argentina, p.23.

EMÍLSSON, I. 1961. The shelf and coastal waters off southern Brazil. Boletim do Instituto Oceanográfico de São Paulo. (11): 101-112.

FRAZÃO, E.P. 2001. Estudo dos parâmetros físicos de temperatura e salinidade na plataforma continental do Maranhão entre as latitudes de 0°80’ S e 2°20’ S e longitudes de 44°40’ W e 43°25’ W: “uma análise ambiental”. Trabalho de Conclusão de Curso. 87 p.

LINHARES, V.P. 1995. Circulação e massas de água na plataforma continental externa Amazônica. São Paulo. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado). 191 p.

NESHYBA, S. 1987. Oceanography: perspectives on a fluid Earth. 1 ed. Toronto. John Wiley & Sons. 506 p.

PAIVA, R.S. 2001. Parâmetros físicos, químicos, biomassa e produção primário do fitoplâncton na plataforma continental Amazônica. São Paulo. Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Tese (Doutorado). 153 p.

PATCHINEELAM, S.M. 2004. Circulação oceânica. In: NETO, B.A.J.; PONZI, V.R.A.; SICHEL, S.E. (org.) Introdução à geologia marinha. Rio de Janeiro. Ed. Interciência. p. 153-173.

SANTOS, M.L.S. 2000. Influência dos rios Amazonas e Pará sobre a biomassa fitoplanctônica. Recife. Universidade Federal de Pernambuco. Departamento de oceanografia. Dissertação (Mestrado). 105 p.

SILVA, L.C.F. et al. 1984. Gabarito tentativo para as massas de água da costa sudeste brasileira. Anais Hidrográficos. (41): 261-312.

SILVEIRA, I.C.A. da et al. 1994. On the origins of the North Brazil Current. Journal of Geophysical Research. ( 99): C11, 22501-22512.

SVERDRUP, H.U. et al. 1942. The oceans, their physics, chemistry and general biology. New York. Prentice-Hall. 1087 p.

THOMSEN, H. 1962. Masas de agua características del Oceano Atlântico. Secretaria de Marinha, Pub.H-632. 27 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)