TAMANHO E IDADE DE PRIMEIRA MATURAÇÃO DO SERRA, Scomberomorus brasiliensis (OSTEICHTHYES ; SCOMBRIDAE - Collette Russo & Zavalla-Camin, 1978) NO LITORAL OCIDENTAL DO MARANHÃO - BRASIL

Paulo Roberto Sousa Lima, Rosângela Lessa, Antônio Carlos Leal de Castro, James Werllen de Jesus Azevedo

Resumo


O tamanho e idade de primeira maturação da serra Scomberomorus brasiliensis do Litoral Ocidental Maranhense (latitude 1020´S - 2032´S e longitude 44018´W - 45020´W ) foi determinada através da distribuição de freqüência dos indivíduos adultos em classe de comprimento total. O tamanho de primeira maturação (L50) foi considerado como aquele no qual 50% dos indivíduos da população estão aptos a iniciarem o ciclo reprodutivo, enquanto que a idade foi obtida a partir do L50 e dos parâmetros de crescimento conhecidos para a espécie. O comprimento zoológico médio na qual todos os indivíduos estão em condições de participar do processo reprodutivo, correspondente à frequência de 100%, foi estimada gráfica e analiticamente. O tamanho de primeira maturação gonadal foi estimada em comprimento zoológico de 41,1 cm para as fêmeas e 44,3 cm para os machos (3 e 3,4 anos de idade, respectivamente. A partir de 43,0 cm e 46,2 cm de comprimento total, para fêmeas  e machos, respectivamente, 100% dos indivíduos estão aptos a se reproduzirem.

Palavras-chave: tamanho, idade, maturação gonadal, Scomberomorus brasiliensis.

ABSTRACT

Growth and first sexual matyration size of Scomberomorus brasiliensis (OSTEICHTHYES; SCOMBRIDAE - Collette Russo & Zavalla-Camin,1978) on the Maranhão coast west - Brazil


The size and age of the first gonadal maturation of Scomberomorus brasiliensis (latitude 1020´S; 2032´S e longitude 44018´W ; 45020´W )were determined from the distribution of the relative frequency of adult indivíduals arranged in classes of total length. The size of the first maturation (L50) was considearad as the point in which 50% of the individuals of the population were able to begin their reproductives cycle, while the age was based on L50 and on growth parameters estimated for this spacies. The total mean length, by which all individuals were able to take part in the reproductive process (corresponding to a frequency of 100%), was graphically and analytically estimated. Results indicated that the size of first gonadal maturation was 41,1 cm for females and 44,3 cm for males. All individuals were considered ready for reproduction when they reached 43,0 cm (females) and 46,2 cm (males). It is concluded that individuals reach their first gonadal maturation when they are, on average, 3,0 and 3,4 yearrs old, respectively, for females and males.

Key-word: size, age, gonadal maturation, Scomberomorus brasiliensis.


Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA-FILHO, P. 1977. Sobre a reprodução e fecundidade do serra, Scomberomorus maculatus (Mitchill), no Estado do Ceará. Arq. Ciên. Mar, Fortaleza, 12 (2): 117-122.

CARVALHO FILHO, A. 1999. Peixes da Costa brasileira. São Paulo, ED. Melro, 320 pp.

COLLETE, B.B. & C. E. NAUEN. 1983. FAO SPECIES CATALOG. VOLUME 2.2 Scombrids of the words. An annotated and illustrated catalog of tunas, mackerels, bonitos and related species know to date. FAO FISH. Synop.: 137 pp.

COLLETE, B. B., RUSSO, L. J. & ZAVALA-CAMIN, (1978) A.L. Scomberomorus brasiliensis, a new of spanish mackerel from the western atlantic. Fishery Bulletin: Vol. 76, NO. 1.

ESTATPESCA (1990-2000). Boletim estatístico da pesca matítima e sestuarina do Nordeste do Brasil. Centro de Pesquisa e Extensão Pesqueira do Nordeste (CEPNOR). Tamandaré-PE.

ESTATÍSTICA DA PESCA 2000. disponível em http//www.pescabrasil.com.br, acesso em 20 dez.2003.

FONTELES-FILHO, A. A. 1989. Recursos pesqueiros : Biologia e dinâmica populacional. Imprensa Oficial do Ceará Fortaleza, 296 pp.

MENDES, P.P., 1999. Estatística aplicada à aqüicultura, Recife: Bagaço, 265 pp.

MOTA ALVES, M.I. & TOMÉ, G.S., 1968. Observações sobre o desenvolvimento maturativo da gônadas da serra, Scomberomorus maculatus (Mitchill, 1815). Arq. Est. Biol. Mar. Univ. Fed. Ceará, 8(1):25-30.

SANTOS, E. P. 1978. Dinâmica de populações aplicada a pesca e piscicultura. Hucitec. EDUSP : São Paulo. 129 pp.

STEARNS, S. C & CRANDALL. R. E. 1984. Plasticity for age and size at sexual maturity: a life-histoty response to unavoidable stress. In: POTTS, G,: WOOTTON, R. J. (eds.) Fish reproduction: strategies an tactics. London, Academic Press, p. 14-33.

STRIDE, R.K. 1992. Diagnóstico da pesca artesanal marinha do Estado do Maranhão. CORSUP/EDUFMA, São Luís, 205 pp.

VAZOOLER, A.E.A.M, 1996. Biologia da reprodução de peixes teleósteos: teoria e prática, Maringá: EDUEM; São Paulo: SBI., 169 pp.

VAZOOLER, A.E.A.M., AGOSTINHO, A.A. & SUZUKI, H.I. 1991. Estimativa de L50 e L100 para 80 espécies de teleósteos do Alto rio Paraná. In: ENCONTRO Brasileiro de Ictiologia, 9. Resumos. Maringá, Universidade Estadual de Maringá, p.55.

WOOTTON, R. J. 1984. Introduction: strategies and tactics in fish reproduction. In: POTTS, G.W., WOOTON, R.J.(eds.). Fish reproduction: strategies and tactics. London, Academic Press, p. 1-12.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)