ALIMENTAÇÃO DO TIBIRO, Oligoplites palometa, (PERCIFORMES, CARANGIDAE) CAPTURADO NO LITORAL OCIDENTAL DO MARANHÃO E DESEMBARCADO NO MUNICÍPIO DA RAPOSA, ILHA DE SÃO LUIS-MA, BRASIL

Paula Verônica Campos Jorge Santos, Antônio Carlos Leal de Castro, Victor Lamarão de França, Leonardo Silva Soares, Milton Gonçalves da Silva Junior

Resumo


A alimentação do Oligoplites palometa, foi investigada analisando-se o conteúdo estomacal de 645 indivíduos, capturados com rede de emalhar do tipo Serreira em três áreas de pesca do litoral ocidental do Maranhão. O comprimento total médio foi de 42,5 cm para fêmeas e 40,8 cm para machos. Do total de estômagos analisados apenas 18,9% apresentaram item alimentar. A frequência de ocorrência foi usada para apontar estratégias alimentares utilizadas pela espécie. O resultado mostrou os peixes como item mais importante da dieta. Os meses de Julho/2007 e Agosto/2007 apresentaram a maior atividade alimentar. O fator de condição apresentou as maiores médias anuais para machos e fêmeas no mês de maio/2008, sendo 0, 069 e 0, 030, respectivamente. Os resultados sugerem que o Oligoplites palometa é piscívoro e que não apresenta grande variação na dieta durante o ano.

Palavras-chave:   Dieta, estratégia alimentar, litoral ocidental, Maranhão.

Abstract

Food of tibiro Oligoplites palometa, (Perciformes, Carangidae) capturing the west coast of Maranhão and landed in the city of Raposa, island of Sao Luis-MA, Brazil

The diet of the Oligoplites palometa, was investigat analyzing the content of 645 individuales, captured wint gill net of the Serreira type in three different points of the Coast Westery of the Maranhão. The average total length was of 42,5 for females and 40,8 for males. Of the total of analyzed stomachs only 18.9% they had presented alimentary item. The occurrence frequency was used to point alimentary strategies used by the species. The result pointed the fish as more important item of the diet. The months of July and Agosto/2007 had presented the biggest alimentary activity. The condition factor presented the annual average greaters for males and females in the month of Maio/2008, being 0,069 and 0,030 respectively. The results suggest, that the Oligoplites palometa is piscivorous and that it does not present great variation in the diet during the year.

Key words: Diet, food strategy, litoral ocidental, Maranhão.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM.M.C.C.1999. Composição e alimentação da ictiofauna em um trecho do Alto Rio São Francisco, Múnicípio de Três Marias, MG. Dissertação de Mestrado.UFSCar.98p

BARBIERI. G., VERANI, J. R. & BARBIERI, M. C. 1982. Dinâmica quantitativa da nutrição de Hoplias malabaricus (Bloch, 1974), na represa do Lobo (Brotas Itirapina/SP.)(Pisces, Erytthinidae). Revista Brasileira de Biologia. Rio de Janeiro, v.42, n.2, p.295-302, 1982.

BISTONI, M de los A, J.G. HARO & M. GUTIÉRREZ. 1995. Feeding of hoplias malabaricus in the wetlands of Dulce river (Córdoba, Argentina). Hidrobiologia, 316 : 103-107.

BOWEN, S.H. 1983 Quantitative description of the diet. Fisheries Techniques. American Fisheries Society, Bethesda, Maryland, USA. p.325-336.

CARAMASCHI, E.M.P. 1979. Reprodução e alimentação de Hoplias Malabaricus (Bloch, 1794), na represa do rio Pardo (Botucatu, SP) (Osteichthyes, Cypriniformes,Erytrhinidae). Dissertação de mestrado. PPG-ERN. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS.144p.

CASTRO, A.C.L & PIORSKI, N.M. 1998. Curva de Maturação, Fator de Condição e Índice Hepatossomático de Plagioscion squamosissimus (Heckel, 1840) no Reservatório de Barra Bonita-SP (Osteichthyes, Sciaenidae). Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 11:1-14.

CERVIGÓN, F.1993. Los peces Marinos de Venezuela. Vol 2. Fundación científica los Roques, Caracas, Venezuela. 497 páginas.

LIMA-JUNIOR, S.E. et al. Determination of a method for calculation of Allometric Condition Factor of fish. Acta Sci., Maringá, v. 24, n. 2, p. 397-400, 2002.

LOUREIRO, V.E. & HAHN, N.S. 1996. Dieta e atividade alimentar da traíra, Hoplias malabaricus (Bloch, 1794) (Osteichthyes, Erythrinidae), nos primeiros anos de formação do reservatório de Segredo-PR. Acta Limnol. Brasil. 8:195-205.

MENEZES, N.A. & FIGUEIREDO, J.L. 1980. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil. IV. Teleostei (3). Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 96p.

PAIVA, M. P. Crescimento, alimentação e reprodução da traíra, hoplias malabaricus (Bloch) no nordeste Brasileiro. Fortaleza. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. 32p.

PITCHER, T. J., HART, P.J.B.. Fisheries Ecology London, Croom Helm.414 p. 1982.

HAHN, N.S., FUGI, R., ALMEIDA, V.L.L., RUSSO, M.R. & LOUREIRO, V.E. 1997. Dieta e atividade alimentar de peixes do reservatório de Segredo. In Reservatório de Segredo: bases ecológicas para o manejo (A. A. Agostinho & L. C. Gomes, eds.) EDUEM, Maringá, p.141-162.

HYSLOP, E.M.S. 1980. Stomach contents analysis - a review of methods and their application. J. Fish. Biol. 17:411-429.

VIACZOREK, C. SAMPAIO, I. & SCHNEIDER, H. 2002. Estudo molecular intergenérico em peixes da família Carangidae (Perciformes). Ver. Científica da UFPA, vol. 3.

ZAVALA-CAMIN, L. A., 1996, Introdução ao estudo sobre alimentação natural em peixes. Maringá, EDUEM, 1996, 129p.

WINIK, S, CARNEIRO, M.H & MENDONÇA, J.T. 2007. Alimentação da Guaivira, Oligoplites saliens (BLOCH, 1793) (Perciformes: Carangidae), proveniente da pesca na região de Cananéia-SP. Série Relatórios Técnicos, São Paulo, n. 27: 1-13.

WINEMILLER, K. O. 1989. Ortogenetic diet shifts and resource portioning among piscivorous fishes in the Venezuelan ilanos.Environ. Biol. Fish .,26: 177-199.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)