RECORDS OF THE SMALLEYE SMOOTH-HOUND Mustelus higmani SPRINGER & LOWE, 1963 (CHONDRICHTHYES: TRIAKIDAE) FROM MARANHÃO–BRAZIL

Nivaldo Magalhães Piorski, Jorge Luiz Silva Nunes, Zafira da Silva Almeida

Resumo


Registro de ocorrência do tubarão Mustelus higmani springer & lowe, 1963 (Chondrichthyes: Triakidae) no Estado do Maranhão–Brasil


A família Triakidae é formada por nove gêneros e 39 espécies. Mustelus higmani é um tubarão de pequeno porte endêmico da América do Sul, ocorrendo desde o Golfo da Venezuela, passando por Curaçao e Trinidad, até a cidade de Santos, no Brasil. Habitam águas de até 100m de profundidade, sob substratos calcários, de areia ou de lama e abundantes em áreas estuarinas. Apesar de ser considerada abundante em outras regiões do Brasil, esta espécie, contraditoriamente, não é comum para o estado do Maranhão mesmo fazendo parte da área de distribuição e habitat natural. O registro de M. higmani no estado do Maranhão apresentado no presente estudo permitiu discutir hipóteses para explicar sua ocorrência e o seu atual estado de conservação. Um dos aspectos discutidos está relacionado à pesca artesanal utilizando como petrecho de pesca redes de arrasto em alto mar ou de deriva. Outro argumento apresentado para explicar a baixa densidade de M. higmani aborda o efeito negativo da pesca de camarões na região. E por último, discutimos a possibilidade de identificações errôneas da espécie.

Palavras Chave: Costa norte do Brasil, Pesca artesanal, elasmobrânquios, distribuição geográfica.

Abstract


The family Triakidae is composed of nine genera and 39 species. Mustelus higmani is a small-sized shark endemic to South America, ranging from the Venezuelan Gulf, passing through Curação and Trinidad, and reaching Santos in Brazil. The species inhabits waters up to 100 m in depth in areas with calcareous, sandy or muddy bottoms, being abundant in estuaries. Despite being abundant in Brazil, it is contradictory to observe that the species is rare in the coast of Maranhão State, which is part of the distribution area and contains several natural habitats. The record of M. higmani in Maranhão coast suggested by this paper allowed the elaboration of some arguments in order to explain the occurrence and the current conservation status of the species. The proposed arguments concern the practice of artisanal fishery in the coast of Maranhão and the negative effects of shrimp fishery and erroneous taxonomical identification.

Key Words: Northern Brazilian coast, Artisanal fishery, elasmobranchs, geographic distribution.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Z.S. & VIEIRA, H. C.P. 2000. Distribuição e abundância de elasmobrânquios no litoral maranhense, Brasil. Pesquisa em Foco, 8 (11): 89-103.

ALMEIDA, Z.S. DE; CASTRO, A.C.L.; PAZ, A.C.; RIBEIRO, D.; BARBOSA, N. & RAMOS, T. 2006. Diagnóstico da pesca artesanal no litoral do estado do Maranhão. p. 41-65 In: Isaac, V.J.; Martins, A.S.; Haimovici, M. & Andriguetto, J.M (org). A pesca marinha e estuarina do Brasil no início do século XXI: recursos, tecnologias, aspectos socioeconômicos e institucionais. Editora Universitária UFPA, Belém, 188p.

BEZERRA, M.A.; FURTADO-NETO, M.A.A. & GADIG, O.B. 1989. Nota sobre alguns tubarões da costa norte e nordeste do Brasil. Anais da Sociedade Nordestina de Zoologia, 3: 301-304.

CERVIGÓN, F. 1966. Los peces marinos de Venezuela. Vol.1. Estación de Investigación Marina. Fundación La Salle Ciencia Nat. Monografia, Margarita, 436p.

CERVIGÓN, F.; CIPRIANI, R.; FISHER, W.; GARIBALDI, L.; HENDRICKX, M.; LEMUS, A. J.; MÁRQUEZ, R.; POUTIERS, J. M.; ROBAINA, G. & RODRÍGUEZ, B. 1993. Field guide to the commercial marine and brackish-water resources of the northern coast of South America. FAO, Roma, 513p.

COMPAGNO, L.J.V. 1984. FAO Species catalogue sarks in the world. In: annotated en ilustrad catalogue of sharks species know to date. Part. I. Hexanchoformes. FAO Fish Synop, Roma, 4 (125): 1-249p.

CORTÉS, E. 1999. Standardized diet compositions and trophic level of sharks. Journal of Marine Science, 56: 707-717.

FARIA, V.V.; ABREU, T.A. & NOVELLI, R. 2000. Aspectos da biologia reprodutiva de Mustelus higmani (Triakidae) e Rhizoprionodon porosus (Carcharhinidae) no litoral norte do estado do Rio de Janeiro. p.14. Resumos da 2ª Reunião da Sociedade Brasileira de Estudos de Elasmobrânquios. Santos, 94p.

FIGUEIREDO. J.L. 1977. Manual dos peixes marinhos do sudoeste do Brasil. Introdução: Cações, Raias e Quimeras. Museu de Zoologia da USP, São Paulo, 104p.

FROESE, R. & PAULY, D. 2007 (Eds.). FishBase - World Wide Web electronic publication, accessible at http://www.fishbase.org. (Accessed 04/11/2007).

GADIG, O.B.F. 1994. Fauna de tubarões da costa norte/nordeste do Brasil (Chondrichthyes, Elasmobranchii). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil, 230p.

HEEMSTRA, P.C. 1997. A review of the sooth-hound sharks (Genus Mustelus, Family Triakidae) of the Western Atlantic Ocean, with descriptions of two new species a new subspecie. Bulletin of Marine Science. 60 (3): 894-928.

LÉOPOLD, M. 2004. Guide des poisons de mer de Guyane. Ed. Ifremer, Cayena, 216p.

LESSA, R.P.T. 1986. Levantamento faunístico dos elasmobrânquios (Pisces, Chondrichthyes) do Litoral Ocidental do estado do Maranhão. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 7: 27-41.

LESSA, R.P. 1997. Sinopse dos estudos sobre elasmobrânquios da costa Maranhão. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia,10: 19-36.

MENEZES, N.A.; BUCKUP, P.A.; FIGUEIREDO, J.L. & MOURA, R.L. (eds.). 2003. Catálogo das espécies de peixes marinhos do Brasil. Museu de Zoologia USP, São Paulo, 159p.

NELSON, J.S. 1994. Fishes in the world. 3rd ed. John Wiley & Sons, Inc., New York. 600p.

RINCON, G.; MAUÉS, R.C.S.; BRAGANÇA, A.J.M.; LESSA, R. 2000. Elasmobrânquios demersais da plataforma e talude da região norte capturados nos cruzeiros de prospecção do Npq. Paulo Moreira, Programa Revizee Score-NO. Resumos da 2ª Reunião da Sociedade Brasileira de Estudos de Elasmobrânquios, Santos, p.92. Disponível em http://www.nupeccom.br/sbeel/resumos/html/92.html. Acesso em 18/01/2006.

SAMPAIO, C.L.S.; GADIG, O.B.F.; OLAVO, G. 2000. Levantamento das espécies de peixes cartilaginosos do litoral da Bahia, Nordeste do Brasil. Resumos da 2ª Reunião da Sociedade Brasileira de Estudos de Elasmobrânquios. Santos, p. 59. Disponível em: http://www.nupeccom.br/sbeel/resumos/html/59.html. Acesso em 18/01/2006.

SOTO, J.M.R. 2001. Annoted systematic checklist and bibliography of the coastal and oceanic fauna of Brazil. I Sharks. Mare Magnum, 1(1): 52-120.

SPRINGER, S. & LOWE, R. 1963. A new smooth dogshark, Mustelus higmani, from the Equatorial Atlantic coast of South America. Copeia. 1963: 245-251.

STRIDE, R.K.; BATISTA, V.DA S. & RAPOSO, L.A.B. 1992. Pesca experimental de tubarão com redes de emalhar no litoral maranhense. CORSUP/EDUFMA, São Luís, 160p.

STRIDE, R.K. 1992. Diagnóstico da pesca artesanal marinha do Estado do Maranhão. CORSUP/EDUFMA, São Luís, 205p.

SUDENE, 1976. Pesquisas dos Recursos Pesqueiros da Plataforma Continental Maranhense. Séries de Estudos de Pesca, 6, Recife, 67p.

SUDENE, 1983. Avaliação potencial de tubarões da costa NE do Brasil. Série Estudos de Pesca, 10, Recife, 68p.


Apontamentos



Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)