BIOECOLOGIA DO CARANGUEJO-UÇÁ UCIDES CORDATUS (LINNAEUS, 1763) (DECAPODA:BRACHYURA) NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS REENTRÂNCIAS MARANHENSES, BRASIL

Maria de Nazaré Bentes de Lima, Flavia Rebelo Mochel, Antonio Carlos Leal de Castro

Resumo


A bioecologia do caranguejo-uçá Ucides cordatus foi estudada em três manguezais no município de Cururupu, visando o manejo sustentável da espécie na APA das Reentrâncias Maranhenses.  Foram analisados dados sobre a dinâmica de populações, padrão de dispersão, densidade e morfometria. Para a determinação da proporção sexual, o número de indivíduos machos e fêmeas foram submetidos à análise do Qui-Quadrado. Os resultados mostraram que o padrão de dispersão é do tipo agregado e a densidade média é de aproximadamente 3 indivíduos/m2. As freqüências de comprimento da carapaça apresentaram classe modal no intervalo de 49-54 mm, sendo que os machos revelaram-se maiores e mais largos que as fêmeas. Encontraram-se relação direta entre as medidas de comprimento da carapaça, largura e peso total.

Palavras-Chave: caranguejo-uçá, manguezais, bioecologia, Maranhão. 

Abstract

Bioecology of mangrove crabs, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Decapoda: Branchyura) in the enviromental protection area of Reentrâncias Maranhenses
The bioecology of mangrove crabs Ucides cordatus was studied in three creek in Cururupu county aiming sustainability of mangrove crab and allowing the conservation of species in mangroves of Reentrâncias Maranhenses Environmental Protection Area. Were collected information about dynamics of populations, dispersion patterns, density and morfometry. The. sexual proportion of males and females was determined by qui-square analysis. The results show the dispersion pattern as aggregation type. The medium density is approximately 3 individuals /m². The frequencies of total lengths present a modal class in the interval of 49-54 mm length, and males are longer and largest than females. It was found a direct relation among total length/breadth measures and total length/total weight.

Key Words: Uçá-crabs, Mangroves, Bioecology, Maranhão


Referências


ADEMA. 1984a. Bioecologia do caranguejo-uçá Ucides cordatus cordatus Linnaeus – “Varreduras” em manguezais de quatro estuários do estado de Sergipe Brasil. Sergipe. 29p.

ADEMA. 1984b. Levantamento sócio econônmico da população humana envolvida com a captura do caranguejo-uçá – SE. Sergipe. 72p.

ALCÂNTARA-FILHO, P. 1978. Contribuição ao estudo da biologia e ecologia do caranguejo uçá, Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763), no manguezal do rio Ceará (Brasil). Fortaleza-CE. Arq. Cien. Mar, 18 (1/2): 1-41.

CASTRO, A C. L. 1986. Aspectos bioecologicos do caranguejo uçá, Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763) no estuário do rio dos Cachorros e estreito do Coqueiro, São Luis do Maranhão. São Luís-MA. Bol. Lab. Hidrob., 7, p. 7-26.

CASTRO, A. C .L., FERREIRA-CORREIA, M. M., NASCIMENTO, A. R., PIEDADE-JÚNIOR, R. N., GAMA, L.R.M., SOUSA, M. M., SENA, A. C. S., SOUSA, R. C. C. 2008. Aspectos bioecológicos do caranguejo-uçá, Ucides cordatus, (Linnaeus, 1763) (Decapoda, Brachyura) nos manguezais da Ilha de São Luís e litoral oriental do estado do Maranhão, Brasil. Amazônia: Ci & Desenv., . Belém, 3 (6): p. 17-36.

COSTA, R. S. 1972. Fisioecologia do carangurjo-uçá Ucides cosdatus (Linnaeus, 1763) - crustáceos, decápode do Nordeste Brasileiro. Tese de Doutorado da Universidade de São Paulo. São Paulo, 121p.

DIELE, K. 2000. Life history and population structure of the exploited mangrove crab U. cordatus (L.) (Decapoda: Brachyura) in the Caeté estuary, North Brazil. PhD Thesis, Universität Bremen, Germany, 103 p.

ELLIOTT, J. M. 1977. Some methods for the statistical analysis of samples of benthic invertebrates. Freshwater Biological Association. (25). 157 p.

FERNANDES, L. M. B., CASTRO, A.C.L. , FERNANDES, G.L., MENDES, G.N., MARTINS-JURAS, I.A.G.1982. Prospecção Pesqueira. In: SUDAM / UFMA. Caracterização ambiental e prospecção pesqueira do estuário do Rio Cururuca-Ma, Belém, SUDAM. : 31-141.

FERNANDES. 1976. Prospecção dos recursos pesqueiros das reentrâncias maranhenses. Superintendência do Desenvolvimento da Pesca, Maranhão. 181 p.

FERREIRA-CORREIA, M.M, CASTRO, A.C.L., SOUSA, M.M., GAMA, L.R.M., SODRÉ, V.R.C., CAMINHA, J.W.P., MACHADO, D.S., FRANCO, A.P.B., GOMES, P.M.J., VINHOTE, H.C.A., DURANS, C.C.T. 2008. Aspectos socioeconômicos e percepção ambiental dos catadores de caranguejo-uçá, Ucides cordatus, (Linnaeus, 1763) (Decapoda, Brachyura) nos manguezais da ilha de São Luís e do litoral do estado do Maranhão. Amazônia: Ci & Desenv., . Belém, 3 (6): p. 37-53.

IBAMA. 1994. Lagosta, caranguejo uçá e camarão do Nordeste. Instituto Brasileiro do meio Ambiente e dos Recursos Renováveis. Coleção meio ambiente. Serie estudos de pesca, nº 10. Relatórios das reuniões dos Grupos Permanentes de estudos (GPE). Brasília. 190p.

IVO, C. T. C., DIAS, A F. & MOTA, R. I. 1993. Estudo sobre a biologia do caranguejo uçá, Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763) capturado no delta do rio Parnaíba, Estado do Piauí. Bol. Tec. Cient. CEPENE, Tamandaré, 7.(1):53-84.

IVO, C. T. C., DIAS, A F. , BOTELHO, E. R. O. , MOTA, R. I., VASCONCELOS, J. A. & VASCONCELOS, E. M. S. 2000. Caracterização da população do caranguejo-uçá Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763) capturado em estuários do nordeste do Brasil. Bol. Tec. Cient. CEPENE, Tamandaré, 8 (1):9-43.

LEGAT, J. F. A. & PUCHNICK, A. 2003. Sustentabilidade da pesca do caranguejo uçá, Ucides cordatus cordatus, nos estados do Piauí e do Maranhão: Uma visão da cadeia produtiva do caranguejo a partir de fóruns participativos de discussão. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, EMBRAPA Meio-Norte, Paraíba. 24p.

MACHADO, M.P.C. 2010. Ocorrência e densidade dos estágios larvais do caranguejo-uçá (Ucides cordatus, Linnaeus, 1763) no estuário do rio Paciência, Paço do Lumiar – MA. Monografia de Graduação. Curso de Ciências Biológicas. UFMA, São Luís. 46 p.

MASSUNARI, S. 2003. A contribuição dos caranguejos dos manguezais na conservação e sustentabilidade dos ecossistemas costeiros. XIV Encontro de Zool do Nord.: A zoologia no desenvolvimento sustentável. Maceió-AL. (p102-103).

MELO, G. A. S. 1996. Manual de identificação dos Brachyura (caranguejos e siris) do litoral brasileiro. Ed. Pleida. FADESP/SP. 604 p.

MOTA-ALVES, M. I. 1975. Sobre a reprodução do caranguejo-uçá, Ucides cordatus, (Linnaeus, 1763), em mangues do estado do Ceará (Brasil). Arquivo de Ciências do Mar, 15(2): 84-91.

OLMOS, F., SILVA, R.S.E. 2003. Guará: ambiente, flora e fauna dos manguezais de Santos – Cubatão. São Paulo: Empresa das Artes.

PAIVA, M. P. 1997. Recursos pesqueiros estuarinos e marinhos do Brasil. Fortaleza: EUFC. 278p. il..

PUCHNICK, A & LEGAT, J. F. 2003. Relatório Parcial do II Fórum do caranguejo-uçá do delta do rio Parnaíba: Propostas dos grupos de trabalho para a sustentabilidade da pesca do caranguejo-uçá nos estados do Maranhão e Piauí. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, EMBRAPA Meio-Norte, Paraíba. 9p.

REBELO-MOCHEL, F & SILVEIRA, P.C.A. 2000. Indicadores sócio-econômicos-ambientais e recursos faunísticos comercializados em um manguezal sob impactos de atividades humanas em Parnauaçu, Maranhão, Brasil. Boletim de Resumos do V Workshop ECOLAB (Ecossistemas Costeiros Amazônicos), p. 289-295.

REBELO-MOCHEL, F. 1995. Manguezais do Maranhão: proteção e desenvolvimento. In: Os manguezais frontais da costa do Pará-Maranhão: razões da proteção integrada. Anais da reunido Anual da SBPC. (p15-16)

REBELO-MOCHEL, F. 1997. Mangroves in São Luís island, Maranhão, Brazil. Mangrove ecossystem studies in Latin America e Africa. UNESCO.

SILVA, P. R. 1997. Cururupu. [on line]. Disponível em: http://www.geocities.com/CollegePark/Campus/9726/ 1997.

ZCE. 2003. Zoneamento Costeiro do Estado do Maranhão. FSADU/UFMA. São Luís, 254 p.

ZEE. 2001. Zoneamento ecológico econômico do Maranhão. On line. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/sds/zee/florest/index.html.


Apontamentos



Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)