COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DAS MATAS CILIARES DO ALTO CURSO DO RIO PERICUMÃ, BAIXADA MARANHENSE

Klenya Rosa Rocha Braga, Ricardo Barbieri, Claudio Urbano Pinheiro

Resumo


O estudo da composição florística das matas ciliares do alto curso do rio Pericumã, Baixada Maranhense, tem grande relevância em virtude de que essas formações vegetais constituem ecossistemas importantes para a conservação dos ambientes do alto curso desta bacia. Desse modo, este estudo teve como objetivo gerar dados sobre a vegetação da margem do rio Pericumã, em especial a região correspondente ao alto curso. Para a delimitação da área amostral, foram demarcadas 9 parcelas (10x50m cada), totalizando uma área de 4.500m2. Foram encontradas 96 espécies, pertencentes a 40 famílias e três subfamílias (Papilionoideae, Caesalpinioideae e Mimosoideae) pertencentes à família Leguminosae, que são analisadas separadamente por apresentar valores bem discrepantes. As famílias com maior percentual de espécies no levantamento foram “Desconhecidas” (18,75%), Palmae (9,38%), Leguminosae - Mimosoideae (7,29%), Bignoniaceae (5,21%), Lecythidaceae (4,17%), Rubiaceae (4,17%) e Annonaceae (3,13%). O índice de diversidade de Shannon-Wiener (H’) para a área foi alto (3,29).

Palavras-Chave: mata ciliar, composição florística, rio Pericumã.

ABSTRACT

Floristic composition of the riparian forests from the upper course of Pericumã River, Baixada Maranhense.
The study of the riparian floristic composition from high course of the Pericumã River, Baixada Maranhense, has a great relevance because these forests constitute important ecosystems for environment conservation of this basin high course. This way the present study showed the objective of generating data about the Pericumã River marginal vegetation, especially the high course area. For delimitation of the area sampled, nine parcels were marked (10 m x 50 m each), making in total 4,500 m2. A number of 96 species were registered, pertaining to 40 families and 3 subfamilies (Papilionoideae, Caesalpinioideae e Mimosoideae) pertaining to the family Leguminosae, which are analyzed one by one because they presented different values. The families with the great percent of species were “Unknown” (18,75%), Palmae (9,38%), Leguminosae - Mimosoideae (7,29%), Bignoniaceae (5,21%), Lecythidaceae (4,17%), Rubiaceae (4,17%) and Annonaceae (3,13%). The Shannon-Wiener diversity index (H’) for the area of study was high (3,29).

Key-words: riparian vegetation, floristic composition, Pericumã River.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P. de & LUCENA, R. do F. P. de. 2004. Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: LivroRápido/NUPEEA,189p.

BARBIERI, R. 1995. Colonização vegetal em habitats formados pela sedimentação do rejeito de bauxita em um lago amazônico (lago Batata, PA). São Carlos, 104p. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais). Universidade Federal de São Carlos.

GIBBS, P. E.; LEITÃO FILHO, H. F. & ABBOT, R. J. 1980. Application of the point-centred-quarter method in a floristic survey of an area of gallery forest at Mogi-Guaçu, SP, Brazil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 3, n. ½, p. 17-22.

LONGHI, S. J. 2000. Aspectos fitossociológicos de fragmento de floresta estacional decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 10, n.2, p. 59-74.

MARINHO-FILHO, J. & GASTAL, M. L. 2001. Mamíferos das matas ciliares dos cerrados do Brasil Central. In: RODRIGUES, R. R. & LEITÃO FILHO, H. F. Matas ciliares: conservação e recuperação. 2ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, p. 209-222.

MARQUES, M. C. M.; SILVA, S. M. & SALINO, A. 2003. Florística e estrutura do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta higrófila da bacia do rio Jacaré-Pepira, Sp, Brasil. Acta Botanica Brasilica. São Paulo, v. 17, n. 4, Oct/Dec.

MEYER, S. T. Et al. 2004. Composição florística da vegetação arbórea de um trecho de floresta de galeria do Parque Estadual do Rola-Moça na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica. São Paulo, v. 18, n. 4, Oct/Dec .

MORO, R. S.; SCHMITT, J. & DIEDRICHS, L. A. 2001. Estrutura de um fragmento da mata ciliar do rio Cará-cará, Ponta Grossa, PR. Biological and Health Sciences. PUBLICATION UEPG, 7 (1): 19-38.

MUNIZ, F. H.; CESAR, O. & MONTEIRO, R. 1994. Aspectos florísticos quantitativos e comparativos da vegetação arbórea da Reserva Florestal do Sacavém, São Luís, Maranhão (Brasil). Acta Amazonica, Manaus, 24(3/4): 189-218.

ODUM, E. P. 1988. Ecologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara. 43p.

RODRIGUES, R. R. 1999. A vegetação de Piracicaba e municípios do entorno. Circular técnica IPEF, São Paulo, n 189, p. 17, agosto.

SANTOS, O. M. 2004. Avaliação dos usos e ocupações das terras da bacia hidrográfica do rio Pericumã – MA, utilizando como parâmetros os padrões recomendáveis para uma área de proteção ambiental, São Luís, 153p. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade de Ecossistemas). Universidade Federal do Maranhão.

SHEPHERD, G. J. 1995. FITOPAC 1. Manual de usuário. Departamento de Botânica, UNICAMP.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)