CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA DE UNIDADES DE PAISAGENS E TIPOLOGIAS VEGETACIONAIS EM ÁREAS INUNDÁVEIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PINDARÉ, REGIÃO DA BAIXADA MARANHENSE

Naíla Arraes de Araujo, Claudio Urbano Bittencourt Pinheiro

Resumo


Os estudos florísticos são essenciais para o conhecimento da diversidade e distribuição de espécies vegetais. Além disso, produzem importantes subsídios para a elaboração de planos de manejo, além da recuperação e conservação de áreas exploradas e alteradas pelo homem. As florestas, em especial as ciliares, apesar de serem protegidas por lei, têm sofrido intensa perturbação, principalmente por queimadas e desmatamentos. Têm sofrido também com as alterações decorrentes de desvios de cursos d’água e/ou seu barramento. As alterações sofridas nestes ambientes comprometem a sua estabilidade estrutural, modificam as características e as funções dessas matas. Estudar a estrutura e composição de remanescentes florestais ou mesmo de áreas não exploradas, é fundamental para a sustentabilidade ambiental. Neste artigo são apresentadas as unidades de paisagem, as tipologias vegetacionais e a sua composição florística em formações vegetais ocorrente na bacia hidrográfica do rio Pindaré, municípios de Cajari, Viana e Penalva, na Baixada Maranhense. Com este objetivo principal, as unidades de paisagem da região foram caracterizadas e as tipologias de vegetação amostradas. Trinta e duas parcelas foram amostradas nos três municípios, procedendo-se registros quantitativos e qualitativos, no que se relaciona à conservação da vegetação e/ou de espécies de interesse. Nas parcelas de 200 m2 cada (10 m de largura por 20 m de comprimento), foram levantadas todas as espécies vegetais ocorrentes (juvenis e adultos), registrando-se a forma de crescimento, circunferência a altura do peito (CAP) a partir de 10 cm, altura e estágio de desenvolvimento. Entre as tipologias de vegetação estudadas, destacam-se as Matas de Aterrado, ambientes peculiares, pouco conhecidos, mas cruciais para a manutenção da biodiversidade regional e para a sua sócio-economia. Os resultados sugerem que as interferências humanas (desmatamentos, queimadas e barramentos de corpos de água, entre outros), sobre o ambiente da região, vêm modificando gradativamente a vegetação com a descaracterização da composição de espécies das tipologias vegetacionais, da sua estrutura e das suas funções, prejudicando o seu desenvolvimento e, até mesmo, a sua existência. Além disso, parte dos ambientes estudados sofre com a paulatina salinização nas áreas sob influência das marés. Conclui-se que, conhecer estes ambientes, suas formações vegetais, sua composições, além das situações de mudanças nas mesmas, podem constituir a base para a concepção e implementação de modelos de recuperação e conservação nessas áreas.

Palavras-Chave: Vegetação; Rio Pindaré; Interferência Antrópica; Baixada Maranhense.

Abstract

Floristic characterization of landscape units and vegetation types in flooding areas of the Pindaré River Basin, in the Baixada Maranhense Region

Floristic studies are essential for understanding the diversity and distribution of plant species. Moreover, they are important inputs for the preparation of management plans, recovery and conservation of exploited areas, altered by man. The forests, especially ciliary forests, despite being protected by law, have been suffering intense disturbance, mainly by burning and deforestation. They have also suffered from changes in the courses of water  bodies, as well as their restraining by small dams. The changes suffered by these environments compromise their structural stability; modify the features and functions of these forests. The study of the structure and composition of forest remnants and even unexplored areas is crucial for the environmental sustainability. In this paper, the landscape units in the Baixada Maranhense region are presented, as well as the vegetation types and floristic composition of plant formations occurring in the Pindaré river basin, municipalities of Cajari, Viana, and Penalva, in the Baixada Maranhense. With this main objective, the landscape units of the region were characterized and the vegetation types sampled. For that, 32 plots were established in the three municipalities’ areas, and both quantitative and qualitative data related to vegetation conservation and/or plant species of interest were recorded. In the sampling plots of 200 m2 each (10 m wide by 20 m long) all occurring species were recorded (young and adults), along with their growth habit, stem circumference, height, and development phase. Among the vegetation types studied, the Aterrado forests must be emphasized, as very peculiar and poorly known environments, but crucial for maintenance of both regional biodiversity and socioeconomy. The results suggest that human interference (deforestation, burning and restraining of water bodies) on the regional environment have been gradually and consistently changing the vegetation, producing the mischaracterization of the species composition of vegetation types, their structure and functions, hindering their development. Moreover, portions of the regional environment suffer with the gradual salinisation in areas under tidal influence. It is concluded that the study of these environments, their plant formations, their composition, as well as the changes they having been going through, can be the basis for the conception and implementation of models for recovery and conservation  in these areas. Keywords:

Vegetation; Pindaré River; Anthropogenic Interference; Baixada Maranhense.


Referências


APG - ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v.141, p.399-436, 2003.

ARAUJO, N. A. Relações Ecológicas entre a Fauna Ictiológica e a Vegetação Ciliar da Região Lacustre do Baixo Pindaré, na Baixada Maranhense, e suas Implicações na Sustentabilidade da Pesca Regional. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade de Ecossistemas. Universidade Federal do Maranhão. UFMA. 2008.

ARAUJO, N. A. de. & PINHEIRO, C. U. B. Relações Ecológicas entre a Fauna Ictiológica e a Vegetação Ciliar da Região Lacustre do Baixo Pindaré na Baixada Maranhense e suas Implicações na Sustentabilidade da Pesca Regional. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, 22:55-68. 2009.

BRAGA, K. R. Avaliação da sustentabilidade das formas de uso e manejo de matas ciliares do alto curso do rio Pericumã, Baixada Maranhense. São Luís. 60 p. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade de Ecossistemas), Universidade Federal do Maranhão. 2006.

FERREIRA, L. V.; ALMEIDA S. S. Relação entre a altura de inundação, riqueza específica de plantas e o tamanho de clareiras naturais em uma floresta inundável de igapó, na Amazônia Central. Revista Árvore. Sociedade de Investigações Florestais Viçosa, Brasil, v. 29, n. 3, mai-jun. p. 445-453, 2005.

GAMA, J. R. V.; BOTELHO, S. A.; BENTES-GAMA, M. M. Composição florística e estrutura da regeneração natural de floresta secundária de várzea baixa no estuário Amazônico. Revista Árvore. Viçosa-MG, v.26, n.5, p.559-566, 2002.

GROMBONE, M. T.; BERNACCI, L. C.; MEIRA NETO, J. A. A.; TAMASHIRO, J. Y. & LEITÃO FILHO, H. F. Estrutura fitossociologica da floresta semidecidua de altitude do Parque Municipal da Grota Funda Atibaia - Estado de São Paulo. Acta Botânica Brasilica, 4: 47-64. 1990.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo Demográfico. Rio de Janeiro, 2010.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mapas. 2006. Disponível em: < http://mapas.ibge.gov.br/> Acesso em: 15/10/2009.

KIILL, L. H. P. HAJI, F. N. P. LIMA, P. C. F. Visitantes florais de plantas invasoras de áreas com fruteiras irrigadas. Scientia Agricola, Piracicaba, v.57, n.3, p.575-580, jul./set. 2000.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Volume 2. Nova Odessa, SP. Ed. Instituto Plantarum. 1998.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Volume 1. Nova Odessa, SP. Ed. Instituto Plantarum. 2000.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Volume 3. Nova Odessa, SP. Ed. Instituto Plantarum. 2009.

MARANHÃO, Gerência de Planejamento e Desenvolvimento Econômico – GEPLAN, Laboratório de Geoprocessamento. Atlas do Maranhão. São Luís: UEMA. 2002. 44p.

OLIVEIRA, A. A. de. Inventários Quantitativos de Árvores em Matas de Terra- Firme: Histórico com enfoque na Amazônia Brasileira. Acta Amazonica, Manaus, v. 30, n. 4, p. 543-567. 2000.

PINHEIRO, C. U. B. Estudos Etnobiológicos. Baixada Maranhense. Etnobotânica; botânica econômica; etnoecologia. São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2003.

PINHEIRO, C. U. B., ARAUJO, N. A. & AROUCHE, G. C. Plantas Úteis do Maranhão – Região da Baixada Maranhense. São Luis, MA.: Gráfica e Editora Aquarela. 262p. 2010.

POLHIL, R. M.; RAVEN, P. H. Advances in Legume Systematics, Part 1. Kew: Royal Botanical Garden, 425 p. 1981.

SANTOS, C. C. dos. Avaliação Sócio-Ambiental da Bubalinocultura nas Unidades de Paisagem do Municipio de Viana-MA, Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Agroecologia. Universidade Estadual do Maranhão. UEMA. 2007.

SAS, Institute Inc., Cary, North Carolina. JMP, Statistics and Graphics Guide, Version 3.2.6, 1995. (Computer software and manual).

SOUZA, M. O. de. Composição de Espécies, Uso, Manejo e Conservação das Matas Ciliares do Lago Cajari, Município de Penalva, Área de Proteção Ambiental (APA) da Baixada Maranhense, Brasil. 73 f. Monografia apresentada ao curso de Ciências Aquáticas. Universidade Federal do Maranhão. UFMA. 2007.

SOUZA, M. O. de. Sustentabilidade das Formas de Uso e Manejo de Matas Ciliares na Área Lacustre de Penalva, Baixada Maranhense. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade de Ecossistemas. Universidade Federal do Maranhão. UFMA. 2010.

TRINDADE, M. J. de S., ANDRADE, C. R. & SOUSA, L. A. de. Florística e Fitossociologia da Reserva do Utinga, Belém, Pará, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 234-236.2007.


Apontamentos



Direitos autorais 2014 Boletim do Laboratório de Hidrobiologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

B. Lab. Hidro.

E-mail: boletimlabohidro@ufma.br

ISSN 1982-6421 (Online)