ACORDEI COM VAMPYROTEUTHIS INFERNALIS: refletido nas figuras de Edgar Franco

Nadja Carvalho

Resumo


A fábula filosófica Vampyroteuthis infernalis (1987), de Vilém Flusser, e os desenhos poéticos e filosóficos em Aurora biocibertecnológica (2004), de Edgar Franco, fazem convergir reflexões acerca da existência humana, por essa razão, resolvi convocá-los ao diálogo; não há nada que infrinja as suas integridades ficcionais, filosóficas e poéticas, ou que entrave essa troca de ideias. As obras citadas aqui são recortes, pars pro toto (partes pelo todo), expressão de Roman Jakobson (1975, p.14), usada em linguagem de cinema acerca de uma personagem, a qual se pode chamar: “corcunda, narigão, ou então corcunda narigudo”, o uso dos termos depende do enquadramento da pessoa (de costas, de frente, ou de perfil). Assim, a nossa, e minha, leitura irá valorizar um único ator e seu sósia: o humano e o não humano (ou pós-humano), extraídos de esquadros avulsos formulados pelos dois autores, em suas fábulas e monstros, tudo isso sem descolar filigranas de sentidos ou sem-sentidos da vida humana. 


Palavras-chave


Vilém Flusser, Edgar Franco, fábula, desenho, não humano

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Nadja. Edgar Franco e suas criaturas no Banquete de Platão. 2ª ed. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2012.

FLUSSER, Vilém; BEC, Louis. Vampyroteuthis infernalis. Prefácio de Gustavo Bernardo. São Paulo: Annablume, 2011a.

_____. A dúvida. Apresentação de Gustavo Bernardo. São Paulo: Annablume, 2011b.

_____. Natural: mente: vários acessos ao significado de natureza. São Paulo: Annablume, 2011c.

_____. Bodenlos: uma autobiografia filosófica. Revisão técnica Gustavo Bernardo. São Paulo: Annablume, 2007a.

_____. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. Organizador Rafael Cardoso. Tradução Raquel Abi-Sâmara. São Paulo: Cosac Naify, 2007b.

FRANCO, Edgar; COUTO, Mozart. BioCyberDrama Saga. Goiânia: Editora UFG, 2013.

FRANCO, Edgar. Será o pós-humano? Ciberarte e perspectivas pós-biológicas. Disponível: http://www.antropologia.com.br/colu/colab/c33-efranco.pdf. Acesso: 22, out. 2017.

_____. HQtrônicas: do suporte papel à rede internet. São Paulo: Annablume/ Fapesp, 2004.

GARCIA, Yuri. Deuses, Monstros e Astronautas: Lovecraft e o Pós-Humano. file:///C:/Users/Nadja/Documents/ARTIGO%20EDGAR%20FRANCO%202017/gtmidiavisual_yuri_garcia.pdf. Acesso: 22, out. 2017.

JAKOBSON, Roman. Linguística, poética, cinema. São Paulo: Perspectiva, 1975.

MCLUHAM, Marshall; WATSON, Wilfred. Do clichê ao arquétipo. Tradução de Ivan Pedro de Martins. Rio de Janeiro: Record, 1973.

SANTAELLA, Lúcia. Pós-humano – por quê? REVISTA USP, São Paulo, n.74, p. 126-137, junho/agosto 2007. Disponível: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/. Acesso: 22, out. 2017.

_____. Culturas e artes do pós-humano: Da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTOS NETO, Elydio dos. Os quadrinhos poético-filosóficos de Edgar Franco: Textos, HQs e entrevistas. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2012.

KUL-WANT, Chistopher. Entendendo Slavaj Zizek. Ilustração de Piero. São Paulo: Leya, 2012.




Direitos autorais 2018 Cadernos Zygmunt Bauman