Implicações contemporâneas do Estado de Exceção na teoria de Agamben.

José Wilson Rodrigues de Brito, Sandro Luiz Bazzanella

Resumo


O presente artigo tem como objetivo compreender o desenvolvimento de determinadas contradições e dificuldades encontradas a partir da implantação do estado de exceção no contexto contemporâneo. Esta análise tem como ponto de partida essencial a obra Estado de Exceção (2003), do pensador italiano Giorgio Agamben, na qual se tem a abordagem específica sobre este fenômeno que cada vez mais se tem efetivado seu uso, nos atuais estados democráticos e seu exercício político como forma de paradigma, bem como suas implicações nas mais diversas relações de poder nos Estados. Quanto à metodologia, o desenvolvimento deste estudo foi abordado através de revisão bibliográfica, tendo como principal obra a já citada acima, assim como Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua I (1995) do mesmo autor bem como comentadores que auxiliam nesta melhor compreensão e discussão sobre o Estado de Exceção e suas implicações na atualidade. Pode-se afirmar que se torna de elevada importância fazer uma reflexão sobre a problemática intrínseca ao estado de exceção como um paradigma de governo que tem se instalado de modo cada vez mais corriqueiro no contexto das atuais democracias, notando que nas ações políticas governamentais e parlamentares os direitos e liberdades tomadas como subjetivas têm sido suprimidas, sendo preciso, então, direcionar melhores estratégias de conscientização coletiva, uma vez que para Agamben, a proteção e promoção dos direitos humanos não devem ficar nas mãos dos Estados, pois estes podem acabar fazendo uso constante e sem critérios do que deveria ser usado apenas e somente em circunstâncias limites e de extrema necessidade, que é o decretar estado de exceção.  


Palavras-chave


Agamben. Democracia. Estado de Exceção. Implicações. Sociedade.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Henrique Weil. MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Estado de exceção como paradigma para o Direito Internacional. Revista de Mestrado em Direito. PUC Minas Gerais. 2001. In: http://www.revistapersona.com.ar/Persona86/86Magalhaes.htm. Acesso em: julho de 2012.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Trad. Iraci D. Poleti. 2. Ed. São Paulo: Boitempo, 2004.

_________ Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. 2. Ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

BENJAMIN, Walter. Crítica da Violência: crítica do poder. In: Documentos de Cultura, Documentos de Barbárie. Org. e apresentação Willi Bolle. São Paulo, Cultrix, 1986b, p. 160-175.

__________Origens do Drama Barroco Alemão. Trad. e org. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BERCOVICI, Gilberto. Soberania e constituição: Para uma crítica do constitucionalismo. São Paulo: Quartier Latin, 2008.

CASTRO, Edgardo. Introdução a Giorgio Agamben: Uma arqueologia da potência. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

DORNELLES, João Ricardo W. Direitos Humanos e a Justiça da Memória: Uma perspectiva das vítimas. In: RUIZ, Castor M. M. Bartolomé, Justiça e Memória: Direito à justiça, memória e reparação, a condição humana nos estados de exceção. São Leopoldo: Casa Leiria, Passo Fundo: Ifibe, 2012.

PEREIRA, Gustavo Oliveira de Lima. A pátria dos sem pátria: Direitos humanos & Alteridade. Porto Alegre: Editora UniRitter, 2011.

RUIZ, Castor M. M. Bartolomé. Introdução. In: RUIZ, Castor M. M. Bartolomé, Justiça e Memória: Direito à justiça, memória e reparação, a condição humana nos estados de exceção. São Leopoldo: Casa Leiria, Passo Fundo: Ifibe, 2012.

___________. A sacralidade da vida nua na exceção soberana, a testemunha e sua linguagem: (Re)leituras biopolíticas da obra de Giorgio Agamben. In: Cadernos IHU, ano 10, nº 39, 2012.

SCHMITT, Carl. Teologia Política. Trad. Elisete Antoniuk. Belo Horizonte: Del Rey, 2009.

WALLERNSTEIN, Immanuel. O universalismo europeu. São Paulo: Boitempo, 2008.




Direitos autorais 2017 Cadernos Zygmunt Bauman

ISSN 2236-4099