SLOTERDIJK: o fim da massa enquanto sujeito e o renascimento da sociedade das hordas

José Roberto Carvalho da Silva, Wellington Lima Amorim

Resumo


O presente artigo tem como objetivo central apresentar o fim das pretensões modernas de massa enquanto sujeito e o renascimento da sociedade de hordas em Sloterdijk. Para o autor de O desprezo das massas, no projeto da massa como sujeito, cada indivíduo deveria, junto aos outros, reconhecer-se responsável pelo funcionamento sistemático do Todo. Para Sloterdijk, depois do episódio dos totalitarismos do século XX, observam-se os limites desse projeto da razão que terminou em barbárie. Por isso, o fim da massa como sujeito corresponde a um estado de coisa no qual não existe mais a pretensão de política do “Grande”, pois o indivíduo pós-moderno somente tem diante de si um horizonte de compreensão que envolve apenas os valores da sua horda. Para Sloterdijk, como é dito em seu ensaio intitulado No mesmo barco, este acontecimento é próprio da sociedade industrial e da hiperpolítica.

Palavras-chave


Contingência, interdisciplinaridade, Etica

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Cadernos Zygmunt Bauman

ISSN 2236-4099