A abordagem contingencialista da linguagem em Richard Rorty

Cleane Silva Rocha, Aldir Araújo Filho

Resumo


Aqui será feito um reexame do primeiro capítulo de Contingência, Ironia e Solidariedade, do filósofo neopragmatista Richard Rorty, em que ele tematizou a questão da contingência da linguagem. Utilizando o pensamento de Donald Davidson, Rorty apresentou aí uma perspectiva contingencialista sobre a linguagem, isto é, afirmou que ela nasce do acaso e das necessidades do homem. Davidson, por sua vez, sustentou que a linguagem não é um meio de expressão e representação, por desconsiderar a ideia de que haja uma natureza intrínseca do eu ou da realidade, que a linguagem deveria exprimir ou representar. De Davidson, Rorty empregou ainda a ideia de “teorias provisórias” e a oposição “literalidade x metáfora”.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais

ISSN 2236-4099