A História estilhaçada: tradições e usos do passado no diálogo entre Zygmunt Bauman e Hannah Arendt

Eliza Bachega Casadei

Resumo


Os usos do passado e da tradição em uma sociedade pós-tradicional, na perspectiva de Zygmunt Bauman, é resultado dos desdobramentos da modernidade em sua produção da ambivalência. O objetivo do presente artigo é rastrear esse pensamento na obra de Bauman a partir da suturação do conceito de tradição com a obra mais ampla do filósofo. Buscaremos, então, pontos de contato com outros autores que também trabalharam esta temática – notadamente, Hannah Arendt – a partir da ótica de que a modernidade é marcada pela dependência de um passado ressignificado.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais

ISSN 2236-4099