NEOINDIVÍDUO: Questões sobre a liberdade na modernidade líquida

Frederico Fonseca Soares

Resumo


 A liberdade é tema motor da ação do indivíduo desde tempos imemoriais, a liberdade inspira e representa a morada e o repouso da alma humana, mas, primeiramente, deve-se tomar consciência da sua condição de servidão, para depois refletir sobre a liberdade que se vive. A contemporaneidade líquida promove e incentiva, mais do que nunca, a liberdade individual, contudo a verdadeira e legítima liberdade pode ser muito prejudicial aos projetos neoliberais de controle e dominação, por isso, uma avaliação regional, estruturada nas intensas teorias sociais de Bauman, pode nos revelar que a liberdade perdeu ou transformou seu significado básico e vive, efetivamente, sob a égide da ideologia dominante, que delibera sobre o futuro econômico e cultural do mundo e sobre a conduta dos indivíduos. E, os neoindivíduos, por se fecharem acriticamente na sua hiper-individualidade egoísta, misturaram-se, como engrenagens, nessa ideologia totalitária, e acabam contribuindo com a situação opressora, encontrando-se longe de se libertarem pela razão e pela crítica


Texto completo:

PDF


Direitos autorais

ISSN 2236-4099