Clima urbano e estabelecimentos de diretrizes para cenários de ocupação do solo

Érico Masiero, Léa Cristina Lucas de Souza

Resumo


O estudo busca estabelecer diretrizes de cenários de ocupação do solo de acordo com os efeitos provocados pelo clima urbano. A principal hipótese se origina da conjunção entre a atuação de massas de ar e da radiação solar combinadas com as características naturais da região e do ambiente construído. O método está baseado na caracterização ambiental, na detecção de fenômenos físicos que influenciam o clima urbano, na coleta de dados microclimáticos, na análise meso climática, no mapeamento das informações e na formulação de diretrizes para a ocupação urbana de uma área em processo de consolidação na cidade de São José do Rio Preto, SP. As informações microclimáticas e ambientais foram mapeadas com o uso de geoestatística em recortes urbanos. Os resultados indicam que a ação dos ventos sobre as superfícies expostas de água tem elevado potencial para influenciar um entorno imediato de aproximadamente 1.000m, dependendo da topografia, da densidade do ambiente construído, das condições atmosféricas e da vegetação. A dificuldade de penetração das massas de ar umidificadas em um denso e impermeabilizado ambiente construído sugere que o espaço urbano deva favorecer a ação passiva do resfriamento evaporativo, reduzindo a amplitude térmica e aumentando a umidade do ar. Desta forma, foram estabelecidas diretrizes de ocupação considerando a reorganização da vegetação, o represamento de corpos d’água, o posicionamento dos cânions urbanos de acordo com os ventos predominantes e a determinação do fator de visão do céu mais adequado para proporcionar sombreamento nas áreas abertas.


Palavras-chave


Clima urbano, diretrizes de ocupação, umidade do ar.

Texto completo:

PDF

Referências


GOOGLE EARTH. Version 4.3.7284.3916 (beta), 2008. EUA. Accessed on 25th January 2014.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change. Working Group III Report "Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change" Human Settlements, Infrastructure and Spatial Planning. Chapter 12. Available at: http://www.ipcc.ch/pdf/assessment-report/ar5/wg3/ipcc_wg3_ar5_chapter12.pdf . Acessado em 19 Novembro 2015.

Lambert-Habib, M.L., Hidalgo, J., Fedele C., Lemonsu A., Bernard C.. How is climatic adaptation taken into account by legal tools? Introduction of water and vegetation by French town planning documents. Urban Climate, Volume 4, July 2013, Pages 16-34.

Matzarakis, A.. Rayman 1.2. Available at: http://www.mif.uni-freiburg.de/rayman/intro.htm 2009. Accessed on 15th January 2014.

Mills, G., Cleugh, H., Emmanuel, R., Endlicherd, W., Erelle, E., Mcgranahanf G., Ngg, E., Nicksonh, A., Rosenthali, J., Steemer, K.. Climate Information for Improved Planning and Management of Mega Cities (Needs Perspective). Proceedia Environmental Sciences 1. Pages 228–246, 2010.

Ng, E. Policies and technical guidelines for urban planning of high-density cities – air ventilation assessment (AVA) of Hong Kong. Building and Environment. n. 44: p.1478-1488. 2009.

Ng, E.; Chen, L.; Wang, Y.; Yuan, C. A study on the cooling effects of greening in a high-density city: An experience from Hong Kong. Building and Environment. No. 47, p. 256-271. 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO. PMSJRP. Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica Municipal: Available at: . Accessed in 08th January 2010.

Stewart, I. D., Oke, T. R. Local Climate Zones for Urban Temperature Studies. Bulletin of American Meteorological Society.no. 93, 2012. p. 1879–1900. doi: http://dx.doi.org/10.1175/BAMS-D-11-00019.1. 2012.

Sun, R., Chen, L. How can urban water bodies be designed for climate adaptation? Landscape and Urban Planning 105, p. 27– 33. 2012.




Direitos autorais 2019 Cadernos Zygmunt Bauman

ISSN 2236-4099