REFLEXÕES SOBRE A INFLUÊNCIA DA INDÚSTRIA CULTURAL EM ADAPTAÇÕES CINEMATOGRÁFICAS DE ORGULHO E PRECONCEITO

Daiane da Silva Lourenço

Resumo


O presente artigo tem como objetivo abordar a influência da indústria cultural em duas adaptações cinematográficas de Orgulho e Preconceito (1813), romance da escritora inglesa Jane Austen. As discussões são embasadas em textos de Benjamin e Horkheimer & Adorno, publicados nas décadas de 1930 e 1940, que abordam o processo de mudança na percepção de arte ocasionado pela indústria cinematográfica. A reprodutibilidade técnica e a padronização do mercado são apontados como os fatores responsáveis pela perda de interesse do público pelo valor de culto da obra de arte. Apesar de a arte tornar-se mais acessível ao público de modo geral, os autores consideram que o foco na quantidade diminui a qualidade. Tais proposições são utilizadas para analisar como a produção da minissérie Orgulho e Preconceito (1995) e do filme com mesmo título lançado em 2005 sofreram influências da indústria cultural. A análise revela uma alteração no enredo da narrativa do texto literário ocasionando a suavização ou apagamento de críticas sociais. Essas mudanças têm objetivos comerciais e pretendem atrair determinado público. A pesquisa revelou que as adaptações podem modificar a percepção do público sobre o romance e sobre a escritora Jane Austen.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Afluente: Revista de Letras e Linguística

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2525-3441

                                                  

CONTROLE DE PLÁGIO


INDEXADORES:


Resultado de imagem para livre revistas de livre acesso

http://diadorim.ibict.br/bitstream/1/1301/1/azul.jpg

 

 

VISITANTES MUNDIAIS DA AFLUENTE: REVISTA DE LETRAS E LINGUÍSTICA