A MEMÓRIA COMO UMA GRAMÁTICA DAS RAÇAS: AS ORDENS, AS MEMÓRIAS E AS MORTES DE QUINCAS BERRO DÁGUA

Lázaro de Souza Barbosa

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo examinar as disputas pelas memórias na obra “A morte e a morte de Quincas Berro Dágua” de Jorge Amado, tentando responder questões que giram em torno dos lugares de enunciação da cultura dos/as afrodescendentes que marcam a obra aqui analisada. Entendendo que o que produz uma das ou as várias mortes de Quincas Berro Dágua é o seu contato com certas personagens e certas geografias da cidade amadiana. Para isso, utilizo reflexões de autores como Michael Pollak, João Edson Rufino, Eduardo Assis Duarte e Carlos Moore. O trabalho apresenta considerações a respeito da necessidade de reler a trajetória de Quincas Berro Dágua, tentando a partir daí visualizar outras motivações para tantas mortes, contextualizando em seguida as disputas pelas memórias e seu caráter racial, e por fim, as pisadas dos seus amigos na tentativa de entender a morte como uma festa.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Afluente: Revista de Letras e Linguística

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2525-3441


INDEXADORES:

http://diadorim.ibict.br/bitstream/1/1301/1/azul.jpg

Resultado de imagem para latindex

  Resultado de imagem para livre revistas de livre acesso

 

VISITANTES MUNDIAIS DA AFLUENTE: REVISTA DE LETRAS E LINGUÍSTICA