A CULTURA HIP-HOP E OS ANGOLANISMOS LEXICO-SEMANTICOS EM YANNICK AFROMAN: A LÍNGUA E A CULTURA EM DEBATE

Alexandre Antonio Timbane, Yuran Fernandes Domingos Santana, Euclides Victorino Silva Afonso

Resumo


O hip-hop surge em zonas periféricas das cidades. Em Angola, o grupo é constituído por jovens (a maioria) rejeitados, marginalizados pelo poder público. Nas letras das músicas exalta-se do cotidiano as diferenças sociais sempre usando a língua oficial (português) para que a mensagem alcance maior público. Para além do português, em Angola se fala línguas do grupo bantu (MAHO,2003; HEINE & NURSE,2000) e khoisan (CHEBANNE,2012; FRAWLEY,2003). As letras das músicas dos cantores angolanos revelam traços característicos da variedade angolana do português. Levantando o problema da pesquisa questionou-se os traços linguísticos que caracterizam a variedade angolana do português e quais aspectos culturais que estão por detrás? A pesquisa visa compreender traços linguísticos da variedade angolana do português. A pesquisa é bibliográfica cruzada com a documental composto por dois álbuns: “Mentalidade” (2008) e “Terra a terra” (2013). Para as análises transcreveu-se para facilitar análise dos fenômenos linguísticos. Concluiu-se que o cantor Afroman revela angolanismos que denunciam traços que se inclinam à norma angolana do português. Conclui-se que o português falado por jovens angolanos já não é igual com aquele que as gramáticas portuguesas sugeriram ao longo dos anos em que o português estava sendo aplicando. O ensino do português em Angola tenha em conta a variedade do português que efetivamente ocorre no dia a dia. Um consulente do dicionário cujo corpus foi extraído do Português Europeu fica desiludido, porque muitas unidades lexicais não serão encontradas. Os angolanos precisam caminhar rapidamente para a criação de instrumentos que legitimam a  sua variedade do português.

Palavras-chave


Hip-Hop; Língua; Angolanismos; Cultura. Léxico. Português

Texto completo:

PDF

Referências


ABDULA, R. A. M.; TIMBANE, A. A.; QUEBI, D. O. As políticas linguísticas e o desenvolvimento endógeno nos PALOP. RILP. Série 4, nº31, p.23-46, 2017.

AFROMAN, Y.Mentalidade. 2008. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2018.

______. Terra a terra. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

ANGOLA. Constituição da República de Angola. Luanda: Assembleia Nacional, 2010.

BAGNO, M. Língua, linguagem, linguística. São Paulo: Parábola, 2014.

______. Preconceito linguístico. 56.ed. São Paulo: Parábola, 2015.

BERNARDO, E. P. J. Norma e variação linguística: implicações no ensino da língua portuguesa em Angola. RILP, Lisboa, n.32, IV série, p.37-52, 2017.

BIDERMAN, M. T. C. Léxico e vocabulário fundamental. Alfa, São Paulo, n.40, p.27-46, 1996.

CALVET, L-J. As políticas linguísticas. Florianópolis e São Paulo: IPOL/Parábola, 2007.

CÂMARA JR., J. M. Língua e cultura. Letras. v.4, p.51-59, 1955.

CHEBANNE, A. Where are the ‘skeletons’ of dead khoisan languages? JSTOR. v.44, p.81-92, 2012.

CHEBANNE, A.; MOGARA, B. Khoisan languages of Botswana. In: KAMUSELLA, T.; NDHLOVU, F. (Eds.). The social and political historyof southern Africa’s languages. London: Palgrave macmillan, 2018. p.157-178.

COUTO, H. H. do. Introdução ao estudo das línguas crioulas e pidgins. Brasília:UnB, 1996.

______.Ecolinguística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.

______.“Língua e meio ambiente”. Estudos Linguísticos. Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 143-178, jan./jun, 2009.

______. et al. (2016). O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. v.2. Goiânia: Ed. UFG.

______.; COUTO, E. K. N. N. do. Ecologia das relações espaciais: as preposições do crioulo-português da Guiné-Bissau. RILP. Série 4, nº31, p.177-208, 2017.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 1999.

DINGWANEY, A.; MAIER, C. Between languages and culture: translation and cross-cultural texts. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1995.

FRAWLEY, W. J. (Ed.). Interrnational encyclopedia of linguistics. 2.ed. Oxford: OUP, 2003.

GREENBERG, Joseph H. Classificação das línguas da África. In: KI-ZERBO, J. (Org.). História geral da África: Metodologia e pré-história da África. v.1. Brasília: UNESCO, 2010.

HEINE, B.; NURSE, D. African languages: an introduction. Cambridge: CUP, 2000.

HLIBOWICKA-WEGLARZ, B. A origem dos crioulos atlânticos e asiáticos (hipótese monogenética). Estudos Hispánicos, v.15, p.225-233,2007.

JIMBI, B. I. A reflection on the Umbundu corpus planning for the Angola education system: towards the harmonization of the Catholic and the Protestant orthographies. Actas do XIII Congreso Internacional de Lingüística Xeral. Vigo, p.475-482, 2018.

KRAMSCH, C. Language and culture. London: OUP, 2014.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LEFEBVRE, C. Issues in the study of pidgin and creole languages. series 70, Amsterdam: JBPC, 2004.

MAHO, J. «A classification of the bantu languages an update of Guthrie’s referential system. » in: NURSE, D; PHILIPPSON, G. (Ed.). The Bantu languages. Londres: Routledge. p.639-650, 2003.

MANUEL, C.; TIMBANE, A. A. Os crioulos em África são línguas de base portuguesa? Embate sobre os conceitos. Comunicação. V Semana –UNILAB/Malês, São Francisco do Conde (BA), 2018.

MENEZES, J. A.; COSTA, M. R. Posicionamentos e controvérsias no movimento hip-hop. Estudos de Psicologia, v.18, n.2, p.389-396. abr.-jun, 2013.

MUFWENE, S.(2016). “Ecologia da língua: algumas perspectivas evolutivas”. in: COUTO, H. H. do. et al. (Org.). O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. v.2. Goiania: Ed. UFG. 473-500, 2016.

NDOMBELE, E. D. Reflexão sobre as línguas nacionais no sistema de educação em Angola. RILP. IV Série nº 31, 2017, p.69-88, 2017.

NGUNGA, A. Introdução à linguística bantu. 2.ed. Maputo: Imprensa Universitária, 2015.

NURSE, D. & PHILIPPSON, G. The bantu languages. London/New York: Routledge, 2003.

PEDRO, J. Estão as línguas nacionais em perigo? in: SEVERO, C.; SITOE, B.; PEDRO, J. (Org.). Estão as línguas nacionais em perigo? Lisboa: Escolar Editora, p.77-88, 2014.

PEREIRA, D. Crioulos de base portuguesa. Lisboa: Caminho, 2006.

PETTER, M. Introdução à linguística africana. São Paulo: Contexto, 2015.

RISAGER, K. Language and culture: global flows and local complexity. Clevedon: Multilingual Matters Ltda, 2006.

RODRIGUES, Â. L. A língua inglesa na África: opressão, negociação, resistência, Campinas, SP: Unicamp/Fap, 2011.

SANTOS, J. L. dos. O que é cultura. São Paulo: Brasiliense, 2006.

SAPIR, E. Linguística como ciência. Trad. J. Mattoso Câmara. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969.

SASSUCO, D. P. Pistas essenciais para um português de Angola. In: LEITE, I. B.; SEVERO, C. G. (Org.). Kadila: culturas e ambientes Diálogos Brasil-Angola. São Paulo: Blucher, 2016. p.199-218.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SEVERO, C. G. “Política(s) linguística(s) e questões de poder.” Alfa. São Paulo, v.57, n.2, p.451-473, 22013.

______. Línguas e políticas linguísticas em Angola. in: LEITE, I. B.(Org.). Línguas atuais faladas em Angola: Entrevista com Daniel P. Sassuco. Florianópolis: NUER. p.7-13, 2015.

______.; SITOE, B.; PEDRO, J.(Org.). Estão as línguas nacionais em perigo? Lisboa: Escolar Editora, 2014.

SOUZA, R. M. V. de. Cultura hip-hop e Identidade e Sociabilidade: estudo de caso do movimento em Palmas. Bocc. p.1-12, 2007. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/souza-rose-cultura-hip-hop.pdf. Acesso em 29 ago.2018.

TARALLO, F. & ALKMIM, T. Falares crioulos: línguas em contato. São Paulo: Ática, 1987.

TIMBANE, A. A. A criatividade lexical da língua portuguesa: uma análise com brasileirismos e moçambicanismos. Caligrama. v.18, n.2, p.7-30, 2013.

______.; VICENTE, J. G. O plurilinguismo em Moçambique: debates e caminhos para uma educação linguística inovadora. RILP, Lisboa, IVsérie, n.31, p.89-110, 2017.

______.“Análise sociodiscursiva da saudação do grupo étnico-linguístico Tsonga de Moçambique.” Educação, cultura e educação. ECS, Sinov, v.4, nº2, p.90-105, 2014.

______.; SANTOS, I. da S.; ALVES, M. J. “Os caminhos da variação léxico- semântica no Brasil, em Portugal e em Moçambique”. In: PAULA, M. H. de; SANTOS, M. P. dos; PERES, S. M. (Org.). Perspectivas em estudos da linguagem. São Paulo: Blucher. p. 73 -90, 2017.

UNDOLO, M. E. da S. Caracterização da norma do português em Angola. 330p. Tese. Doutor em Linguística. Universidade de Évora. Évora, 2014.

UFSC/Instituto de Estudos Latino-americanos. Entrev. ao Mestre Ezequiel Bernardo. Angola: a luta pelo direito à língua 29 maio. Disponível em:. Acesso em: 03 ago.2018.

UNESCO. Declaração Universal de Direitos Linguísticos. Barcelona: UNESCO, 1996.

ZAU, D. G. D. A Língua Portuguesa em Angola: um contributo para o estudo da sua nacionalização. Tese. 204p. Doutorado em Linguística. Departamento de Letras. Universidade de Beira Interior. Covilhã, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Afluente: Revista de Letras e Linguística

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 2525-3441


INDEXADORES:


http://diadorim.ibict.br/bitstream/1/1301/1/azul.jpg

Resultado de imagem para latindex

 

 

  Resultado de imagem para livre revistas de livre acesso

 

VISITANTES MUNDIAIS DA AFLUENTE: REVISTA DE LETRAS E LINGUÍSTICA